Notícias

À base de neem, citronela e andiroba, ele é alternativa eficaz contra insetos

Compartilhe:     |  7 de abril de 2015

É atribuída ao Dalai Lama, figura política e espiritual do Tibete, a frase: “Se você se acha pequeno demais para mudar o mundo, tente dormir com um pernilongo no quarto”. Porém, até mesmo o maior representante do budismo no mundo admite em vídeos que, quando o terceiro mosquito se aproxima para bebericar seu sagrado sangue, a paciência já ficou para a próxima encarnação. Imagine só nós, meros mortais que detestamos filas de banco ou os anúncios de cinco segundos que nos estressam antes de vermos nossos adorados vídeos na internet.

Mas graças a Deus (ou aos deuses) foi inventado o repelente de insetos natural. Na flora, existem diversas espécies de plantas que podem nos ajudar com esse karma coletivo. Três delas estão presentes no repelente natural da Preserva Mundi: neem, andiroba e citronela.

Vamos falar um pouco das propriedades dos óleos extraídos de cada uma delas:

Óleo de neem

Neem é uma árvore nativa da Índia com propriedades medicinais e terapêuticas, podendo muitas de suas partes aproveitadas, como sementes, folhas e casca. É usada na indústria farmacêutica e em produtos de higiene e de limpeza. Dentro do seu fruto há uma semente que apresenta uma amêndoa. Esta, ao ser triturada e prensada a frio, gera o óleo de neem. A massa resultante da prensagem pode ser usada como adubo controlador de fungos (ou vermífugo na alimentação animal). Ou seja, tudo da árvore é aproveitado.

O óleo obtido é rico em ácidos graxos. É inseticida orgânico eficaz contra mais de 200 espécies de insetos, como baratas e piolhos. Possui propriedade antifúngica (contra 14 tipos de fungos de pele, inclusive micoses), antibacteriana (eficaz contra as causadoras de cravos e espinhas), antiviral, antisséptica (contra caspa e seborreia) e anti-inflamatória. Alivia coceiras e vermelhidões causadas por picadas de insetos. Pode ser usado nos pets, afasta pulgas, carrapatos e sarnas, além de proporcionar brilho ao pelo do animalzinho – basta adicionar ao xampu e ao sabonete do bichinho.

Por fim, uma curiosidade: melhora a aparência de objetos enferrujados.

O óleo de neem é biodegradável e não é bioacumulável.

Óleo de andiroba

A andiroba é um planta nativa da Amazônia e seu fruto é uma cápsula que se abre ao cair no chão, liberando de quatro a seis sementes – é dessas sementes que o óleo de andiroba é extraído. O método de extração é totalmente sustentável quando os responsáveis esperam os frutos caírem naturalmente.

Este óleo também é rico em ácidos graxos como o oleico e o linoleico, mais conhecidos como ômega 9ômega 6, respectivamente. Possui propriedades antissépticas, anti-inflamatórias, cicatrizantes, inseticidas e outros diversos benefícios. Mesmo na Amazônia, seu maior e mais tradicional uso é como repelente de insetos e no tratamento de coceiras e picadas causadas por estes, devido a suas propriedades cicatrizantes. Também pode ser aplicado em móveis e madeiras, preservando-as e protegendo-as de cupins, além de aumentar sua durabilidade. Misturado a xampus e cremes, combate a queda de cabelo e calvície, e, assim como o óleo de Neem, trata piolhos.

Não é indicado para consumo humano via oral. Um estudo realizado pelas Universidades Federais de Pernambuco e do Pará publicou que o consumo via oral desse óleo pode afetar negativamente o funcionamento do fígado.

Citronela

O mais famoso e popular inseticida. Seu uso é tópico, aplicado diretamente na pele, aliviando ardores e coceiras provocadas por insetos. Não há restrições para uso em crianças, pessoas de pele sensível ou animais. Borrifar um pouco de hidrolato de citronela na coleira de animaizinhos de estimação afasta pulgas, carrapatos e mosquitos.

Também traz alívio para dores reumáticas. Aromatizar o ambiente com hidrolato de citronela tem efeitos positivos para nervosismo, ansiedade e agitação, devido a suas propriedades calmantes.

O que é o DEET

O problema das loções repelentes comercializadas pode ser resumido em apenas quatro letras: DEET, ou dietil-toluamida. Esse componente químico está presente na maioria dos repelentes de mercado, sendo uma das principais substâncias. O DEET atua nos sensores das antenas dos pernilongos e mosquitos, impedindo-os de reconhecer o gás carbônico liberado pelos seres humanos na respiração, mantendo-os afastados. No entanto, o DEET tem um grau de toxicidade que pode desencadear processos alérgicos, tanto na pele quanto no sistema respiratório, em narinas e mucosas e, em casos graves, pode causar até danos hepáticos. Até o momento, não há um consenso entre os especialistas sobre os reais efeitos que essa substância pode provocar à saúde humana. Porém, um estudo realizado por cientistas da Grã-Bretanha comprovou que o mosquito da dengue já desenvolveu uma resistência biológica a ele, graças ao seu uso em larga escala nos repelentes.

Descarte

Vale ressaltar que o descarte indevido de óleos provoca sérios impactos ambientais, principalmente na questão de contaminação da água. Dessa forma, o descarte de óleos vegetais em ralos e pias é inadequado, pois pode causar diversos riscos ambientais e também entupimento nos encanamentos. Portanto, em caso de descarte, procure pelo local correto para esses produtos; disponha os resíduos de óleo em recipientes plásticos e leve-os a um ponto de descarte para que o óleo possa ser reciclado.

Você pode encontrar aqui o ponto mais próximo para descartá-los.

Para conhecer uma série de alternativas que a natureza nos oferece para protegermos nossa saúde e praticarmos o consumo sustentável, clique aqui.

Ficou interessado? Você pode adquirir este produto aqui, na Loja eCycle e ter uma pegada leve diante de ataques proeminentes, como o Dalai Lama.



Fonte: Equipe eCycle



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Holanda se torna o primeiro país sem cães abandonados – e não precisou sacrificar nenhum

Leia Mais