Espaço Animal

A ave com o canto mais alto do mundo é brasileira!

Compartilhe:     |  12 de janeiro de 2020

Procnias albus

Você sabia que o pássaro que tem o canto mais alto já registrado no mundo é uma ave brasileira?

Esta ave é conhecida popularmente como Araponga-da-Amazônia ou Araponga-Branca. A constatação vem de um estudo que envolveu a parceria da Universidade de Massachusets, EUA, com o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e foi feito pelos ornitólogos Jeffrey Podos e Mario Cohn-Haft.

O estudo foi publicado na revista científica Current Biology e comprova que o pássaro que emite o som mais alto do mundo é o macho pertencente à espécie Procnias albus, encontrada na região norte do Brasil.

A Araponga-da-Amazônia, nativa das serras amazônicas, pesa aproximadamente 250 gramas, mas mesmo sendo pequena, o barulho que ela faz é grande, pois seu canto chega a ser mais alto que o som de uma britadeira, atingindo 125 decibéis!  

Como se deu o estudo

Em entrevista para o programa Tarde Nacional-Amazônia da Rádio EBC, o pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Mario Cohn-Haft, explicou para a apresentadora Juliana Maya, que o responsável pelo canto mais alto do mundo emite dois tipos de sons distintos, um para atrair e chamar a fêmea (som tipo I) e o outro quando já está perto de uma (tipo II), quando ele aumenta sua sonorização.

Na entrevista, ele contou que esse estudo se deu através de expedição para a área montanhosa da floresta Amazônica. Nessa região foram feitas observação, medição e comparação dos cantos de acasalamento de duas espécies: o Cricrió (Lipaugus vociferans) e a Araponga-da-Amazônia.

Até então, antes desse estudo, o canto mais alto já documentado era o do Cricrió. Porém, a partir dessa pesquisa descobriu-se que o canto da Araponga-da-Amazônia ficou 9 decibéis (dB) mais alto, com um alcance praticamente três vezes mais de pressão acústica do que o da espécie Lipaugus vociferans (o Cricrió).

De acordo com hipótese e análise dos pesquisadores, a razão desta sua amplitude vocal é que para elevar o volume do seu canto ao máximo, este pássaro regula o fluxo da respiração, esvaziando mais rapidamente o ar inspirado, através da vocalização mais curta.

Curiosidades sobre o canto da Araponga-da-Amazônia

Algumas curiosidades que vieram à tona, através desse estudo e da observação feita, é que quando uma fêmea de Araponga-da-Amazônia se aproximava do macho, este emitia apenas o canto mais alto, classificado como Tipo II, por ser de maior amplitude.

O macho,”para jogar seu charme”, agitava  seu barbilhão (apêndice carnoso pendente por baixo do bico de algumas aves) e se balança no meio da vocalização para encarar a fêmea durante a segunda nota do canto, nesse momento ou um pouco antes ela recuava à cerca de quatro metros de distância dele.

Esse distanciamento instintivo da fêmea de certo é uma forma dela se preservar de distúrbios auditivos provocados pela alta sonoridade do macho, afinal quem ficaria pertinho de um som com a potência similar ao de uma britadeira?

O porquê da vocalização tão potente

A habilidade dessa espécie cantar tão alto tem relação com o grande tamanho de sua siringe (órgão sonoro localizado na extremidade terminal da traqueia e porções iniciais dos dois brônquios primários), a sua boca bem larga e bico com grande capacidade de abertura; além do que, a musculatura firme dele é adequada para suportar sua forte vocalização.

Essas características possibilitam à esta ave a concentração de energia acústica em certas frequências, contribuindo  para facilitar a transmissão de sua potente vocalização resultando na amplificação do canto deste pássaro.

Ouça o canto da Araponga-da-Amazônia

Confira por você mesmo o canto austero dessa ave brasileira neste vídeo.

Fascinante esse pássaro vocalizador de som metálico, penetrante e fugaz. Lindo vê-lo na Natureza emitindo seu canto!



Fonte: Greenme - Deise Aur



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Holanda se torna o primeiro país sem cães abandonados – e não precisou sacrificar nenhum

Leia Mais