Notícias

Além do limão, outras frutas podem manchar a pele e exigem cuidados ao serem consumidas

Compartilhe:     |  2 de março de 2020

Durante o verão é comum que muitas pessoas separem um tempo de descanso na praia ou no campo e aproveitem estes momentos para tomar uma caipirinha – bebida bem popular entre os brasileiros e estrangeiros que visitam o país.

Mesmo nestas horas de descontração é preciso ter atenção aos cuidados com o corpo – especialmente com a pele. A dermatologista Aline Anflor alerta que bebidas preparadas com o suco de frutas cítricas como laranja, abacaxi e kiwi, como caipirinhas e sucos, podem provocar danos à pele.

“Se engana quem pensa que é só o limão que pode provocar manchas na pele. Os agentes responsáveis contêm furocumarinas que podem estar presentes em alimentos, perfumes, aromatizantes e cosméticos. As furocumarinas nos alimentos são encontradas na cenoura, no figo, na salsinha e em frutas cítricas como limão, tangerina e lima, dentre outros”, explica Aline.

A dermatologista salienta que é preciso ficar atento, pois na maioria das vezes, a mancha surge apenas 24 horas após a exposição. “A lesão pode ter intensidade variável e caracteriza-se pela coloração avermelhada da pele, como se fosse uma queimadura mesmo, podendo evoluir, inclusive com surgimento de bolhas na região afetada”.

Após essa primeira reação, que pode até passar despercebida, surge a pigmentação, que pode ser irreversível se não for tratada a tempo.

Orientação é não manipular frutas ao sol

Conforme Aline, o ideal é evitar manipular frutas cítricas antes de se se expor ao sol. “É preciso tomar cuidado para não fazer ou beber limonadas, sucos de frutas ou caipirinhas ou usar o limão como tempero, em frutos do mar e petiscos, e depois pegar sol”, indica a médica, que destaca ainda que locais da pele que foram tocados por pessoas que manipularam essas frutas também podem apresentar lesões. “É essencial lavar bem as mãos antes de tocar a própria pele ou a de outras pessoas”, orienta.

Mas se a prevenção não foi feita corretamente e algum acidente acabou acontecendo, não é motivo para desespero. “O recomendado é lavar bem o local afetado e as áreas que possam ter recebido respingos com sabão e água. Após, usar bloqueador solar nas áreas expostas e, se possível, roupas com proteção UV, para prevenir o surgimento das manchas. E assim que possível, procurar um dermatologista para avaliar a necessidade de tratamento específico”, recomenda a médica.



Fonte: CicloVivo



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Emocionante: vídeo mostra tartarugas-marinhas sendo salvas por pescadores no litoral catarinense

Leia Mais