Notícias

A mudança climática tornará os animais mais escuros – ou mais claros?

Compartilhe:     |  3 de janeiro de 2021

Uma reivindicação do século 19 alimentou um debate do século 21 sobre como um clima mais quente pode remodelar os animais. Começando no início de 1800, os biólogos identificaram várias “regras” que descrevem os impactos ecológicos e evolutivos da temperatura. Uma regra dizia que os animais têm apêndices maiores (orelhas, bicos) em climas quentes, para ajudar a dissipar o calor do corpo. Outro disse que, dentro de qualquer grupo de animais, os maiores geralmente residem mais perto dos polos – pense em ursos polares elevando-se sobre ursos marrons de latitude média – porque corpos maiores ajudam a reter o calor.

E a regra de Gloger, em homenagem ao biólogo alemão Constantin Gloger, declarou que os animais em regiões mais quentes geralmente têm exteriores mais escuros, enquanto aqueles em regiões mais frias são mais claros. Entre os mamíferos, acreditava-se que a pele e o cabelo mais escuros protegiam contra a luz ultravioleta prejudicial, que é mais abundante em áreas equatoriais banhadas pelo sol. Entre as aves, os pigmentos melânicos específicos das penas mais escuras parecem resistir à infestação bacteriana, uma vantagem na placa de Petri dos trópicos.

Em julho, Li Tian, ​​da Universidade de Geociências da China, e Michael Benton, da Universidade de Bristol, reavivaram o interesse por essas regras esquecidas quando os dois paleontólogos as usaram para prever como as mudanças climáticas poderiam refazer os corpos dos animais. Entre outras coisas, eles confiaram na regra de Gloger para propor que, à medida que a Terra esquenta, a maioria dos animais fica com a pelagem mais escura. Simples o suficiente.

Mas uma série de análises na Current Biology, incluindo duas neste mês, mostrou que outros biólogos consideram o assunto longe de resolvido. “Fiquei um pouco surpreso”, disse Kaspar Delhey, ornitólogo que mora na Austrália e trabalha remotamente para o Instituto Max Planck de Ornitologia na Alemanha. “Eu pensei:‘ Há mais trabalho a fazer ”.

Delhey liderou uma campanha nos últimos anos para irromper a regra de Gloger e substituí-la por algo mais preciso. “Tem estado cercado por confusão desde sempre”, diz ele, em parte porque o livro de 1833 onde Gloger expôs seus dados “era muito denso e terrivelmente escrito”.

No início deste mês, Delhey e três colegas publicaram uma resposta a Tian e Benton na Current Biology. Sua principal queixa é que a regra de Gloger combina temperatura e umidade. A umidade leva a uma vida vegetal exuberante, que oferece sombras para se esconder dos predadores. Os animais, portanto, tendem a ser mais escuros em locais úmidos para se camuflar. Muitos lugares quentes são úmidos, mas as florestas úmidas e frias, como as da Tasmânia, tendem a ter os pássaros mais escuros, diz Delhey.

Delhey argumenta que se você controlar a umidade, a regra de Gloger é invertida – o aquecimento leva a animais mais claros. Isso é especialmente verdadeiro para criaturas de sangue frio, diz ele. Os insetos e répteis dependem de fontes externas de calor e, em lugares frios, seus exteriores escuros ajudam a absorver a luz solar. Em climas mais quentes, essa restrição é relaxada e eles acabam mais claros. Delhey chama isso de “hipótese do melanismo térmico”.

Tian e Benton dizem que agradecem os esclarecimentos. Ainda assim, em uma resposta ao grupo Delhey, eles citam casos em que sua previsão de animais mais escuros em climas mais quentes é verdadeira. As corujas-do-mato da Finlândia são castanho-avermelhadas ou cinza claro, com o cinza fornecendo camuflagem contra a neve. Mas como a cobertura de neve diminuiu na Finlândia, as corujas ruivas cresceram de cerca de 12% da população no início dos anos 1960 para 40% em 2010.

Mas eles reconhecem que as previsões dos efeitos da cor influenciados pelo clima ficam especialmente complicadas quando a temperatura e a umidade mudam. Modelos climáticos preveem que a Amazônia ficará mais quente e seca, o que todas as partes concordam que irá clarear a cor dos animais. Mas as florestas boreais da Sibéria podem ficar mais quentes e úmidas, caso em que as previsões de temperatura e umidade entram em conflito. Ao contrário da física ou da química, diz Benton, as leis biológicas “não são absolutas. Não é como a gravidade. ”

E mesmo quando as tendências gerais se mantêm, ainda é complicado prever como as espécies individuais mudarão. Lauren Buckley, bióloga da Universidade de Washington, Seattle, estudou a cor das borboletas em regiões de grande altitude. As borboletas absorvem o calor tomando sol, mas apenas uma pequena mancha na parte inferior das asas realmente absorve o calor. “Se você não soubesse disso”, ela aponta, “você poderia quantificar todos os tipos de colorações exóticas no topo da asa, e isso realmente não importaria”. Em suma, “precisamos pensar sobre o quadro completo de como os organismos estão interagindo com seus ambientes”.

Mudanças na coloração provavelmente também dependerão do sistema de regulação de temperatura do animal – com criaturas de sangue frio crescendo geralmente mais claros e pássaros e mamíferos mostrando uma gama mais ampla de resultados. Para melhorar as previsões, Buckley sugere o uso de espécimes de museu para ampliar os espaços de tempo, embora suas cores possam desbotar com o tempo. De sua parte, Tian planeja realizar experimentos com tanques aquecidos de besouros e moluscos, tentando ativamente induzir mudanças de cor.

Infelizmente, os cientistas podem em breve ter mais dados sobre este tópico do que podem lidar, já que as temperaturas do planeta estão aumentando. E se o alerta global ficar realmente terrível, mesmo as regras ecogeográficas mais testadas pelo tempo podem se revelar sem sentido à medida que os habitats desaparecem e as espécies desaparecem. Por mais intrigante que seja a ciência, Delhey reconhece: “Isso deixa a pessoa triste”.

Tradução: Redação Ambientebrasil / Maria Beatriz Ayello Leite
Para ler a reportagem original em inglês acesse:
 https://www.sciencemag.org/news/2020/12/will-climate-change-make-animals-darker-or-lighter



Fonte: Ambiente Brasil - Science / Sam Kean



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Estresse passa do dono para o cachorro

Leia Mais