Notícias

Agricultores familiares têm papel-chave no combate à fome, diz centro da ONU

Compartilhe:     |  19 de novembro de 2019

Cerca de 200 representantes de governos, organizações não governamentais, setor privado, academia e potenciais investidores reuniram-se em São Paulo (SP) na semana passada (12 e 13) para buscar formas de fortalecer as relações entre o Brasil e o continente africano no que se refere à segurança alimentar.

Na ocasião, o diretor do Centro de Excelência contra a Fome, Daniel Balaban, enfatizou a importância de os países adquirirem produtos de pequenos agricultores como forma de enfrentar a fome no mundo, que teve um aumento recente após anos de declínio.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Eles participaram da sétima edição do Fórum Brasil África, cujo tema deste ano foi “Segurança Alimentar: caminho para o crescimento econômico”. O evento foi organizado pelo Instituto Brasil África, em parceria com diversas organizações, incluindo o Programa Mundial de Alimentos (WFP) e o Centro de Excelência contra a Fome, que é fruto de uma parceria entre o WFP e o governo brasileiro.

Fornecer acesso à alimentação necessária para garantir uma vida ativa para as pessoas é a base do desenvolvimento. No entanto, a fome parece estar aumentando novamente após um prolongado declínio. Conflitos, secas e desastres ligados às mudanças climáticas estão entre as principais causas dessa reversão.

Nesse contexto, o evento buscou reunir governos, organizações não governamentais e setor privado para desenvolver planos efetivos que sejam economicamente viáveis, socialmente justos e ecologicamente corretos.

Enquanto a segurança alimentar tem uma essência multidimensional, o tema foi discutido sob variadas perspectivas, incluindo tecnologia, comércio e investimento, mecanização, saneamento e educação.

O diretor do Centro de Excelência contra a Fome, Daniel Balaban, participou de uma das plenárias, denominada “Alimentando o mundo: um chamado à ação”, na qual enfatizou a importância de pequenos agricultores para os sistemas alimentares e para o combate à fome.

De acordo com Balaban, é necessário encontrar formas de agricultores familiares e pequenos agricultores venderem seus produtos de forma estruturada, por meio da criação de demanda por parte de governos, que podem adquirir produtos para serem usados em escolas e hospitais.

Ele citou como um exemplo de boa prática o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) brasileiro. “Trinta por cento do orçamento federal brasileiro vai para programas de alimentação escolar, e os alimentos são comprados de pequenos produtores, que anteriormente só tinham sua própria subsistência como objetivo.”

Além disso, o diretor falou sobre a importância das relações entre Brasil e África e explicou o trabalho feito pelo Centro de Excelência contra a Fome, que já beneficiou mais de 30 países no continente africano.

Hamady Diop, chefe de cooperação técnica e de serviços de consultoria da Agência de Desenvolvimento da União Africana; Marcos Brandalise, fundador e presidente-executivo da Brazafric Group; e Demétrio Carvalho, vice-diretor da Agência Brasileira de Cooperação (ABC); também participaram do painel.

A mediadora foi Caroline Ribeiro, diretora de comunicação do Fórum Brasil África. Eles discutiram a urgente necessidade de acabar com a fome, que aumentou globalmente após anos de declínio.



Fonte: ONUBr



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Estresse passa do dono para o cachorro

Leia Mais