Notícias

Agricultura familiar desempenha papel central na conquista de objetivos globais

Compartilhe:     |  31 de agosto de 2019

Em artigo, o representante regional da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Julio Berdegue, afirma que sem territórios rurais prósperos e inclusivos, a região da América Latina e Caribe não será capaz de alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), já que 78% das 169 metas dos ODS dependem exclusivamente ou principalmente de ações realizadas em áreas rurais do mundo.

“Esta agenda que olha para o futuro e que acerta as contas com o passado supõe romper radicalmente com dois preconceitos fortemente arraigados na região: o que aponta que a agricultura familiar carece de potencial produtivo e que, portanto, deve ser tratada como um atraso social; e outro, extraordinariamente pernicioso, que supõe que serviços de baixa qualidade são suficientes para a agricultura pobre”. Leia o artigo completo.

Sem territórios rurais prósperos e inclusivos, a região da América Latina e Caribe não será capaz de alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) —78% das 169 metas dos ODS dependem exclusivamente ou principalmente de ações realizadas em áreas rurais do mundo.

A agricultura familiar é chamada a desempenhar um papel central na construção de um mundo melhor no âmbito dos ODS. Sem os 500 milhões de agricultores familiares, é praticamente impossível alcançar muitos dos objetivos globais, começando pelo ODS número 1 (erradicação da pobreza) e pelo ODS número 2 (fome zero e agricultura sustentável).

Mas o fato de a agricultura familiar ser chamada a cumprir esse papel em benefício da humanidade não significa que está assegurado que ela será capaz de fazê-lo. O grau de dependência estará sujeito, conforme indicado no Pilar 1 do Plano de Ação da Década da Agricultura Familiar, a marcos políticos, normativos e institucionais que vamos construir ou fortalecer.

O que a agricultura familiar poderá fazer depende, em parte, do que fizermos com outros atores que interagem com ela, como governos e a própria FAO. Mas também da capacidade da própria agricultura familiar de promover novas estratégias, capacidades e alianças. Em um mundo que se transforma a uma velocidade vertiginosa, nenhum ator tem seu lugar na mesa do desenvolvimento sustentável garantido se não assumir um esforço de inovação.

Nossos países hoje enfrentam três poderosas ondas de mudança, que já exercem seus efeitos: as mudanças climáticas, novas demandas que perturbam o que entendemos como alimentos e a vertiginosa transformação tecnológica. Estes são três motores de mudança onipresentes, que operam simultaneamente e que afetam as sociedades rurais com uma profundidade magnitude, como provavelmente vimos nesses 12 mil anos desde que nossos ancestrais inventaram a agricultura.

Mudanças climáticas

Nenhum outro fenômeno afeta o mundo rural, os sistemas alimentares e a agricultura tão fortemente quanto as mudanças climáticas. Muitos países da nossa região, começando pelos pequenos Estados insulares do Caribe e da América Central, estão entre os mais vulneráveis ​​do planeta, tendo pouco ou nada a ver com a criação do problema.

O Acordo de Paris inclui os objetivos de limitar o aumento da temperatura global a menos de 2 graus Celsius. Estudos recentes projetam que, com a atual trajetória das emissões de gases de efeito estufa, cerca de 40% da área total da América Latina e do Caribe terá atingido ou ultrapassado o limite de 2 graus nos próximos 11 anos e que, até 2050, a região estará sob o novo regime climático.

As áreas que terão um aumento de 2 graus mais cedo incluem a maior parte da bacia amazônica, a região central do Brasil, a Bolívia, os Andes peruanos, a Venezuela e o leste da Colômbia. Por outro lado, a América Central, o México e o Caribe atingirão esse limiar entre 2035 e 2040, enquanto a Patagônia chilena e argentina o fará um pouco mais tarde.

Nesse cenário, simplesmente não será possível praticar a agricultura como fazemos hoje. Os cientistas preveem que, em um ambiente mais quente e seco, a massa de gado leiteiro aumentará na Argentina e no Uruguai e será reduzida nos países andinos.

A pesca em Belize, Cuba, Guiana, Honduras, Jamaica, Nicarágua e Venezuela será particularmente danificada. A duração do período de crescimento das plantas será reduzida em mais de 5% em Bolívia, Brasil, Guiana, México, Suriname e Peru.

Em nossa região, os rendimentos médios de milho, feijão, trigo temporário e trigo irrigado no México e na Argentina serão significativamente reduzidos. A área apropriada para cana de açúcar será ampliada em várias partes da região, enquanto a produção de café na América Central deve ser transferida de seu habitat atual, entre 800 e 1.400 metros acima do nível do mar, para áreas mais altas, entre 1.200 e 1.600 metros acima do nível do mar.

Milhões de agricultores familiares terão suas estratégias, meios de subsistência e sistemas produtivos radicalmente afetados.

Peço veementemente que, no âmbito da Década da Agricultura Familiar, nos comprometamos com planos nacionais para incluir estratégias de transição climática na agricultura familiar, pois em cada país preparamos e implementamos políticas e programas específicos para apoiar a adaptação às mudanças do clima. Se não nos prepararmos e agirmos agora, com um senso de urgência, a agricultura familiar enfrentará uma situação que só posso descrever como catastrófica.

Alimentação

Há mudanças em curso relacionadas aos alimentos do planeta que terão consequências importantes para a agricultura e os sistemas alimentares de nossa região. A mais evidente é a forte expansão da demanda por alimentos, causada pelo crescimento da população.

Em 20 anos, haverá 9,7 bilhões de pessoas no mundo, sendo 68% delas urbanas. Além disso, essa população terá renda per capita média maior que a atual. Em um cenário de crescimento econômico modesto, isso implica um crescimento líquido de cerca de 50% na demanda global de alimentos em 2050 (em comparação com 2013), da produção agrícola destinada a biocombustíveis ou outros usos não alimentares.

As mudanças projetadas ocorrerão não apenas na quantidade de alimentos demandada, mas também na composição da dieta global. As projeções da FAO indicam que o consumo per capita de óleos vegetais, carne, laticínios, raízes e tubérculos e frutas e vegetais aumentará.

De qualquer forma, a região está muito bem posicionada para responder a essa maior demanda por alimentos. A América Latina e o Caribe produzem apenas 13% dos alimentos do mundo, mas fornecem 45% das exportações líquidas globais de alimentos, bem acima de qualquer outra região – mais do que a Europa e mais do que os Estados Unidos.

Mas eu pergunto: o que devemos fazer para que a agricultura familiar participe com destaque da resposta regional à importante expansão da demanda global de alimentos?

Devemos estabelecer nos planos nacionais, por exemplo, aumento de 25% da participação da agricultura familiar em produções nas quais ela poderia ter vantagens comparativas — como pesca, café e cacau de qualidade, frutas e legumes frescos, laticínios, certos tipos de carnes e alguns produtos de nossas florestas? Quais políticas e programas e quais orçamentos seriam necessários em cada país para viabilizar uma meta como essa?

A relação entre alimentação e saúde está se tornando mais forte e, além disso, radicalmente diferente do problema clássico dos efeitos de desnutrição e subalimentação na saúde.

Nas últimas décadas, a dieta dos latino-americanos e caribenhos mudou dramaticamente. Isso não é consequência de decisões individuais de 626 milhões de pessoas. A comida de hoje é o resultado de um sistema alimentar diferente do tempo de nossos pais, onde novos atores dominantes apareceram e, com eles, novas regras do jogo.

Por exemplo, as vendas de grandes redes de supermercados em uma amostra de nossos países aumentaram de 40 bilhões de dólares em 2002 para 154 bilhões em 2011, quase quatro vezes em nove anos. Entre 2008 e 2016, as principais cadeias de “fast food” dobraram suas vendas, totalizando pouco mais de 16 bilhões de dólares em 12 países sobre os quais temos informações.

O consumo de alimentos fora de casa também cresceu exponencialmente na região, de cerca de 50 dólares por ano per capita em 1995 para pouco mais de 350 dólares em 2016, um aumento de sete vezes. Esses novos atores no sistema alimentar têm um poder enorme sobre o que é produzido e o que é importado, e como é produzido. Esses efeitos são indubitavelmente transferidos para a agricultura familiar.

Esses novos sistemas alimentares na América Latina e no Caribe falharam em seu objetivo mais básico, que é alimentar a população de maneira saudável. Pelo menos 294 milhões de pessoas na América Latina e no Caribe, ou 47% da população, sofrem de uma ou mais formas de desnutrição.

A principal manifestação dessa falha do sistema alimentar moderno é a epidemia descontrolada de excesso de peso (151 milhões de pessoas em nossa região) e obesidade (outros 105 milhões de pessoas). Essa é uma epidemia que afeta cada vez mais as áreas rurais, a ponto de o setor rural ajudar a explicar 60% do aumento do índice de massa corporal no mundo.

É urgente transformar profundamente os sistemas alimentares. Nesta década que estamos lançando, a agricultura familiar deve endossar a bandeira da alimentação saudável, até que seja reconhecida como a principal defensora da tarefa de recuperar nossos sistemas alimentares para o bem-estar gerado.

Os efeitos dessa transformação na própria agricultura familiar seriam enormes. Quero destacar a oportunidade de que, em 2021, a Década da Agricultura Familiar esteja associada ao Ano Internacional das Frutas e Legumes, que foi aprovado em junho pela Conferência da FAO.

Quais políticas e quais programas concretos devemos impulsionar para avançar nessa direção para que, em 2028, possamos dizer que a agricultura familiar tem sido um agente de transformação na alimentação saudável de toda a população? Essas são perguntas que devem ser respondidas nos planos nacionais.

Mudança tecnológica

O terceiro mecanismo de mudança é o derivado dos processos de inovação tecnológica. Os efeitos revolucionários dos conjuntos de tecnologia de fronteira alteram a agricultura, os sistemas alimentares e a vida das sociedades rurais de muitas maneiras.

Os efeitos dessas tecnologias de fronteira não são ajustes modestos nas relações sociais atuais, incluindo produção e consumo. Essas tecnologias de fronteira estão presentes na ciência da computação e nas comunicações (incluindo microeletrônica, ciência de dados, inteligência artificial, sensoriamento remoto e tecnologias de registro distribuído), bem como na biologia.

A interação entre os dois campos está produzindo revoluções reais em toda a extensão da agricultura e dos sistemas alimentares, mudando, entre outras coisas, o sentido do rural. Por exemplo, a digitalização nas sociedades rurais já permite uma interação mais fluida entre rural e urbano.

Todos os dias, nas cidades da América Latina e do Caribe, milhões de consumidores, principalmente jovens, já usam o celular para comprar comida e levar diretamente para casa, dando novo significado ao conceito de “circuitos curtos” — toda compra da semana é entregue diretamente em casa, de forma personalizada, no dia e no horário em que cada consumidor quiser. Como os planos nacionais vão posicionar a agricultura familiar nesse cenário?

Novas tecnologias têm o potencial de facilitar a sustentabilidade e a resiliência da agricultura e dos sistemas alimentares, com uma melhor compreensão de características, potenciais e limitações de recursos e ecossistemas. Uma agroecologia 4.0 que dialogue com biotecnologia e as tecnologias de informação e comunicação para avançar em direção a novas rotas de produção sustentável parece estar delineada. Como a agricultura familiar participará desses processos?

Novas tecnologias trazem novos atores. Resta saber quais serão os efeitos nas políticas públicas. A definição de prioridades de gastos públicos, bem como relações de poder e arranjos institucionais, deve ser retrabalhada, tendo em vista o fato de que os principais atores da mudança tecnológica na agricultura e nos sistemas alimentares têm pouca ou nenhuma relação com a agricultura ou o meio rural. Empresas como Amazon, Google, Alibaba, Bayer, Computomics, Genedata, Siemens ou Rockwell Automation sem dúvida afirmarão seu considerável peso econômico e poder político.

A incerteza e os riscos são inerentes a mudanças tecnológicas dessa magnitude. Os efeitos distributivos dessa nova revolução tecnológica são preocupantes. De acordo com um estudo muito citado pelo McKinsey Global Institute, 58% dos empregos na agricultura latino-americana têm um alto potencial para serem automatizados.

O custo e a duração do processo de ajuste social e econômico a essa transformação do mundo do trabalho em nosso setor são preocupantes. Após a Revolução Industrial na Grã-Bretanha, foram necessários 80 anos para que os salários e a participação do trabalho no Produto Interno Bruto (PIB) fossem recuperados. O custo do ajuste é maior em sociedades, como as da nossa região, onde há altos níveis iniciais de desigualdade, e em que uma grande proporção de trabalhadores não possui as habilidades necessárias para participar de futuros trabalhos e não possui treinamento contínuo nem oferta que lhes permitam adquiri-los.

O que vamos propor nos planos nacionais para que milhões de mulheres rurais que trabalham no agronegócio tenham futuro quando seus empregos forem ameaçados pela automação? Que políticas e que programas precisamos para que o resultado final dessa transformação tecnológica radical não seja uma nova lacuna, uma nova desigualdade, entre os poucos agricultores que possuem os meios, com as relações sociais e com as capacidades de fazer parte da mudança?

