Notícias

Antibióticos veterinários devem ser usados com cuidado para não oferecer risco ao rebanho

Compartilhe:     |  15 de junho de 2020

O Nosso Campo visitou uma fazenda com 330 cabeças de gado no município de Salto de Pirapora (SP). O rebanho é formado por nelore e por animais a partir do cruzamento industrial com raças europeias.

A preocupação com a boa genética é um dos segredos do sucesso da criação. Alimento de qualidade também faz diferença. E, claro, produtor nenhum pode deixar de adotar o manejo correto. Na hora de usar medicamentos, como os antibióticos, tudo é seguido dentro das regras de segurança, conforme as recomendações do fabricante.

Os medicamentos são armazenados e estocados em um local específico e climatizado. A equipe sempre está de olho nos prazos de validade. Outro detalhe importante é que os remédios só saem da sala no momento da aplicação. Tudo é feito com orientação veterinária e na dosagem correta.

O uso dos antibióticos nos rebanhos brasileiros tem sido assunto recorrente no país por um motivo importante. A aplicação de forma indiscriminada pode resultar em queda na produtividade e aumento nos custos de tratamento. Outro risco é o aparecimento de superbactérias.

Antibióticos veterinários devem ser usados com cuidado

O médico veterinário Fábio André Custódio lembra que esse tipo de medicamento só deve ser usado mediante prescrição de um médico veterinário e que o uso desnecessário vai selecionando agentes que têm resistência aos antibióticos.

Também visitamos uma fazenda produtora de leite no município de Araçoiaba da Serra (SP), onde o cuidado com antibióticos é redobrado.

A propriedade tem 105 vacas da raça holandesa. A média de produção diária gira em torno de 29 litros, podendo chegar à média de 33 litros no inverno. Todo o leite da fazenda é usado na produção de suco de milho de uma empresa para abastecer os mercados dos estados do Paraná, Santa Catarina e São Paulo.

Para manter a qualidade é fundamental que os animais também estejam em condições adequadas. A estudante de veterinária Verônica Fozza conta que a mastite já foi um problema sério no rebanho da propriedade. Hoje já não é mais assim devido ao trabalho preventivo.

O uso de antibiótico deixou de ser frequente e passou a ser empregado nos casos de extrema necessidade. Os ganhos tanto no rebanho quanto financeiros aumentaram.



Fonte: Nosso Campo - TV TEM



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais