Notícias

Campanha lembra homens sobre importância da higiene íntima

Compartilhe:     |  21 de janeiro de 2020
O câncer de pênis faz com que cerca de 1,6 mil homens tenham que amputar o órgão genital no Brasil por ano. Um dos principais fatores de riscos para o desenvolvimento da doença é a má higiene íntima. Diante dos números alarmantes, os criativos Leonardo Telles, Guilherme Serato, Marcelo Marui e Saulo Vinheiro desenvolveram uma ação voluntária para o Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL), idealizador da campanha Novembro Azul, intitulada “Lave o Dito Cujo”. Por meio de um perfil no Instagram, o grupo compartilha ilustrações diárias para que os homens não esqueçam de lavar a genitália.
O projeto conta com imagens e palavras populares do órgão genital masculino como banana, falo e cobra. “Quando você vê um dado de mais de mil amputações por ano, você sente a necessidade de fazer algo para mudar isso. Como a gente está falando sobre um problema muito sério, que é um tabu, a gente quis usar do lúdico para conscientizar sobre o assunto”, conta Guilherme Serato.
Desde o dia 1º de janeiro de 2020, o perfil @laveoditocujo publica ilustrações com os nomes populares de pênis. “São 366 ilustrações. 366 sinônimos do pênis, com apelidos e nomes regionais. O nosso objetivo é lembrar diariamente os homens de lavar o dito cujo, que é a melhor forma de prevenção”, completa Serato.

Galeria de Fotos

Campanha combate câncer de pênis com ilustrações no InstagramDIVULGAÇÃO

Campanha combate câncer de pênis com ilustrações no InstagramREPRODUÇÃO INSTAGRAM

Campanha combate câncer de pênis com ilustrações no InstagramREPRODUÇÃO INSTAGRAM

Campanha combate câncer de pênis com ilustrações no InstagramREPRODUÇÃO INSTAGRAM

Campanha combate câncer de pênis com ilustrações no InstagramREPRODUÇÃO INSTAGRAM

Campanha combate câncer de pênis com ilustrações no InstagramREPRODUÇÃO INSTAGRAM

O médico Aguinaldo Nardi, urologista e membro do comitê científico do LAL, vê com bons olhos a iniciativa. “Essa campanha é uma maneira lúdica e simples de ensinar o homem. O câncer de pênis é uma doença muito bem prevenida, desde que tenha educação sobre o tema. O projeto desmistifica os diversos preconceitos do homem sobre a saúde”, destaca o doutor.

Higiene e saúde

A limpeza correta da genitália diminui as chances de desenvolvimento da doença. “Há uma forte associação entre a presença do prepúcio (pele que recobre a glande ou cabeça do pênis) e o surgimento do câncer peniano. Além disso, as ISTs – infecções sexualmente transmissíveis – caminham lado a lado com este tipo de câncer”, explica Nardi.

Entre os fatores de risco, está a fimose, que impede a exposição da glande (cabeça do pênis) e o acúmulo de esmegma (secreção branca resultante da descamação celular) e a falta de informação.
“No Brasil, o câncer de pênis representa 2% de todos os tipos de câncer que atingem o homem, sendo mais frequente nas regiões Norte e Nordeste. A falta de informação, a dificuldade em ter atendimento médico e muitas vezes a vergonha fazem com que os homens cheguem ao sistema com a doença em um estado avançado”, pontua a presidente do LAL, Marlene Oliveira, criadora da campanha Novembro Azul.

Apesar de raro nos países europeus e da América do Norte, esse tipo de tumor é uma condição frequente em muitos países africanos, sul-americanos e asiáticos. De acordo com o LAL, no Brasil, 90% dos casos são encontrados no Sistema Único de Saúde (SUS), que sugere que o câncer de pênis tende a afetar os homens mais pobres, não operados da fimose e com hábitos precários de higiene.

Artistas podem participar da ação

O projeto começou com artistas já conhecidos pelos criadores da campanha. No entanto, com a repercussão, a ação está aberta para que artistas (ilustradores, designers, escultores) possam participar do projeto. Para saber como, basta enviar uma mensagem para o perfil @laveoditocujo.
Uma assinatura que vale muito


Fonte: O Dia - LUANA BENEDITO



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

PETA quer banir o uso do termo “animal de estimação” por ser depreciativo para os animais

Leia Mais