Tigres de cativeiro

03-05-2008

Os tigres estão globalmente encrencados: restam apenas 3 mil em liberdade, dos aproximadamente 100 mil que existiam um século atrás.

Há algo entre 15 mil e 20 mil tigres em zoológicos, criadouros, circos e até mesmo em casas particulares. Apenas cerca de 1.000 desses animais estão em programas gerenciados de criação, designados a preservar a diversidade genética entre tigres de Bengala, de Sumatra e outras subespécies.

Quanto aos outros tigres capturados, eles são considerados “genéricos” –- sua constituição genética é desconhecida ou eles são considerados híbridos.

Diversidade preservada

Mas um novo estudo na revista científica "Current Biology" sugere que esses tigres, afinal de contas, não são tão genéricos assim. Shu-Jin Luo e Stephen J.

O'Brien, do Laboratório de Diversidade Genômica do Instituto Nacional do Câncer (EUA), relatam que talvez 20% dos tigres capturados são de raça pura e guardam variações genéticas que não são encontradas entre os tigres selvagens. 

Os pesquisadores realizaram análises genéticas em amostras de DNA de 105 tigres capturados de linhagem incerta e compararam os resultados com dados de uma análise anterior de 134 tigres de conhecida distinção genética. Eles descobriram que 49 dos 105 tigres capturados, ou 47%, poderiam ser categorizados como sendo de uma das cinco subespécies.

Como alguns dos 49 pertenciam a programas de criação, os pesquisadores sugerem que a porcentagem de raças-puras na população capturada completa é provavelmente mais baixa, algo entre 14% e 23%.

Ainda assim, isso representa um novo grupo de tigres geneticamente distintos potencialmente disponíveis para esforços de criação.

Fonte: G1
03.02.2008