Evite o Desperdício

Americanos desperdiçam metade da comida que compram

Compartilhe:     |  7 de setembro de 2019

Voluntários de pesquisa estimaram que consumiriam 97% da carne e 94% dos vegetais em suas geladeiras, mas acabaram comendo metade ou menos desses alimentos

Os americanos jogam no lixo uma quantidade muito maior de alimentos do que eles imaginam. O desperdício é impulsionado, em parte, por etiquetas de datas de validade ambíguas nas embalagens, segundo um novo estudo.

De acordo com Brian Roe, autor principal do estudo e professor de economia agrícola, ambiental e de desenvolvimento na Universidade Estadual de Ohio, as pessoas consomem menos alimentos refrigerados do que esperam, e provavelmente jogam comida que ainda está boa porque não entendem os rótulos.

Os participantes da pesquisa esperavam comer 97% da carne em seus refrigeradores, mas acabaram consumindo apenas cerca da metade. Eles também pensaram que comeriam 94% de seus vegetais, mas consumiriam apenas 44%. Os voluntários ainda projetaram que comeriam cerca de 71% das frutas e 84% dos laticínios, mas terminaram com apenas 40% e 42%, respectivamente.

Os principais responsáveis ​​pelo descarte de alimentos incluem preocupações com a segurança dos alimentos – odor, aparência e datas nos rótulos.

“Ninguém sabe o que os rótulos ‘use por’ e ‘melhor por’ significa, e as pessoas pensam que são um indicador de segurança, quando geralmente são um indicador de qualidade”, disse Roe, acrescentando que há uma proposta atualmente no Congresso americano para prescrever regras de rotulagem de datas em um esforço para fornecer mais clareza.

Roe diz que as expressões “Melhor se usado por” deveria ser trocada para “Siga seu nariz”, e o termo “Usar por” deveria ser substituído por “Jogue fora”.

Outras descobertas do novo estudo:

* As pessoas que limpavam a geladeira com mais frequência desperdiçavam mais comida.
Aqueles que verificam os rótulos nutricionais frequentemente desperdiçam menos comida. Roe especulou que esses consumidores podem estar mais engajados em alimentos e, portanto, menos propensos a desperdiçar o que compram.

* As famílias mais jovens eram menos propensas a consumir os itens em seus refrigeradores, enquanto as casas para pessoas com 65 anos ou mais eram mais propensas a evitar desperdícios.

O estudo usou dados da pesquisa estadual “American Refrigerator” e incluiu informações sobre o conteúdo e as práticas de geladeira de 307 participantes da pesquisa inicial e 169 pesquisas de acompanhamento.

Os pesquisadores perguntaram sobre frutas, vegetais, carnes e laticínios – em particular quanto havia e quanto as pessoas esperavam comer. Então eles acompanharam cerca de uma semana depois para descobrir o que realmente aconteceu. As pesquisas também perguntaram sobre uma variedade de fatores que podem ter influenciado as decisões de jogar alimentos, incluindo rótulos de data, odor, aparência e custo.

Nos Estados Unidos, estima-se que 43% do desperdício de alimentos é devido a práticas domésticas – em oposição ao desperdício que ocorre em restaurantes, supermercados e na fazenda – tornando os indivíduos os maiores contribuidores. Eles também são o grupo mais complicado para promover mudanças, já que as práticas variam significativamente de casa para casa.

Aproximadamente um terço dos alimentos produzidos em todo o mundo para consumo humano – aproximadamente 1,3 bilhão de toneladas por ano – são perdidos ou desperdiçados, de acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. A organização estima o valor anual em dólares desse desperdício em US$ 680 bilhões em países industrializados e US$ 310 bilhões em países em desenvolvimento.

Este estudo analisou os alimentos refrigerados, porque é aí que a maioria dos alimentos perecíveis é encontrada em uma casa e onde se concentra a maior parte dos esforços para incentivar as pessoas a desperdiçar menos alimentos. Além de entender melhor os padrões de desperdício de alimentos, os pesquisadores queriam ajudar a identificar oportunidades para elaborar políticas ou mensagens públicas que trabalharão na redução do desperdício.

“Nossos resultados sugerem que as estratégias para reduzir o desperdício de alimentos nos EUA devem incluir a limitação e padronização do número de frases usadas nos rótulos de datas e campanhas educacionais para ajudar os consumidores a entender melhor os sinais físicos de segurança e qualidade dos alimentos”, disse Megan Davenport, que liderou o estudo como estudante de pós-graduação no Departamento de Economia Agrícola, Ambiental e do Desenvolvimento do Estado de Ohio.

A pesquisa foi publicada no site da revista “Resources, Conservation & Recycling”.



Fonte: Revista Planeta



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Considere aspectos individuais antes de sacramentar vínculo com animal de estimação

Leia Mais