Notícias

Bioproduto de bactéria encontrada no mandacaru promove tolerância à seca em plantas

Compartilhe:     |  19 de maio de 2021

Uma tecnologia para ajudar as lavouras de milho a suportar a seca foi desenvolvida pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Meio Ambiente e pela NOOA Ciência e Tecnologia Agrícola, de Minas Gerais, a partir de uma bactéria encontrada no solo, próximo às raízes do mandacaru (Cereus jamacaru), importante cacto da região da Caatinga.

A rizobactéria Bacillus aryabhattai é a base de um novo bioinsumo que aumenta a resiliência e a capacidade de adaptação das plantas ao estresse hídrico. O produto, que recebeu o nome comercial de Auras, é capaz de promover o crescimento da cultura mesmo durante estiagens prolongadas.

O foco inicial do produto será o milho, com estimativa de 70% da demanda na segunda safra e os 30% restantes na safra de verão, a primeira. Isso porque o milho de segunda safra é sempre o mais afetado por veranicos e restrições hídricas em geral.

A estimativa é que o Auras salve da seca entre seis e oito sacos de milho por hectare, em média, contra um investimento que gira ao redor de meio saco de milho por hectare. A intenção é ampliar, no futuro, o uso do produto para outras culturas, como soja e trigo.

A base de dados que tornou possível essa pesquisa começou em 2009, com uma investigação sobre a biodiversidade e a bioprospecção de microrganismos da Caatinga liderada pelo pesquisador Itamar Soares de Melo, da Embrapa Meio Ambiente, em Jaguariúna. O trabalho deu origem à primeira Coleção de Microrganismos de Importância Agrícola e Ambiental, que reúne quase 20 mil isolados de fungos, bactérias, leveduras, arqueias e actinobactérias. O material foi lançado em 2013, com apoio da FAPESP.

Amostras foram coletadas ao longo da Caatinga, em cinco Estados: Bahia, Ceará, Piauí, Paraíba e Rio Grande do Norte. Os pesquisadores perceberam que o período de amostragem, chuvoso ou seco, foi o principal fator de alteração na estrutura das comunidades bacterianas, o que permitiu identificar potenciais microrganismos responsáveis pela resiliência ao estresse hídrico.



Fonte: Agência FAPESP - portal da Embrapa



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Como não repreender seu cachorro – Dicas de cuidados e educação

Leia Mais