Notícias

Bióloga americana pesquisa demência de cães, gatos, elefantes ou golfinhos

Compartilhe:     |  26 de outubro de 2014

Aos 6 anos, Oliver, um grande cão bernese que adorava brincar de esconde-esconde, atirou-se do quarto andar do prédio onde vivia. Ansioso por estar sozinho no apartamento, ele arrancou o aparelho de ar-condicionado da parede, comeu a fiação, jogou-se pelo buraco e, milagrosamente, sobreviveu. No hospital, olhando os ferimentos de seu cão, a bióloga Laurel Braitman resolveu entender o que se passava pela cabeça de Oliver para chegar a essa atitude extrema.

Procurou veterinários, psiquiatras, psicólogos e neurologistas e passou os últimos sete anos pesquisando animais que, como o seu bernese, apresentavam transtornos mentais. Encontrou elefantes com ataques de ansiedade, ursos depressivos, gorilas com transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), ratos e papagaios com tricotilomania (o impulso de arrancar os próprios cabelos) e golfinhos suicidas. “Identificar e entender a insanidade animal e ajudá-los a se recuperar diz muito sobre nossa humanidade. Quando estamos ansiosos, raivosos, assustados ou compulsivos mostramos o quanto somos surpreendentemente iguais às outras criaturas com quem dividimos o planeta”, diz Laurel.

No livro Animal Madness (Loucura Animal, sem edição em português), recém-lançado nos Estados Unidos, a bióloga, que também é especialista em história da ciência pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), reconstrói a história da demência animal e conta como transtornos mentais de macacos, ratos, cachorros ou gatos impulsionaram a compreensão da mente humana. Foram eles as cobaias para testar os primeiros antidepressivos ou ansiolíticos inventados. E, da mesma maneira que nossa compreensão a respeito de distúrbios mentais evoluiu ao longo dos anos, o entendimento do cérebro e comportamento animais vem passando por uma revolução. De acordo com Laurel, a ciência não questiona mais se os animais têm emoções, mas se interroga, atualmente, que tipo de emoções são essas e de onde vêm.

Nesta entrevista ao site de VEJA, a autora, que esteve no Brasil em outubro para acompanhar a conferência TED Global, no Rio de Janeiro, conta como foi sua jornada para desvendar a história da demência animal. E explica de que forma essa compreensão mudou também sua visão a respeito dos seres humanos.

Seu cão foi a porta de entrada que a fez descobrir a loucura dos animais. Quando percebeu que ele poderia ter algum distúrbio? Adotei o Oliver em 2002 e ele era uma criatura feliz e adorável. Mas, com seis meses de convivência, percebi alguns problemas. Ele não conseguia ficar sozinho e comia qualquer coisa que não fosse comida. Basicamente, ele ficava calmo apenas perto de mim e entrava em pânico isolado ou na presença de qualquer outro ser. Seu comportamento era muito distinto de todos os animais que conhecia.

Foi nesse momento que ele recebeu o diagnóstico de ansiedade? Achava apenas que ele era diferente — jamais pensei que animais pudessem ter transtornos mentais. Cresci em uma fazenda repleta de bichos e nunca havia visto algum com esse tipo de problema. Para mim, dizer que um animal tinha esses distúrbios era projetar sentimentos e emoções humanas neles. Mas percebi que meu cão era esquisito e, pouco tempo depois, ele se jogou da janela do quarto andar. Assim que se curou dos ferimentos causados pela queda, levei Oliver a um veterinário que receitou para ele Prozac e Valium.

Esses medicamentos são normalmente dados a cães? Nunca havia visto isso. Achei muito estranho e fui pesquisar como eles funcionavam nos cachorros. Mas não encontrei muita coisa sobre seu efeito em bichos e nem sobre como eles são usados em clínicas veterinárias. Como não havia livros, comecei a conversar com treinadores, cientistas e especialistas em comportamento animal para saber se esses medicamentos tinham em cães a mesma função que em nós e também para entender o que estava acontecendo com o Oliver. Aos poucos, fui descobrindo que os animais, como nós, também têm transtornos mentais e, sim, tomam os mesmos remédios que nós para tratá-los. Foi aí que pensei em escrever um livro que pudesse ajudar outras pessoas que passam pelas mesmas dificuldades que vivi.

E que tipo de distúrbios os animais podem ter? Assim como em humanos, muitas das doenças mentais dos animais têm a ver com reações inapropriadas ao medo e à ansiedade. Isso acontece porque essas respostas são coordenadas pelas regiões mais primitivas do cérebro, compartilhadas pela maior parte dos vertebrados. Assim como nós, os animais sentem medo ou ansiedade em ocasiões desnecessárias e desenvolvem compulsões como Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) e várias outras formas de distúrbios mentais como ataques de ansiedade ou depressão.

Ou seja, se a base para o medo é a mesma, provavelmente elas também podem funcionar de maneira inadequada em animais, assim como acontece conosco. Exatamente. Por isso, os primeiros tratamentos e medicamentos para doenças mentais foram estudadas em animais. Há mais de um século, o médico russo Ivan Pavlov [1849-1936] estimulava conflitos psicológicos em cães e gatos para entender seu mecanismo. Durante a II Guerra Mundial, muitos médicos perceberam os mesmos sintomas daqueles animais nos soldados, no que viria a ser o stress pós-traumático. Nos anos 1930, as primeiras lobotomias foram feitas em dois chimpanzés agressivos e ansiosos e, na mesma época, outras criaturas foram cobaias para o desenvolvimento dos eletrochoques para tratar convulsões da esquizofrenia. Até hoje, novos medicamentos para doenças mentais são testados inicialmente em animais: ratos, porcos e gorilas ajudaram a entender os distúrbios humanos e, agora, nós estamos usando nossos remédios neles.

No entanto, os homens são capazes de responder emocionalmente ao medo. Os animais também? Tive uma conversa muito interessante com a cientista Lori Marino, que trabalha na Universidade Emory, nos Estados Unidos, e durante anos pesquisou a cognição em golfinhos. Ela me explicou que as emoções são uma das partes mais antigas da psicolgia, presente nos primeiros animais. Sem elas, um indivíduo não consegue agir ou ter decisões que são chave para a sobrevivência. Elas são selecionadas, algumas são mais simples, outras mais complexas, mas todos os animais têm emoções. Homens, grandes macacos, golfinhos e elefantes, que possuem um cérebro mais desenvolvido, podem elaborar estratégias para lidar com o medo ou a ansiedade. Mas, como a estrutura para as emoções é semelhante, a experiência emocional pode ser similar em todas as espécies, apesar da inteligência.

Vários estudos recentes têm sido publicados sobre o que seriam as emoções animais. Há pesquisas sobre suas dores emocionais ou mentais? Nos últimos anos, diversas pesquisas têm mostrado que os animais sofrem traumas emocionais. A discussão científica está mudando e deixou de ser ‘será que os animais têm emoções’, para ‘quais são elas e de onde vêm?’. Achamos que é uma novidade colocar cães em aparelhos de ressonância magnética funcional (fMRI) e pesquisar a neurociência das emoções animais — mas a inovação são as técnicas, que conseguem medi-las com bastante precisão. Mas quem trabalha com os bichos está acostumado com isso e não acha surpreendente que os animais tenham uma vida emocional rica e complicada.



Fonte: Revista Veja



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Alimentação natural para cães: saiba tudo sobre o assunto

Leia Mais