Notícias

12 coisas que você talvez não saiba sobre a separação do lixo

Compartilhe:     |  7 de junho de 2018

Por mais que a gente tenha vontade de ajudar a preservar o ambiente, ainda podem surgir algumas dúvidas quando o produto a ser jogado no lixo não se enquadra claramente em um dos grupos principais de descarte: reciclável/seco ou orgânico. Sabe a meia-calça de nylon que rasgou, a meia de algodão furada ou aquela cueca que já está “cansada” e sem utilidade? Provavelmente, você não vai doá-los. Mas sabe em qual lixo depositar? E a esponja velha de cozinha, você sabe onde colocar? Pensando nisso, listamos 12 dicas que vão te ajudar na hora de separar o lixo domiciliar.

1. A caixa de pizza deve ser dividida – isso mesmo!

Arte Alexandre OliveiraArte Alexandre Oliveira

A parte sem gordura vai no lixo seco, para a reciclagem. A engordurada, deve ser colocada no lixo orgânico.

2. Nem tudo que é seco e limpo deve ir para o lixo reciclável

Arte Alexandre Oliveira

Dependendo do material, mesmo seco, ele vai para os rejeitos, por não poder ser reaproveitado. Qualquer roupa velha, sem condições de ser doada, deve ir para o lixo de rejeitos/orgânico. Assim como adesivos, rolhas, grampos, tachinhas e panos de limpeza. Bituca de cigarro, absorventes, fraldas descartáveis, cotonetes, espuma, esponja, lã de aço, cabelo, lâmina de barbear (lembre-se de embrulhar bem para evitar que alguém se machuque), fio dental e preservativo (usado ou não) também devem ir para essa coleta.

Nas regiões atendidas pela coleta automatizada, é possível descartar nos contêineres a qualquer hora ou dia da semana.


3. Lâmpadas fluorescentes nunca devem ir para as lixeiras domésticas

Arte Alexandre Oliveira

Arte Alexandre Oliveira

É um produto considerado perigoso, pois contém mercúrio. A lâmpada queimada deve ser devolvida sempre no local da compra. Se possível, guarde a nota fiscal e devolva o produto no mesmo local onde comprou.

4. Pratinhos de congelados e bandejas de isopor têm descarte diferente

Os pratinhos metalizados e sem restos de alimentos devem ir para o lixo reciclável. Os de papel vão para o lixo orgânico. Bandejas de isopor liso e sem resíduo são recicláveis. Já as de isopor poroso, que costuma ficar sujo, tipo aquela que vem com as carnes compradas no supermercado, são rejeitos e podem ir para o lixo orgânico.

5. Embalagens de medicamentos e seringas exigem atenção

A caixinha e a bula são recicláveis e podem ser depositadas no lixo seco. Mas o blister (cartela onde ficam as pílulas) e os vidros dos medicamentos são resíduos especiais – alguns considerados perigosos – e devem ser devolvidos nas farmácias. O remédio depositado no lixo orgânico acaba indo para o aterro ou o esgoto, e essa mistura de substâncias pode ser despejada no rio e voltar para a torneira da sua casa.

As seringas utilizadas no tratamento domiciliar também não devem ir para a coleta seletiva. É preciso levá-las a um posto de saúde ou um hospital, onde serão recebidas e encaminhadas ao tratamento. Em alguns locais, como no Posto de Saúde Modelo, na Avenida João Pessoa, em Porto Alegre, é disponibilizada uma embalagem de papelão específica para colocar esse tipo de resíduo.

6. O que fazer com papéis, plásticos, palitos e fitas

Papel laminado, nota fiscal, papel de fax, filme plástico, envelope, sacolinha plástica, jornais, revistas, embalagens de salgadinho e de bolacha são recicláveis. Até mesmo o saco sujo de carvão vai para o lixo seco. Já papel celofane, plastificado ou carbono são rejeitos, então, devem ser colocados no lixo orgânico. O mesmo vale para papel toalha e guardanapo sujos, palito de fósforo, de dentes, de picolé, fita crepe, durex e isolante. Tudo vai para o lixo orgânico. Já as fotografias (se pretende jogar alguma fora) vão no lixo reciclável.


7. Eletrônicos velhos (que não servem nem para enfeite) merecem um destino correto

Existem locais que recebem aparelhos eletrônicos como CPUs, monitores, teclados, cabos, estabilizadores, celulares e eletrodomésticos obsoletos. Estes resíduos podem conter chumbo, bromo, mercúrio e cádmio, metais perigosos e com alto poder de contaminação.

Então você pensa: “Mas eu terei que fazer uma função pra levar o aparelho até um dos pontos!?” Amigo, isso não vai acontecer sempre. O negócio é juntar mais de um aparelho e levar tudo de uma só vez. A natureza agradece.

 

8. Cartuchos e toners (além de sujar tudo que encostamos) são perigosos para o ambiente

Esses materiais também são considerados resíduos perigosos pela sua composição e não podem ser encaminhados pela coleta do DMLU. A devolução deve ser feita nas lojas onde foram adquiridos, para que os responsáveis pela sua comercialização os destinem ao tratamento especializado.


9. Pilhas e baterias voltam para as lojas onde foram compradas

No Brasil, cerca de 800 milhões de pilhas são produzidas por ano. É um produto em que há presença de mercúrio, substância poluente. Imagine o problemão se todo esse material for para o lixo seco ou orgânico. Mas o que fazer, então? Devolva o produto usado no local onde você comprou. Sabia que existe uma Lei municipal que obriga os comerciantes e redes de assistência técnica que distribuem ou comercializam pilhas e baterias a recebê-las de volta? A prefeitura de Porto Alegre disponibiliza em seu site uma lista de pontos onde você pode fazer o descarte.


10. Maquiagem, esmaltes e produtos de limpeza devem ser descartados sem a embalagem

Outra dúvida é quando precisamos jogar fora um item que ainda tem produto dentro, geralmente, vencido. Neste caso, despeje o produto no lixo orgânico e as embalagens, no reciclável. Se o produto for muito líquido, como os de limpeza, despeje no ralo.


11. Óleo de cozinha é altamente poluente

Jamais coloque na pia ou no vaso sanitário. É um produto extremamente poluente. O óleo derramado na pia, além de danificar a instalação hidráulica, polui a água, provoca a morte de peixes e desequilibra o ecossistema. Para evitar problemas futuros, coloque o óleo dentro de uma garrafa pet e entregue em um dos pontos de reciclagem. A lista dos locais que recebem este produto pode ser conferida no site da prefeitura. Se isso não for possível, deixe a garrafa com óleo ao lado do lixo ou entregue para a pessoa que faz a coleta, para que ele não seja misturado com outros resíduos.


12. Lavar ou não lavar, eis a questão!

Ok. Você já entendeu que deve colocar no lixo reciclável a caixinha de creme de leite vazia, assim como a embalagem de leite condensado, o sachê de molho de tomate, o pote de iogurte, a latinha de refrigerante e os vidros de conserva. Mas preciso lavá-los antes de fazer isso? A resposta é não! Para o processo de reciclagem acontecer, não é necessário lavar nada antes. No entanto, é higiênico retirar o excesso de resíduos do recipiente, principalmente se ele ficar armazenado na sua casa por algum tempo, para não atrair ratos e baratas. Mas nada de gastar água limpa exclusivamente para isso. Uma sugestão é deixar os itens dentro da pia enquanto lava a louça para que eles “se limpem” com essa água. Não esqueça que os vidros (inteiro ou em cacos) devem ser enrolados em jornal ou papelão para evitar acidentes.



Fonte: GaúchaZH



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais