crianças lama
Foto: Antonio Esposito | Pixabay

Muitos pais querem ver as crianças limpinhas e “apresentáveis”, como no comercial de sabão em pó. Mas, tanta limpeza pode não ser tão boa para os pequenos: eles precisam correr, pular, se sujar na lama. A ciência mais uma vez confirma.

Um novo artigo, publicado na revista científica Science Advances, aponta que alto nível de higiene, estilo de vida urbano e contato insuficiente com a natureza reduzem a diversidade nos micróbios do sistema orgânico. E, ao contrário do que possa parecer, isso não é nada bom. A falta de contato com múltiplos microrganismos aumenta o risco de distúrbios no sistema imunológico, como atopia, diabetes e alergias.

O estudo é um trabalho conjunto do Instituto de Recursos Naturais da Finlândia, a Universidade de Helsinque, a Universidade de Tampere, a Universidade da Finlândia Oriental e a Universidade Charles de Praga.

Foto: Needpix

Não é novidade que brincar seja essencial para o desenvolvimento infantil, porém a nova pesquisa conseguiu medir os efeitos de brincar ao livre em apenas um mês. Conduzido por cientistas finlandeses, o estudo transformou quintais comuns em verdadeiros jardins verdes. As crianças que aproveitaram tais áreas de lazer desenvolveram micróbios mais diversos na pele e no intestino, ou seja, alcançaram um nível mais alto de imunidade contra doenças.

Ficou claro para os pesquisadores que é preciso expor as crianças aos ambientes naturais – algo cada vez mais difícil para a população urbana.

O grupo de teste foi realizado com 75 crianças em uma creche. O estudo é um trabalho conjunto do Instituto de Recursos Naturais da Finlândia, a Universidade de Helsinque, a Universidade de Tampere, a Universidade da Finlândia Oriental e a Universidade Charles de Praga. Confira o artigo na íntegra (em inglês) aqui: Biodiversity intervention enhances immune regulation and health-associated commensal microbiota among daycare children.

E não é só os pequenos que se beneficiam da exposição aos micróbios: outro estudo apontou a relação entre o contato com a terra e o aumento da produção de serotonina.