Notícias

Ação humana é uma das principais causas de morte de animais marinhos em AL

Compartilhe:     |  4 de janeiro de 2019

A poluição, gerada pelas pessoas, e a interação humana foram responsáveis por matar 2 mil animais marinhos no litoral de Alagoas em 2018.

A interferência humana e a poluição são, segundo biólogos, as principais responsáveis pela morte de quase dois mil animais marinhos, muitos deles ameaçados de extinção, no litoral de Alagoas em 2018. Entre as ações realizadas pela sociedade que ameaçam os animais está a pesca.

O Instituto Biota de Conservação registrou, em sete meses, o número de 1.742 animais encalhados, vivos ou mortos. A interação humana, segundo a instituição, é um dos fatores que mais contribuiu para isso. Foram encontrados 1.487 tartarugas marinhas de várias espécies, 224 aves, como fragatas ou pardelas e 31 mamíferos, sendo golfinhos ou baleias.

“A gente tem encontrado animais com interação com pesca, com resíduo antrópico, como plástico, e alguns, embora a gente não consiga identificar a causa da morte, pela situação do litoral e dados globais, a gente consegue saber que a morte tem interferência humana”, explicou ao G1 a coordenadora de pesca do Biota, Waltyane Bonfim.

Os profissionais da instituição encontraram com os animais lixo, látex, plástico, redes e cordas de pesca, e até mesmo uma tecla de computador.

Os índices de animais encontrados com lixo no organismo em algumas regiões do Brasil ficam entre 60% e 100%, de acordo com o coordenador de Laboratório de Biologia da Marinha da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Robson Santos.

“Todo o descarte irregular de lixo, seja ele feito em qualquer lugar, mesmo não sendo descartado diretamente na praia, de algum modo, ele acaba chegando até o mar, seja pela chuva ou rio. É importante a preocupação pelo descarte adequado, ou seja, separando reciclado, que volte para o ciclo de produção e não alcançar o mar e ser ingerido”, disse Santos.



Fonte: Anda



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Medicamentos e remédios caseiros: o que fazer e o que não fazer?

Leia Mais