Notícias

Brasil troca experiências sobre cadeia do algodão com países latino-americanos e africanos

Compartilhe:     |  3 de setembro de 2019

A Agência Brasileira de Cooperação (ABC) — do Ministério das Relações Exteriores —, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) organizaram na última sexta-feira (30) uma visita técnica à sede EMBRAPA Arroz e Feijão, em Santo Antônio de Goiás (GO), para delegações de países da América Latina e da África, que participam de projetos de Cooperação Sul-Sul Trilateral com governo brasileiro, OIT e FAO.

O encontro teve a finalidade de aproximar produtores, cientistas, pesquisadores e agrônomos da cadeia produtiva do algodão de Brasil, Colômbia, Mali e Moçambique. Técnicos da EMBRAPA apresentaram os principais desafios do Brasil em produção de algodão, sistemas de produção, tecnologias e controle de doenças e pragas.

“Acho importante mostrarmos o que estamos fazendo aqui no Brasil, os problemas que enfrentamos e como estamos tentando superá-los. São temas em comum com outros países e que devem ser compartilhados para a geração de conhecimento”, disse o pesquisador da EMBRAPA Arroz e Feijão Camilo Morello.

O presidente do Fundo Nacional dos Produtos de Algodão (FONPA) de Moçambique, Benison Simoco, disse que a visita é “uma experiência que vale e que pode nos dar um resultado muito positivo na produção de algodão de Moçambique”. “Eu gostaria que este tipo de cooperação entre países fosse mais contínua para melhora da produção no nosso país.”

Representantes de ABC, OIT e FAO acompanharam a visita. O assistente de projetos da ABC, Luiz Fernando Bacelar, destacou a importância da integração entre duas iniciativas de Cooperação Sul-Sul Trilateral que contribuem para a cadeia produtiva do algodão, como complemento para as atividades técnicas desenvolvidas à margem do 12° Congresso Brasileiro do Algodão, realizado entre 27 e 29 de agosto, em Goiás.

Adriana Gregolin, coordenadora regional do Projeto +Algodão, avaliou que “para os representantes destes países, conhecer o trabalho da EMBRAPA na área de melhoramento do algodão e seus sistemas de produção é de grande valor, tendo em vista a posição de referência que a EMBRAPA ocupa na América Latina em termos de pesquisa, especialmente no setor algodoeiro”.

Para o assistente de projetos do Programa de Cooperação Sul-Sul da OIT no Brasil, João Luiz Clementino, “este encontro é uma grande oportunidade para a articulação das ações entre os diferentes organismos internacionais presentes e os trabalhadores algodoeiros da África e América Latina”. “Este intercâmbio de conhecimento com a expertise técnica da EMBRAPA é a lógica da Cooperação Sul-Sul.”

A OIT desenvolve o “Projeto Algodão com Trabalho Decente – Cooperação Sul-Sul para a Promoção do Trabalho Decente nos Países Produtores de Algodão da África e da América Latina” com a ABC e o Instituto Brasileiro do Algodão (IBA).

O objetivo da iniciativa é promover o trabalho decente na cadeia produtiva do algodão, com ênfase nos Direitos e Princípios Fundamentais do Trabalho e na melhoria das condições de trabalho em cinco países produtores da fibra: Paraguai, Peru, Mali, Moçambique e Tanzânia.

Delegações de Colômbia, Mali e Moçambique visitam a sede da EMBRAPA Arroz e Feijão, em Santo Antônio de Goiás (GO). Foto: OIT

Delegações de Colômbia, Mali e Moçambique visitam a sede da EMBRAPA Arroz e Feijão, em Santo Antônio de Goiás (GO). Foto: OIT



Fonte: ONUBr



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Considere aspectos individuais antes de sacramentar vínculo com animal de estimação

Leia Mais