Notícias

Primeiro barco brasileiro movido a energia solar é criado em Santa Catarina

Compartilhe:     |  8 de outubro de 2014

O Instituto Ekko Brasil (IEB) em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), acaba de lançar o primeiro barco brasileiro que usa energia solar, limpa e renovável a ser utilizado para trabalhos de pesquisas, mobilização social e educação ambiental na Lagoa do Peri.

A embarcação do tipo Catamarã foi uma solicitação do IEB, que precisava de uma embarcação não-poluente e silenciosa para monitorar as lontras na Lagoa do Peri (SC). Ela auxiliará no trabalho dos pesquisadores do Instituto em estudos da biodiversidade e conservação de ecossistemas e espécies ameaçadas da região.

A Lagoa do Peri é uma Unidade de Conservação (UC) municipal onde é proibida a navegação de embarcações movidas a motores de combustão.

“Esse tipo de embarcação dará maior eficiência e segurança às equipes de pesquisa do IEB”, afirma Carvalho Junior, gerente de Pesquisas do Instituto Ekko Brasil/Projeto Lontra. Em parceria, a Fundação do Meio Ambiente de Florianópolis (FLORAM) também fará uso do barco para pesquisas.

O Instituto Ekko Brasil possui uma base de pesquisa situada na lagoa do Peri que abriga o Refúgio Animal, um criadouro científico, onde pesquisas com lontras e iraras são desenvolvidas, além de abrigar um Centro de Visitação e Educação Ambiental, e um centro de Recuperação e Conservação de Animais Selvagens, único no Brasil.

Como funciona

Ao longo do dia, a embarcação ficará exposta ao sol enquanto os módulos solares fotovoltaicos, que servem também de cobertura do barco, carregam as baterias que fazem funcionar quatro motores elétricos instalados na popa da embarcação.

“O projeto de uma embarcação com sistema de propulsão elétrico alimentado por energia solar fotovoltaica é uma aplicação ideal desta tecnologia solar, dispensando os custos de manutenção e combustível associados aos motores a combustão, além dos benefícios indiscutíveis quanto à redução dos impactos ambientais. No Brasil, esta tecnologia ainda é bem pouco explorada e um dos fatores da sua baixa utilização é o desconhecimento das potencialidades e aplicações desta forma de geração de energia elétrica, que já é técnica e economicamente viável em diversos países”, afirma o professor Ricardo Rüther, do Grupo de Pesquisa Estratégica em Energia Solar da UFSC.

A região

A embarcação será utilizada na Lagoa do Peri, localizada na região sudeste da Ilha de Santa Catarina, inserida em um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica. Com cerca de 20 km² o Parque abriga a maior lagoa de água doce da costa catarinense, que totaliza uma área de 5 km² de superfície de água.



Fonte: CicloVivo



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Não há evidências de que o coronavírus possa infectar gatos

Leia Mais