Notícias

A mineração que atende as tecnologias renováveis ameaça a biodiversidade

Compartilhe:     |  1 de julho de 2019

Recente relatório mostra que a mineração, como é feita hoje, prejudica a vida selvagem em todo o mundo ao atender demandas das tecnologias de energia renovável, como produção de baterias para veículos elétricos. Práticas mais responsáveis na extração e reciclagem de metais são caminhos a se adotar com urgência nessa cadeia de valor. A seguir, informações publicadas originalmente no site Mongabay

As inovações em tecnologias de energia renovável são centrais no combate à mudança do clima. Um novo relatório, entretanto, adverte que a mineração de metais usados ​​na fabricação de tecnologias renováveis, como turbinas eólicas, energia solar e veículos elétricos, trazem riscos, inclusive para a biodiversidade. Os efeitos negativos da mineração de metais como o alumínio, o cobalto e as terras raras podem afetar uma variedade de espécies, de flamingos a gorilas, plantas e até criaturas do fundo do mar.

“A transição para um sistema de energia e transporte renovável requer uma mistura complexa de metais – como cobre, cobalto, níquel, terras raras, lítio e prata – muitos dos quais minerados apenas em pequenas quantidades”, diz um recente relatório da Earthworks, uma organização ambiental sem fins lucrativos que promove soluções sustentáveis ​​para os impactos do desenvolvimento mineral e energético.

Até que a ampla reciclagem e a reutilização desses materiais se tornem uma alternativa viável à mineração, essas atividades devem ser monitoradas e verificadas por meio de esquemas de certificação, como a Initiative for Responsible Mining Assurance (ou Iniciativa para Garantia de Mineração Responsável), dizem os pesquisadores.

O relatório, compilado por uma equipe de pesquisa do Institute for Sustainable Futures (ISF) ​​da Universidade de Tecnologia de Sydney (UTS), detalha questões nas cadeias de fornecimento de 14 minerais usados ​​na produção e uso de energia renovável, incluindo baterias para veículos elétricos. Os pesquisadores modelaram a demanda por esses “metais de bateria” em um cenário em que a sociedade usaria 100% de energia renovável até 2050 – uma melhor situação para a mitigação do clima, mas não necessariamente para outros aspectos do meio ambiente se as atuais práticas de mineração mantiverem o mesmo padrão.

Enquanto o estudo explora os impactos consideráveis ​​de tal mineração na saúde e cultura humanas, isso mostra que a biodiversidade também pode estar sob ameaça.

“Um rápido aumento na demanda por metais para energia renovável pode levar à mineração de recursos marginais ou não convencionais, que estão frequentemente em lugares mais remotos ou biodiversos”, disse a coautora do estudo Elsa Dominish, consultora sênior de pesquisa da ISF. Em suma, algumas áreas selvagens remotas mantiveram alta biodiversidade porque ainda não foram perturbadas – mas também não têm suas reservas de minerais, tornando essas áreas alvos atraentes para as empresas de mineração.

“A mineração de muitos metais usados ​​para tecnologias de energia renovável e veículos elétricos já afeta a biodiversidade da vida selvagem”, disse Dominish ao Mongabay, citando o exemplo da mineração de bauxita. O minério de bauxita é usado para produzir alumínio, um componente-chave em quase todas as tecnologias renováveis. Como muitos minerais usados ​​pela indústria de energia renovável, o minério valioso fica perto da superfície, o que significa que as empresas de mineração devem limpar e extrair grandes áreas de terra para adquirir quantidades comerciais.

“Sérios impactos da mineração de bauxita foram relatados na Indonésia, Malásia, Índia e Guiné”, disse Dominish. O Mongabay analisou recentemente os efeitos da extração de bauxita na Guiné, onde uma concessão de mineração representa um sério risco para populações de chimpanzés ocidentais ameaçados de extinção (Pan troglodytes verus). Os conflitos entre os esforços de conservação da biodiversidade e as operações de mineração podem, portanto, tornar-se mais frequentes à medida que a indústria de energia renovável ganha velocidade.

Energia renovável vs. animais selvagens

A energia renovável pode ser paradoxal para a vida selvagem, de acordo com Laura Sonter, chefe de um laboratório da Universidade de Queensland que pesquisa os impactos da mineração na biodiversidade. Muitas espécies dependem de condições climáticas específicas em suas faixas nativas e estão em risco de pressões como padrões climáticos instáveis ​​e acesso reduzido aos alimentos preferidos.

A mitigação da mudança climática pode beneficiar ecossistemas em risco, mas isso é verdade apenas para aqueles que permanecem em pé, disse Sonter ao Mongabay: “Embora a mitigação da mudança climática seja vital para a conservação da biodiversidade, aumentar a produção de energia renovável é uma importante via para alcançar esse objetivo, o aumento da demanda de metal poderia criar enormes novas ameaças à biodiversidade.”

Novas minas que se tornarão ativas nos próximos dois anos, listadas no relatório Earthworks, incluem uma para cobalto na região de Katanga na República Democrática do Congo (RDC), níquel na Zâmbia e metais de terras raras (um grupo de 17 elementos), como escândio e ítrio na região de Western Cape da África do Sul. Esses locais altamente biodiversos não são as únicas áreas de risco; ameaças à vida selvagem de tal mineração podem ser encontradas em quase todo o mundo.

A República Democrática do Congo detém grandes reservas de minerais como o níquel e o cobalto, tanto em Katanga, onde as minas já existem, como sob as selvas exuberantes que abrigam os grandes símios, elefantes e outros animais selvagens do país. Uma estrada construída através de áreas florestais previamente intocadas trouxe esperança e conectividade para as populações rurais da região e ligou Camarões à República Democrática do Congo pela primeira vez, mas as autoridades conservacionistas temem que também possam tornar novos depósitos desses valiosos minerais acessíveis às empresas de mineração.

Em Madagascar, um dos hotspots de biodiversidade do mundo, uma mina de terras raras foi recentemente concedida uma renovada licença de exploração na Península Ampasindava. O Mongabay relatou anteriormente que essa mina poderia ser problemática para alguns animais selvagens endêmicos de Madagascar, incluindo populações de lêmures esportivos de Mittermeier (Lepilemur mittermeieri) ameaçadas de extinção.

A mineração de níquel na ilha indonésia de Sulawesi também causou a degradação ambiental em uma área já enfraquecida ecologicamente pela demanda por madeira e dendê, potencialmente colocando pressão sobre o habitat de espécies como o macaca criticamente ameaçado (Macaca nigra). Há planos para aumentar a produção de níquel por meio de novas minas, visando aumentar a produção de baterias em antecipação à demanda de EV, enquanto a proposta de expansão da mineração de níquel na Indonésia provocou protestos violentos e alegações de corrupção no governo.

Nas Américas, a mineração de cobre ameaça as florestas tropicais biodiversas do Panamá no Corredor Biológico Mesoamericano, onde os moradores temem que a contaminação da água e as perdas das colheitas proporcionem “pão para hoje, fome de amanhã” para os trabalhadores das minas, como diz o ditado. Outros críticos da concessão de mineração dizem que a avaliação de impacto ambiental realizada pelos desenvolvedores do projeto representava apenas animais de grande porte, ignorando possíveis danos a grupos ecologicamente importantes, como pássaros e morcegos.

Mesmo os oceanos não estão seguros dos possíveis impactos da mineração em materiais de energia renovável. Depósitos ricos de uma ampla gama de metais desejáveis, incluindo uma estimativa de 120 milhões de toneladas de cobalto, foram identificados em pisos oceânicos ao redor do mundo.

A mineração em águas profundas, que antes era considerada financeiramente inviável, foi recentemente objeto de interesse renovado entre as empresas de extração, de acordo com o relatório da Earthworks, incluindo a proposta de mineração na costa de Papua Nova Guiné. As profundezas dos oceanos, antes consideradas vazios relativamente sem vida, são surpreendentemente biodiversas. De acordo com pesquisas recentes, os ecossistemas dos oceanos profundos são tão extensos que os seres humanos podem estar destruindo espécies e ecossistemas dos quais a ciência não sabe quase nada.

Objetivos concorrentes

Conservacionistas e empresas de energia renovável têm pelo menos um objetivo comum de longo prazo: reduzir os impactos da mudança climática. Mas baixas taxas de reciclagem significam que a demanda por novos materiais extraídos para gerar energia renovável permanecerá estável, de acordo com o relatório.

“Reduzir os impactos ambientais e sociais da oferta não é um dos principais focos da indústria de energia renovável”, segundo seus autores, que acrescentam que os impactos negativos, particularmente da mineração de cobalto na RDC, são bem conhecidos. Apesar disso, os especialistas do setor entrevistados para o relatório dizem que as empresas de veículos elétricos estão receosas quanto ao fornecimento responsável, devido às preocupações de que as minas certificadas podem não ser capazes de produzir volume suficiente para atender às suas necessidades.

De acordo com um artigo recente do grupo de Sonter, “os compromissos de conservação estão sujeitos a mudanças na atmosfera financeira”. Em outras palavras, os grupos de mineração estão felizes em fazer promessas de sustentabilidade, desde que continuem ganhando dinheiro. Essa diferença nos objetivos de curto prazo é a raiz do problema, de acordo com Sonter, o que dificulta a confiança dos grupos conservacionistas nas empresas de mineração.

“Muitas vezes, os dois têm objetivos imediatos muito diferentes, que, em muitos casos, entram em conflito uns com os outros”, disse ela. “A mineração requer o desmatamento em locais contendo minerais, enquanto a conservação busca proteger os locais biodiversos.

“Precisamos de cientistas de conservação para identificar os locais que abrigam o imenso valor da biodiversidade e, portanto, estarem fora dos limites da mineração”, acrescentou Sonter, permitindo que a mineração em algumas áreas seja necessária: “Esses sites devem estar protegidos contra ameaças” posicionado pela mineração, mas também flexível o suficiente para garantir uma transição para uma economia de energia renovável é viável.”

No momento, porém, as autoridades conservacionistas não estão cientes do aumento da ameaça à biodiversidade que é representada pela mudança para uma economia de energia renovável, de acordo com Sonter.

Impactos adicionais de mineração

Ameaças à biodiversidade, por vezes, vêm em diferentes formas de desmatamento, mas podem ser tão prejudiciais para a vida selvagem. O lítio, que tem sido chamado de “ouro branco” da transição energética, é o componente chave nas baterias de íons de lítio, tornando-se essencial para uma gama de produtos, de telefones celulares a veículos elétricos. Grande parte do lítio do mundo é encontrado no “Triângulo de Lítio”, que fica entre a Argentina, a Bolívia e o Chile. O relatório do Earthworks lista vários projetos de mineração em desenvolvimento nos três países.

Datu Buyung Agusdinata, da Escola de Sustentabilidade da Universidade do Estado do Arizona, pesquisa padrões de mineração de lítio e a degradação ambiental de salinas no Atacama, no Chile. Segundo pesquisas do seu grupo, essas salinas estão enfrentando a degradação da extração.
“Os salares com as maiores concentrações de lítio estão entre os pontos críticos de biodiversidade do mundo e alguns foram declarados locais de Ramsar sob a Convenção sobre Zonas Úmidas”, disse Agusdinata ao Mongabay. As zonas úmidas listadas por Ramsar, como a Reserva Nacional Los Flamencos, no Atacama, são locais ecologicamente importantes protegidos por tratados intergovernamentais.

“Essas áreas úmidas são locais cruciais de reprodução e nidificação dos flamingos da área, incluindo duas espécies endêmicas da região e consideradas vulneráveis ​​e quase ameaçadas, respectivamente, pela União Internacional para a Conservação da Natureza”, disse Agusdinata. O flamingo andino (Phoenicoparrus andinus) e o flamingo chileno (Phoenicopterus chilensis), que são endêmicos da América do Sul, dependem de condições específicas nos ecossistemas salgados para a sobrevivência. Se a salinidade das águas mudar, as algas que alimentam os rebanhos poderiam morrer e ser substituídas por micróbios não comestíveis.

“A mineração de lítio nas áreas nacionais reservadas está afetando a vida selvagem principalmente devido à retirada de água intensiva”, disse Agusdinata. “Aproximadamente dois milhões de litros de água são bombeados e evaporados para obter uma tonelada de produto de lítio e mais água doce é necessária para produzir a forma purificada para exportação.”

Os intensos requisitos de água para o lítio também afetam os seres humanos. Na província de Jujuy, na Argentina, onde técnicas similares de extração de lítio são usadas, os membros das comunidades indígenas de Kolla bloquearam recentemente as estradas para protestar contra as práticas de mineração. As comunidades locais no Chile também enfrentaram escassez de água, levando ao abandono de plantações e pastagens, segundo Agusdinata.

“Eles emigraram para cidades próximas, transformando fazendeiros e fazendeiros em trabalhadores para empresas de mineração”, disse ele.
Agusdinata disse que há muitas maneiras pelas quais as empresas de mineração podem reduzir seu impacto ambiental, incluindo a reciclagem de efluentes, minimizando os resíduos e processando a salmoura de maneira mais eficiente.
“Os atuais métodos de mineração podem ser aprimorados sem comprometer a economia e, ao mesmo tempo, proteger os sistemas sociais e ambientais”, disse ele.

A necessidade de mais reciclagem

O relatório da Earthworks cita o aumento das medidas de eficiência em toda a indústria como fundamentais para uma cadeia de fornecimento mineral mais sustentável. A indústria solar precisará especialmente se concentrar na eficiência, já que a reciclagem de células solares pode ser difícil e não é economicamente viável sob os atuais modelos de negócios.

A reciclagem será “a estratégia mais importante” para reduzir a demanda primária por metais pesados, de acordo com o relatório, embora alguns materiais, como lítio e manganês, não sejam atualmente recuperados em taxas suficientemente altas. A modelagem dos pesquisadores mostra que o uso reduzido de cobalto também pode ajudar a reduzir a degradação dentro da cadeia de suprimentos.

Até que os materiais reciclados se tornem uma alternativa viável para a mineração, os pesquisadores dizem que a indústria continuará a extrair novos materiais para atender às necessidades crescentes do setor de energia, e as empresas de energia renovável estarão livres para garantir que suas tecnologias livres de emissões causando degradação ambiental potencialmente irreversível.

“A melhor prática é a obtenção de metais através de padrões verificados de alta qualidade e esquemas de certificação (como o Initiative for Responsible Mining Assurance) em vez de automonitoramento da indústria”, disse o co-autor do relatório, Dominish.

De acordo com o resumo do relatório, as indústrias de baterias e veículos elétricos precisam urgentemente de tomar medidas para garantir a sustentabilidade em suas cadeias de suprimento, particularmente para o suprimento de lítio, cobalto e metais de terras raras.

O que o consumidor deve fazer?

Os consumidores preocupados com o meio ambiente podem ser capazes de afetar pelo menos algumas práticas da indústria de energia renovável, começando com a reciclagem de celulares, tablets e dispositivos similares.

“Os fabricantes de EV são marcas voltadas para o consumidor, e assim enfrentarão mais pressão pública para melhorar as práticas”, disse Dominish. “Os consumidores podem influenciar seus fornecedores a usar práticas responsáveis”.

Entidades não voltadas para o consumidor, como desenvolvedores de energia eólica ou solar, podem ser menos suscetíveis ao escrutínio público, disse Dominish. Ainda assim, o relatório afirma que o aumento da demanda por materiais sustentáveis ​​das indústrias de baterias e de veículos elétricos pode ser eficaz para impulsionar práticas responsáveis ​​dentro da cadeia de fornecimento mais ampla.

Apesar dos potenciais impactos ambientais da mineração, a Dominish expressou seu apoio ao avanço das tecnologias renováveis. “Sim, energia renovável e veículos elétricos ainda são tecnologias muito importantes para nos ajudar a reduzir urgentemente nossa dependência de combustíveis fósseis”, disse ela, acrescentando que uma maior ênfase na reciclagem, bem como uma maior dependência do transporte público seriam necessárias para garantir que estas tecnologias são sustentáveis ​​a longo prazo.



Fonte: Página 22



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Projeto de lei ‘Animal não é coisa’ é aprovado pelo Senado

Leia Mais