Notícias

A vegetação do Alasca está mudando dramaticamente, nas últimas duas décadas

Compartilhe:     |  10 de agosto de 2020

De acordo com um estudo publicado na revista Remoting Sensing as mudanças são evidentes. O mapa acima mostra onde a vegetação aumentou (esverdeada) ou diminuiu (bronzeada) durante as estações de crescimento de verão entre 2000 e 2018. Os dados para os mapas são uma soma do Índice de Vegetação por Diferenças Normalizadas (NDVI), que usa dados do instrumento MODIS no Satélite Terra para medir a produtividade ou o “verde” da vegetação com base nas diferenças de radiação vermelha e infravermelha próxima que elas refletem.

As métricas de fenologia derivadas das séries temporais do NDVI MODIS, com resolução de 250m, acompanharam as alterações na cobertura vegetal total (TIN), NDVI máximo anual (MAXN) e data de início do período (SOST) ao longo da data nas últimas duas décadas. As tendências da SOST mostraram um esverdeamento sazonal de vegetação significativamente mais cedo nas montanhas do nordeste de Brooks Range, na planície costeira de Yukon-Kuskokwim e nas áreas costeiras do sul do Alasca.

O “esverdeamento” – áreas de maior crescimento, cobertura vegetal ou ambas – é generalizado. À medida que o permafrost do solo derrete nas áreas do norte do Ártico, a vegetação tem mais água e nutrientes para o crescimento. E na parte interior do estado, alguns pontos verde-escuros refletem o crescimento da vegetação depois que grandes áreas de floresta foram queimadas por um incêndio. Por outro lado, a vegetação no sudoeste do litoral do Alasca diminuiu mais do que em qualquer outro lugar do estado.

Esse chamado “escurecimento” – áreas de crescimento e cobertura vegetal em declínio – é mais pronunciado nas planícies ao redor de Cook Inlet e nas bacias hidrográficas da Baía de Bristol. O segundo mapa (abaixo) detalha esse declínio, o que provavelmente reflete mudanças na vegetação da tundra e das áreas úmidas da região. As causas podem incluir rápida erosão do solo, ciclos mais extremos de congelamento e descongelamento, surtos de insetos e o avanço de arbustos e árvores coníferas em áreas gramadas de áreas úmidas.

Sudoeste do Alasca
O decaimento de área verde no sudoeste do Alasca chamou atenção dos pesquisadores.

O TIN e o MAXN aumentaram significativamente em toda a planície costeira do Ártico ocidental e dentro dos perímetros da maioria dos grandes incêndios florestais da região boreal do interior que queimaram desde o ano 2000, enquanto o TIN e o MAXN diminuíram notavelmente nas bacias hidrográficas da Baía de Bristol e nas planícies de Cook Inlet do sudoeste do Alasca, nas mesmas regiões em que o SOST de tendência anterior também foi detectado.

Mapas como esses podem ajudar cientistas e gestores de terras a planejar futuros locais de estudo em um estado onde a resposta da vegetação às mudanças climáticas tem sido tão variável. Por exemplo, as bacias hidrográficas, que mostram escurecimento extensivo, também suportam metade do suprimento mundial de salmão sockeye. Ainda não se sabe se os peixes são afetados pela mudança da vegetação, direta ou indiretamente.



Fonte: Tempo



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Gatos: dicas de cientistas para cuidar bem do seu pet

Leia Mais