E a grande maioria dos agricultores familiares que ficaram para trás na era das enxadas e arados? Hoje, o que precisamos fazer em cada país, para que em dez anos tenhamos 16,5 milhões de agricultores familiares que converteram seus telefones celulares em sua principal ferramenta agrícola?

O que quero dizer com tudo isso acima é que a agricultura familiar não opera no vácuo em sua tarefa de contribuir para a conquista dos ODS. Em torno da agricultura familiar, existe um mundo fervente. A Década, enquanto espaço político, social e até cultural, deve ser utilizada para que a agricultura familiar dê sua contribuição aos ODS, através de sua própria transformação diante das grandes ondas de mudança que indiquei.

Além disso, em nossa região, todos os itens acima devem ser feitos enquanto se olha para o futuro e o passado. Refiro-me ao atraso e à condição de extrema pobreza e exclusão que afeta pelo menos 25% da população rural da América Latina.

Falamos sobre o futuro, mas, segundo a FAO e a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), temos de 40 milhões a 60 milhões de habitantes rurais, em cerca de 2 mil municípios da região, vivendo em condições sociais que já eram inaceitáveis ​​há 75 ou 100 anos. A década da agricultura familiar deve ser a década em que pagamos a dívida de direitos elementares nos territórios rurais atrasados ​​da América Latina e do Caribe.

O ponto de partida para todos os itens acima é acreditarmos que a agricultura familiar terá seu próprio espaço na economia agroalimentar no futuro. Ou seja, as políticas para a agricultura familiar têm apenas uma justificativa cultural, social e de gestão ambiental sustentável para os recursos que controla e os ecossistemas que ocupa ou há algum argumento econômico?

Desde 1980, essa tem sido uma pergunta recorrente, quase sempre colocada por aqueles que estão predispostos a responder negativamente, dando origem a um tipo de profecia auto-realizável: “eles não são viáveis”; portanto, políticas ruins são formuladas na melhor das hipóteses para os agricultores pobres.

Acreditamos que a agricultura familiar na América Latina e no Caribe não seja apenas um setor social com contribuições culturais e ambientais, mas também um espaço e potencial econômico real. Mesmo após o enorme choque que o Consenso de Washington e suas políticas e mudanças institucionais representaram para eles, milhões de agricultores familiares, muito mais do que o total das grandes fazendas comerciais e corporativas em nossa região, operam com sucesso nos mercados nacional e global, apesar de ter muito menos acesso a assistência técnica, financiamento e outros serviços.

Em nossa região, temos milhares de exemplos de grupos de agricultores familiares, muitos deles em comunidades indígenas que, baseados na combinação de conhecimento ancestral e sistemas sociais, articulados com inovações vindas de fora, se dividiram em mercados dinâmicos, competitivos e sofisticados, graças ao fato de terem os serviços de assistência técnica, financiamento, investimento em infraestrutura básica e apoio à sua associação e acesso ao mercado.

A experiência é a de que, quando apoiada por políticas e programas relevantes, de boa qualidade e bem financiados, a agricultura familiar está em posição de produzir e competir nos mercados. Mas a maioria dos agricultores familiares da região não tem acesso a esses serviços públicos.

Os planos nacionais vão estabelecer metas para que, até o final da década, agricultores familiares tenham direitos individuais ou coletivos devidamente reconhecidos e protegidos. E que estes sejam significativamente ampliados, com assistência técnica e financiamento para inovar, com programas que facilitem o acesso a melhores mercados, com estradas decentes, com acesso à Internet em banda larga. Caso contrário, não peça à agricultura familiar que faça milagres e salve a todos, realizando os ODS com as mãos amarradas nas costas.

Esta agenda que olha para o futuro e que acerta as contas com o passado supõe romper radicalmente com dois preconceitos fortemente arraigados na região: o que aponta que a agricultura familiar carece de potencial produtivo e que, portanto, deve ser tratada como um atraso social; e outro, extraordinariamente pernicioso, que supõe que serviços de baixa qualidade são suficientes para a agricultura pobre.

Em suma, o convite é usar a Década em nossa região como plataforma de transformação. A tarefa é fazer progressos substanciais no pagamento das dívidas de nossas histórias, enquanto nos posicionamos diante dos desafios do futuro. Na minha opinião, só assim a agricultura familiar será capaz de realizar todo o seu potencial para contribuir para a realização dos ODS.

*Representante regional da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO)



Fonte: ONUBr - Por Julio Berdegue*



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Quetzal: uma ave bela e misteriosa

Leia Mais