Espaço Animal

Castrar ou não seu cachorro? Veterinários indicam as vantagens da esterilização canina

Compartilhe:     |  18 de outubro de 2014

A esterilização canina aumenta a expectativa de fêmeas em até 25% e de machos em 14%. O método também é mais indicado que o uso de anti-concepcionais.

© Shutterstock A esterilização canina aumenta a expectativa de fêmeas em até 25% e de machos em 14%. O método também é mais indicado que o uso de anti-concepcionais.

Quando o pet atinge a fase de “puberdade” animal, é chegada a hora de uma decisão muito difícil para os tutores: castrar ou não o cachorro. A falta de informações mais claras deixa os donos do bichinho inseguros em relação à operação e com medo que o animal sofra, já que é de sua natureza reproduzir. Para tirar as principais dúvidas sobre o assunto, consultamos o médico veterinário Thiago Santos, que esclareceu mitos e verdade sobre a esterilização de cães.

Menos chances de desenvolver alguns tipos de câncer

Diferente do que muitos pensam, a castração não deixa o animal vulnerável a doenças, mas sim, ajuda a prevenir complicações que podem surgir devido à presença de hormônios do ciclo reprodutivo. “A retirada de útero e dos ovários ou testículos diminui a possibilidade de infecções e tumores naqueles órgãos e de dificuldades ligadas à gravidez e ao parto”, explicou o veterinário. Sem acasalamentos, as doenças sexualmente transmissíveis deixam de representar risco e, consequentemente, diminui-se a incidência de tumores da mama, considerado a principal doença reprodutiva das cadelas.

O cão pode se tornar mais calmo e centrado

Se o seu cãozinho costuma urinar em diversos cantinhos pela casa, o profissional afirma que a esterilização também ajuda a amenizar esta atitude: “Cães castrados não sentem necessidade de demarcar território”, disse. A castração ajuda a evitar comportamento sexual: “Os passeios durante o dia também se tornaram muito mais simples e sem tentativas de fugas, visto que não ficarão correndo atrás de outras fêmeas”, completou.

Outra vantagem em se castrar filhotes é evitar a reprodução sem controle. Muitos tutores não têm consciência das consequências de deixar seus animais se reproduzirem sem critérios. Com isso, muitos cachorrinhos acabam sendo abandonados por donos que não possuem condições de sustentar grande número de animais.

Cuidados do pós-operatório

Após a operação, os cuidados com o cãozinho devem permanecer em casa. A alimentação deve ser em pequenas quantidades, passeios e estripulias também devem ser evitados durante dez dias para não atrapalhar a cicatrização dos pontos. Para evitar que o animal tenha contato com os pontos, o veterinário pode indicar o uso do colar Elizabethano (cone de plástico) ou uma roupa cirúrgica, que é uma espécie de batinha de pano fechada na área da incisão. Quanto aos pontos, alguns podem soltar sozinhos e outros precisarão de ajuda médica para serem removidos, portanto, é importante levar o bichinho ao consultório após 14 dias para uma revisão.

Veterinários alertam: anticoncepcional canino não é uma opção segura

Como alternativa a castração, alguns donos de pets optam por aplicação de anticoncepcional nas cadelas. No entanto, o agente deste tipo de remédio para cães é um hormônio chamado progesterona e seu uso nas cachorrinhas pode causar tumores de mama e infecções no útero.

Quanto mais cedo, melhor

Não existe um momento específico para castrar seu pet, porém, quanto mais cedo a operação for realizada, mais reduzidos serão os riscos de desenvolver doenças reprodutivas. Aponta-se que evitando doenças reprodutivas, a expectativa de vida média chega a até 25% a mais para fêmeas e 14% para machos. As cadelas castradas antes do primeiro cio, por exemplo, possuem apenas 0,5% de risco de vir a desenvolver neoplasia mamária, aumentando para 8% e 26% após o primeiro e segundo cio.

Fonte: MSN



Fonte:



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Colecionadores de fãs, os siameses são inteligentes, comunicativos e brincalhões. Conheça curiosidades da raça

Leia Mais