Notícias

Beleza verde: lei facilita pesquisa e populariza insumos da Amazônia

Compartilhe:     |  11 de junho de 2016

A árvore de pracaxi, planta nativa da Amazônia, produz frutos em forma de vagens que abrigam sementes ricas em um óleo que tem sido muito procurado pela indústria de cosméticos, principalmente para produtos de hidratação para cabelos.

Mas os ribeirinhos também utilizam o óleo de pracaxi para ajudar na cicatrização de picadas de cobra, o que despertou o interesse da Beraca, empresa química especializada em ativos da biodiversidade brasileira, que começou a investir em pesquisas para conhecer melhor a planta.

Foram mais de três anos de pesquisas, e a empresa descobriu que, além de ser bom para o cabelo, o óleo de pracaxi também tem ótimas propriedades para a pele: ajuda no clareamento de manchas e estrias e estimula a produção de colágeno, o que o torna ideal para aplicação em cremes anti-idade.

O pracaxi é um entre tantos ingredientes da Amazônia com potencial para gerar riqueza com a floresta em pé, desestimulando o desmatamento. Nos últimos anos, as empresas de cosméticos começaram a desenvolver cadeias de negócios com comunidades extrativistas, e os ativos amazônicos se tornaram mais comuns na vida do consumidor.

Agora, as pesquisas com a biodiversidade brasileira devem ganhar novo impulso. Um dos últimos atos da presidente Dilma Rousseff antes do impeachment foi regulamentar a lei 7.735/2014, que traz novas regras para o acesso ao patrimônio genético e simplifica os procedimentos para a pesquisa científica.

Antes, para realizar pesquisas com determinada planta, o pesquisador deveria solicitar solicitação prévia ao Ministério do Meio Ambiente. Agora, o governo pretende controlar o acesso ao patrimônio genético com um cadastro de empresas e pesquisadores.

Há mudanças também nas regras sobre a repartição dos benefícios -espécie de royalty pago pelas empresas para as comunidades que detém o conhecimento sobre o uso de determinada planta ou animal. A lei prevê a criação de um fundo para gerenciar esses recursos e reinvesti-los em projetos de conservação.

“A nova lei tem como objetivo facilitar a pesquisa e o desenvolvimento de novos produtos. Ela poderá representar ganho de celeridade e competitividade para a indústria”, afirma Kevyan Macedo, gerente de sustentabilidade da Natura.

Beleza que vem da floresta

Os ingredientes amazônicos mais valorizados pela indústria de cosméticos



Fonte: Revista Amazônia



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais