Notícias

As cores da água residual: entenda as diferenças entre água cinza e água negra

Compartilhe:     |  14 de dezembro de 2016

Você já ouviu falar em água cinza e em água negra? A água cinza é o efluente que tem origem nas máquinas de lavar, chuveiros e pias de banheiro; já a água negra é aquela proveniente de vasos sanitários. Ambos os tipos são considerados efluentes que compõem o esgoto doméstico, mas eles são diferenciados pelo local de geração e pela composição e podem ser reaproveitados. Ainda existem algumas referências que utilizam o termo água amarela para efluentes contendo somente urina.

Água negra

O efluente que contém fezes, urinas e papel higiênico é gerado no banheiro das residências e apresenta microrganismos patogênicos que precisam ser retirados por tratamento, pois podem prejudicar a saúde humana e o meio ambiente.

Algumas definições também classificam como sendo água negra as águas provenientes da cozinha, devido à alta concentração de matéria orgânica e de óleos presente no efluente.

Água cinza

O efluente que não possui contribuição dos vasos sanitários, é considerado água cinza, como já explicado é a água utilizada na lavagem de roupas, lavatórios de banheiro e chuveiros. Como a composição das águas cinzas não possui tantos componentes prejudiciais a saúde e ao meio ambiente o tratamento é relativamente simples, dependendo da finalidade do reuso e pode ser instalado em casa.

Outra definição subdivide a água cinza em clara e escura. A água cinza clara é essa explicada anteriormente, sem incluir as águas residuárias provenientes de pias de cozinha. Já a água cinza escura inclui a água de pias da cozinha e máquinas de lavar louça.

Tratamento e reúso

Essa diferenciação entre cores é importante pois facilita a caracterização e o tratamento final do efluente: a água cinza necessita de um tratamento mais simples, já a água negra precisa de um tratamento mais complexo. A segregação de cada tipo de efluente na fonte de geração permite o tratamento adequado dos efluentes, sendo a solução para melhorar eficiência no reúso da água. Mudanças na estrutura hidráulica são necessárias, portanto, para separar a água cinza da água negra, impedindo qualquer contato entre elas.

Como as águas cinzas representam a maior parcela dos efluentes domésticos, a separação dos dois tipos de efluentes diminui consideravelmente o volume de esgoto, permitindo que as estações de tratamento possam ser mais compactas e descentralizadas.

Existem diversos tipos de tratamento para as águas cinzas e negras. Os tratamentos físicos consistem na aplicação de filtros para retirar partículas sólidas. Os tratamentos físico-químicos utilizam filtros e produtos químicos para coagulação, floculação ou desinfecção. Os sistemas biológicos são processos naturais em que os microrganismos degradam a matéria orgânica, tais processos podem ser acelerados.

Dentro de cada tipo de tratamento existem diversas tecnologias para o tratamento da água cinza e negra. Ainda não é muito comum o tratamento em casa da água negra, devido à periculosidade e à complexidade de etapas no tratamento. Portanto, o mais comum é o descarte das águas negras na rede coletora de esgoto.

Já o reúso das águas cinzas é mais simples – existe a possibilidade de implantação de um sistema de tratamento na própria residência. Existem empresas especializadas que projetam a Estação de Tratamento de Água Cinza (Etac) compactas com o processo mais adequado de acordo com o volume de efluente gerado e finalidade de reúso.

Problemas

Um grande problema é a falta de uma legislação federal sobre água de reúso, o que dificulta a padronização de tratamento e os parâmetros finais a serem alcançados. A NBR 13969 de 1997 regulamenta o reuso do esgoto doméstico tratado, ou seja, das águas negras. Porém diz que as águas geradas nas máquinas de lavar podem ser utilizadas na descarga de vasos sanitários após passar apenas por um processo de desinfecção (que pode ser a simples adição de cloro). Outros parâmetros da qualidade água são apresentados dependendo do uso e contato com o usuário.

Isso levanta questões como: a água cinza realmente necessita de tratamento para ser reutilizada para fins não potáveis? O manual do IPT sobre o reúso de água cinza em situações emergenciais orienta os usuários a coletarem as águas cinzas e tratarem somente com água sanitária e reutilizá-las para fins não potáveis, como lavagem de carros e pisos, irrigação de jardins e descarga em bacias sanitárias com o mínimo de contato possível com a água.

Portanto, uma legislação orientadora para o reúso de água representa um incentivo à essa prática, pois facilitará classificação das cores da água e a instalação de um sistema apropriado e padronizado. Reusando a água, os usuários estão reduzindo o consumo de água das redes de abastecimento e, consequentemente, poupando recursos naturais.

Veja o vídeo sobre o reúso de água cinza no banheiro.

 



Fonte: Ecycle - Manoela Imamura Hernandez - Fiesp e Ufes



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Saúde pet: entenda o perigo de uma alimentação incorreta para cães e gatos

Leia Mais