Notícias

Brasil leva conhecimento popular e ciência à conferência da ONU

Compartilhe:     |  28 de fevereiro de 2015

Juntar conhecimento tradicional com pesquisa científica pelo combate à seca e à desertificação. Essa será a tônica da participação do Brasil na 3ª Conferência Científica das Nações Unidas para o Combate à Desertificação, que será realizada em Cancun, no México, de 9 a 12 de março deste ano. As diretrizes foram definidas durante seminário que reuniu academia e sociedade civil em Campina Grande (PB), nos dias 25 e 26 últimos.

Segundo o diretor do Departamento de Combate à Desertificação do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Francisco Campello, o objetivo da participação do Brasil na conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) é valorizar a implantação das boas práticas de convivência sustentável com a semiaridez, por meio da produção sustentável na região – o que evita a degradação e, consequentemente, combate a desertificação. O Brasil será representado por três pesquisadores na conferência do México.

ESTRATÉGIAS

As diretrizes para a participação brasileira na conferência resultam das discussões ocorridas durante o seminário promovido pelo Instituto Nacional do Semiárido (Inss) e pelo MMA na Paraíba. Foram discutidas as estratégias de combate à desertificação, degradação das terras e convivência com a seca, a partir do intercâmbio de conhecimentos cientí?cos e tecnológicos com as práticas e saberes tradicionais.

Entre as estratégias, pode-se destacar: considerar a agroecologia como ciência e um processo de acumulação de conhecimentos e práticas locais pelas comunidades; realizar mapeamento, sistematização e divulgação de experiências e técnicas já consolidadas; promover o acesso à terra, à água e à biodiveridade da Caatinga como condição básica para construção da soberania alimentar e da resiliência; garantir financiamento às ações e ampliar os estudos sobre o uso sustentável da biodiversidade da Caatinga e sobre o manejo florestal sustentável;

O documento elaborado durante o seminário será ratificado em reunião da Comissão Nacional de Combate à Desertificação (CNCD), na próxima quinta-feira (05/03), em Brasília (DF). O Seminário Nacional Combate à Desertificação, Degradação das Terras e Convivência com a Semiaridez para Redução da Pobreza e um Desenvolvimento Sustentável, em Campina Grande, contou com a parceria da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA Brasil).

(*) Com informações da Assessoria de Comunicação do Insa



Fonte: Ascom - MMA - Letícia Verdi



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Doação de sangue em animais: como funciona e os requisitos para um animal ser doador

Leia Mais