Notícias

Atividade física regular pode reduzir risco de demência em 28%

Compartilhe:     |  7 de agosto de 2020

Demência pode ser caracterizada por perda progressiva sobretudo da memória, mas também compromete o pensamento, o julgamento e/ou a capacidade de adaptação a situações sociais. Atualmente, um novo caso de demência por todas as causas é detectado a cada quatro segundos em todo o mundo. Prevê-se também que a prevalência de demência aumente, pois o fator de risco número um é a idade e o número de idosos em todo o mundo está aumentando. Assim, a atual falta de tratamentos farmacêuticos eficazes para a demência está criando uma urgência no desenvolvimento de estratégias não farmacológicas para prevenir, ou pelo menos atrasar, o início e a progressão da doença. Como resultado, as abordagens do estilo de vida tornaram-se uma importante linha de investigação científica e interesse público. O aumento da atividade física é uma estratégia promissora para promover ou manter a saúde cognitiva mais tarde na vida. Evidências empíricas fortes e acumuladas sugerem que atividade física regular pode reduzir o risco de demência por todas as causas em 28%.

Estudos sugerem que a atividade física é protetora contra o risco futuro de demência — Foto: Istock Getty Images

Estudos sugerem que a atividade física é protetora contra o risco futuro de demência — Foto: Istock Getty Images

Assim, cumprir as diretrizes atuais para idosos com 150 minutos por semana de atividade física moderada a vigorosa pode ajudar a reduzir o risco de demência por todas as causas, prevenir outras comorbidades, incluindo diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares, e reduzir a mortalidade por todas as causas.

Proteção contra doenças neurodegenerativas

As doenças neurodegenerativas resultam da deterioração dos neurônios, que ao longo do tempo levam à neurodegeneração e a deficiências. Ensaios controlados randomizados demonstraram que o treinamento físico tem um efeito robusto na melhoria de certos processos cognitivos que podem ser importantes para o risco futuro de demência.

A atividade física pode ser protetora contra o declínio cognitivo e doenças neurodegenerativas através de vários mecanismos possíveis. É provável que o exercício regular promova a saúde vascular, diminuindo a pressão arterial, lipídios, obesidade e marcadores inflamatórios e melhorando a função endotelial, que são fatores de risco para demência e doença de Alzheimer. Em particular, a circulação cerebral parece ser importante para o desempenho cognitivo e as adaptações ao exercício podem envolver melhor fluxo sanguíneo e suprimento de oxigênio nessas áreas. Outros mecanismos podem envolver efeitos na plasticidade cerebral e reserva cognitiva, angiogênese, neurogênese, sinaptogênese e aumento dos níveis de fatores neurotróficos.

Fatores de crescimento endógenos desempenham múltiplos papéis que facilitam a sobrevivência e a maturação de novos neurônios. Esses papéis são críticos para a neurogênese, plasticidade sináptica e angiogênese (crescimento de novos vasos sanguíneos). O fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF), o fator de crescimento endotelial vascular (VEGF) e o fator de crescimento semelhante à insulina (IGF-1) são fatores de crescimento particularmente envolvidos nos efeitos positivos do exercício no cérebro e na cognição. Foi demonstrado em modelos animais que a atividade física regulamenta a produção de vários fatores e receptores de crescimento (como o neurotrófico derivado do cérebro e o de crescimento semelhante à insulina) e reduz a inflamação celular e o estresse oxidativo, mediando os efeitos terapêuticos e protetores do exercício sobre a função cerebral.

Existem evidências que sugerem que as citocinas pró-inflamatórias comprometem algumas das vias de sinalização do fator de crescimento no cérebro; portanto, ações anti-inflamatórias do exercício podem ser importantes.

Sedentarismo é fator de risco

Evidências também sugerem que comportamento sedentário pode aumentar o risco de morbidade e mortalidade. Comportamento sedentário está associado a vários riscos à saúde, incluindo diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e mortalidade por todas as causas. Por isso, sugere-se limitar o tempo sedentário a menos de duas horas por dia e acumular mais de duas horas diárias de atividade de intensidade de luz (como caminhada leve). Evidências emergentes também sugerem que o comportamento sedentário está associado à função cognitiva.

Pesquisas sobre a relação entre comportamento sedentário e inflamação só recentemente surgiram. Existem evidências que envolvem o tecido adiposo branco localizado centralmente, incluindo gordura visceral, como mediador do relacionamento sedentário-inflamatório. Sabe-se que a obesidade ativa a cascata inflamatória em locais metabolicamente ativos nos níveis celular (células imunes) e sistêmico (veia porta do fígado), resultando em níveis elevados de adipocinas em circulação. Além disso, estudos relataram associações entre comportamento sedentário e múltiplas adipocinas, incluindo proteína C reativa (PCR), interleucina-6 (IL-6), leptina e fator de necrose tumoral alfa (TNF-a). Sugeriu-se uma forte conexão entre o comportamento sedentário e a inflamação.

Também existem evidências que associam a inflamação relacionada à obesidade à disfunção cognitiva. Demonstrou-se que a inflamação prediz maior risco de demência e muitos biomarcadores inflamatórios têm sido associados à redução do volume total do cérebro e da cognição em estudos transversais, conectando a inflamação ao comprometimento cognitivo.

Ferramentas não invasivas de neuroimagem, como a ressonância magnética, oferecem uma maneira de medir a estrutura cerebral com especificidade do tipo de tecido (substância cinzenta e branca). Com a idade, são esperados declínios acelerados na densidade da substância cinzenta e na integridade da substância branca durante todo o processo de envelhecimento. Os participantes de um estudo que caminharam 40 minutos três vezes por semana aumentaram o volume de massa cinzenta nas regiões temporal pré-frontal, parietal e lateral do cérebro e aumentaram o volume de substância branca (MM) no corpo caloso. Esse resultado levou à hipótese de que o declínio estrutural relacionado à idade não é inevitável e que o exercício pode impedir o declínio relacionado à idade. Talvez os benefícios mais robustos do aumento da atividade física na estrutura cerebral sejam evidentes na população idosa, onde declínios acelerados na densidade da substância cinzenta e na integridade da substância branca ocorrem normalmente durante todo o processo de envelhecimento.

Em conclusão, os estudos sugerem que a atividade física é protetora contra o risco futuro de demência. Como a maioria dos idosos é fisicamente inativa (ou seja, não se envolve em ≥150 min / semana de atividade física moderada a vigorosa) e fica aquém dessas recomendações, o aumento da atividade física moderada a vigorosa entre idosos tornou-se uma prioridade de saúde pública. Lembrando da importância do acompanhamento de profissionais da saúde capacitados para orientar a prática de exercícios físicos, principalmente na população idosa.

Referências bibliográficas:

  1. Falck RS, Davis JC, Liu-Ambrose T. What is the association between sedentary behaviour and cognitive function? A systematic review. British Journal of Sports Medicine 2017;51:800-811.
  2. Fang X, Han D, Cheng Q, et al. Association of Levels of Physical Activity With Risk of Parkinson Disease: A Systematic Review and Meta-analysis. JAMA Netw Open. 2018;1(5):e182421.
  3. Hamer, M., & Chida, Y. (2009). Physical activity and risk of neurodegenerative disease: A systematic review of prospective evidence. Psychological Medicine, 39(1), 3-11.
  4. Nelson ME, Rejeski WJ, Blair SN, et al. Physical activity and public health in older adults: recommendation from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Circulation. 2007;116(9):1094-1105.


Fonte: Eu Atleta - Por Guilherme Renke



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais