Notícias

A humanidade perde na guerra contra os ecossistemas e pode enfrentar obstáculos

Compartilhe:     |  7 de outubro de 2014

Um informe da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o estado da biodiversidade mundial, divulgado ontem, chama a atenção para as metas não cumpridas e os obstáculos à frente. O informe Perspectivas da Diversidade Mundial 4 (GBO-4) pede o “desmantelamento dos motores da perda da biodiversidade, que frequentemente estão incorporados no profundo de nossos sistemas políticos, financeiros e nos padrões de produção e consumo”.

O GBO-4 foi divulgado no contexto da 12ª reunião da Conferência das Partes (COP 12) da Convenção da Diversidade Biológica, que começou ontem em Pyeongchang, na Coreia do Sul, e terminará no dia 17. Em 2010, com base na Convenção da Diversidade Biológica, dezenas de especialistas e ativistas reunidos em Nagoya, no Japão, redigiram o Plano Estratégico para a Diversidade Biológica 2011-2020, com 20 pontos conhecidos como Metas de Aichi, que incluem da conservação da terra às práticas de pesca sustentáveis, entre outras coisas.

Embora a Assembleia Geral da ONU tenha reafirmado esses objetivos e os reiterado novamente na Cúpula da Terra Rio+20, realizada em 2012 no Brasil, os cientistas afirmam que as perdas continuam superando os avanços, porque o desmatamento continua destruindo as florestas, o lixo ainda é lançado nos oceanos e os habitats dos animais caem à passagem do desenvolvimento humano e da industrialização.

O planeta perdeu 52% de sua fauna silvestre nos últimos 40 anos, o desmatamento derrubou quase 17% das florestas no último meio século, a população animal dos ecossistemas de água doce diminuiu 75% desde 1970 e quase 95% dos arrecifes de coral sofrem a ameaça da contaminação, do desenvolvimento costeiro e da pesca excessiva.

Segundo a versão mais recente do Planeta Vivo, um informe do Fundo Mundial para a Natureza (WWF), os seres humanos “usam os dons da natureza como se tivéssemos mais de uma Terra à nossa disposição”. O índice Planeta Vivo, baseado em estudos de mais de dez mil populações representativas de mamíferos, aves, répteis, anfíbios e peixes, concluiu que a exploração dos recursos naturais pelo ser humano é responsável pela grande maioria da perda de vida silvestre nas últimas quatro décadas (37%), seguido da degradação do habitat (31%), da perda de vida (13%) e da mudança climática (7%).

O mesmo informe revela que os impactos humanos, como o aumento da contaminação e os projetos de construção, são em grande parte responsáveis pela forte redução da fauna silvestre nos sistemas de água doce. Cerca de 45 mil represas com altura superior a 15 metros impedem a livre circulação de alguns dos rios mais importantes do mundo, a um custo enorme para a biodiversidade. As populações de animais marinhos também caíram 40%.

E, mesmo assim, segundo o GBO-4 divulgado ontem, “mais da metade das regiões marinhas têm apenas 5% de seu território protegido”. Das cinco metas estratégicas do plano de biodiversidade de dez anos, o GBO-4 destaca as ameaças aos recursos naturais que provocam o maior consumo em todo o planeta (meta 4), a contaminação dos nutrientes que afetam a biodiversidade aquática e terrestre, agravada pela crescente produção de produtos químicos, fertilizantes e plásticos (meta 8). Também aponta para o risco de extinção de aves, mamíferos e anfíbios (meta 12) e para a falta de capacidade para mobilizar os cidadãos preocupados em todo o mundo (meta 19).

“A questão da agricultura e da segurança alimentar provavelmente seja um dos maiores desafios que enfrentamos”, apontou David Ainsworth, funcionário de informação da Secretaria do Convênio da Diversidade Biológica. “Como sabemos que haverá um substancial aumento da população até o final da década, que provavelmente será acompanhada por uma mudança nos hábitos alimentares, tais como maior consumo de carne, é provável que experimentemos uma tremenda pressão sobre a biodiversidade simplesmente no que diz respeito à agricultura”, acrescentou à IPS.

Grande parte desses problemas poderia ser resolvida com alteração dos sistemas de produção alimentar, promoção de um modelo diferente da típica dieta da América do Norte e luta contra o desperdício de alimentos em todas as etapas de produção, ressaltou Ainsworth.

Numerosos problemas afetam a biodiversidade da Ásia, que tem população superior a 4,2 bilhões de habitantes. Segundo Scott Perkin, chefe do Grupo de Recursos Naturais da União Internacional para a Conservação da Natureza, a região “deu alguns passos importantes para atingir as Metas de Aichi”. “A maioria dos países da região revisou e reforçou suas estratégias e seus planos de ação nacionais em matéria de biodiversidade (meta 17), e um número importante ratificou o Protocolo de Nagoya (meta 16)”, informou à IPS via e-mail. No entanto, a região em seu conjunto segue com uma enorme pressão, acrescentou.

Segundo Perkin, “o crescimento demográfico e o rápido desenvolvimento econômico seguem alimentando a perda e a degradação dos habitats naturais, e será necessário um esforço muito maior para cumprir a meta 5 e reduzir pela metade a taxa de perda das florestas e de outros habitats até 2020”.

A Indonésia teve uma taxa de desmatamento de um milhão de hectares ao ano entre 2000 e 2003, enquanto um estudo recente indica que no ano passado o país desmatou 840 mil hectares de floresta primária, acima inclusive do Brasil, que cortou 460 mil hectares em 2012. Pekin pontuou que outro tema fundamental é o tráfico de vida silvestre na Ásia, o que dificultará atingir a meta 12: a prevenção da extinção das espécies conhecidas.

A região Ásia Pacífico também oferece um claro exemplo dos vínculos entre diversidade biológica e benefícios econômicos, um ponto que também é destacado no informe divulgado ontem. Calcula-se que a redução das taxas de desmatamento gerou um beneficio anual de US$ 183 milhões em serviços dos ecossistemas, segundo o GBO-4.



Fonte: Envolverde/IPS



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Cadela cega explorada para reprodução é salva e se torna amiga de menino com deficiência

Leia Mais