Notícias

Cerrado é maior região de savana tropical da América do Sul

Compartilhe:     |  10 de setembro de 2020

O Cerrado é a maior região de savana tropical da América do Sul

Cerrado constitui a segunda maior formação vegetal brasileira em extensão. Caracterizado como vegetação de savana na classificação internacional, esse bioma estende-se por cerca de dois milhões de quilômetros quadrados, representando 22% do território brasileiro. Por estar em uma área de transição com outros biomas, o Cerrado apresenta fitofisionomias variadas. Ao norte, faz divisa com o bioma Amazônia; a leste e a nordeste, com a Caatinga; a sudoeste com o Pantanal; e a sudeste com a Mata Atlântica.

Localização do Cerrado

No Brasil, a área contínua do Cerrado incide sobre os estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Piauí, Rondônia, Paraná, São Paulo e Distrito Federal, além de encraves no Amapá, Roraima e Amazonas. Nesse espaço territorial encontram-se as nascentes das três maiores bacias hidrográficas da América do Sul (Amazônica/Tocantins, São Francisco e Prata), o que resulta em um elevado potencial aquífero e favorece a biodiversidade do Cerrado.

Além de estar presente no nosso país, o bioma Cerrado também inclui parte do nordeste do Paraguai e leste da Bolívia. O Cerrado também localiza-se em uma região em que existem grandes aquíferos, como o Guarani e o Bambuí. Por isso, esse bioma é considerado berço das águas.

As formações florestais do Cerrado são resultado de uma mistura de fatores temporais e espaciais. Na escala temporal, grandes alterações climáticas e geomorfológicas teriam causado expansões e retrações das florestas úmidas e secas da América do Sul, originando-o. Já na escala espacial, essas formações seriam influenciadas por variações locais na hidrografia, topografia, profundidade do lençol freático e fertilidade e profundidade dos solos.

Solos do Cerrado

Os solos do Cerrado são antigos, profundos e drenados, com predominância de latossolos, podzólicos e areias quartzosas. O teor de matéria orgânica na maioria desses solos é pequeno, variando de 3 a 5%. Além disso, os solos do Cerrado são ácidos, pouco férteis e apresentam altos níveis de ferro, manganês e alumínio.

De acordo com estudiosos, a baixa fertilidade dos solos do Cerrado é agravada pelo transporte do cálcio às regiões profundas, aumentando a deficiência desse nutriente na superfície. Essa falta de cálcio é responsável por limitar o crescimento das plantas da região.

Clima do Cerrado

O clima do Cerrado pode ser considerado estacional. Isso significa que ele possui duas estações bem definidas, sendo os invernos secos e os verões chuvosos. Esse bioma apresenta média pluviométrica anual de 1500 mm, variando entre 750 a 2000 mm. As temperaturas médias do Cerrado, por sua vez, variam de 20 a 26 °C. Além disso, a umidade relativa do ar atinge níveis muito baixos no inverno e muito altos no verão.

Fitofisionomias e diversidade biológica do Cerrado

Cerrado possui uma grande variedade biológica. Apresenta cerca de 837 espécies de aves, 185 espécies de répteis, 194 espécies de mamíferos e 150 anfíbios. Os principais representantes da fauna do Cerrado são tucano, tamanduá-bandeira, lobo-guará, onça-parda e veado-campeiro. Apesar da grande variedade, a fauna do Cerrado não é totalmente conhecida, principalmente em relação ao grupo de invertebrados.

Em relação à flora, estudiosos estimam que há cerca de dez mil espécies de vegetais que já passaram por identificação. Muitas espécies são usadas para fins medicinais e para alimentação. Os principais representantes da flora do Cerrado são ipê, cagaita, angico, jatobá, pequi e barbatimão.

Cerrado apresenta vegetação distribuída em formações savânicas, florestais e campestres. As espécies variam entre plantas arbóreas, herbáceas, arbustivas e cipós. Além das árvores de troncos tortuosos, existem também cactos e orquídeas nesse bioma brasileiro. A vegetação apresenta tonalidades de verde, amarelo e tons amarronzados, que são resultado da descoloração causada pela incidência solar na região.

Preservação do Cerrado

Apesar da riqueza biológica do Cerrado, diversas espécies de plantas e animais correm risco de extinção. Estima-se que 20% das espécies nativas e endêmicas já não ocorram em áreas protegidas e que pelo menos 137 espécies de animais típicas do Cerrado estão ameaçadas de extinção. Depois da Mata Atlântica, o Cerrado é o bioma brasileiro que mais sofreu alterações com a ocupação humana, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente.

A abertura de nova áreas para incrementar a produção de carne e grãos tem causado um progressivo esgotamento dos recursos naturais da região. Nas três últimas décadas, o Cerrado vem sendo degradado pela expansão da fronteira agrícola brasileira. Além disso, o bioma Cerrado sofre uma intensa exploração de seu material lenhoso para produção de carvão.

Vale ressaltar que o Cerrado é o bioma que possui a menor porcentagem de áreas sobre proteção integral. O bioma apresenta apenas 8,21% de seu território legalmente protegido por unidades de conservação; desse total, 2,85% são unidades de conservação de proteção integral e 5,36% de unidades de conservação de uso sustentável, incluindo uma Reserva Particular de Patrimônio Natural (0,07%). Por isso, é necessária a implantação de políticas públicas que busquem a preservação da grande biodiversidade da região.



Fonte: Equipe Ecycle



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais