Dicas Ecológicas

Choque Ambiental: dicas para você evitar o mofo dentro de casa

Compartilhe:     |  17 de outubro de 2020

Resultado de imagem para Choque Ambiental: dicas para você evitar o mofo dentro de casa

Renato Cunha e a arquiteta Juliana Rangel foram até a casa do Gelásio, que fica no meio de uma floresta do Rio de Janeiro. A família do Gelásio reclama do clima frio e úmido, que traz muito mofo para dentro de casa. Confira esse Choque Ambiental. Confira essas e outras dicas dadas neste episódio:

1 – DEZ DICAS PARA DIMINUIR A UMIDADE E PREVENIR O MOFO

Para que uma edificação seja sustentável, ela precisa também ser saudável. Passamos em média 92% do nosso tempo em ambientes fechados. Por isso, manter a qualidade do ar interior é fundamental para nossa saúde. O excesso de umidade em ambientes fechados facilita a proliferação de mofo e bactérias, e pode trazer problemas respiratórios e alergias. O ar muito úmido também aumenta a sensação de frio, quando as temperaturas estão baixas.

Como diminuir a umidade e prevenir o mofo:
1 – verifique se há alguma infiltração de água na casa e elimine imediatamente o problema;
2 – abra as janelas para permitir a ventilação natural e a renovação do ar;
3 – favoreça a entrada de iluminação natural. O sol é um grande aliado contra a umidade;
4 – coloque plantas nos ambientes que absorvem a umidade, como a samambaia, o lírio da paz e o clorofito;
5 – mantenha uma rotina de limpeza com vinagre nas paredes e nos armários para evitar o surgimento dos fungos;
6 – abra as portas e gavetas dos armários sempre que puder para ventilar o interior do móvel;
7 – afaste os móveis da parede. Caso não seja possível, a colocação de uma placa de isopor no fundo do móvel pode ajudar. Obs.: a dica do isopor também serve para uso em quadros;
8 – deixe as portas e as janelas dos banheiros abertas depois do banho quente para que todo o vapor saia do ambiente;
9 – coloque pedaços de giz e/ou carvão dentro dos armários. Quando estiverem úmidos, deixe-os secar ao sol ou troque por novos;
10 – coloque sal grosso em pequenos recipientes nos ambientes. Ele também funciona como desumidificador natural.

E se o mofo aparecer? Cinco dicas para limpar o mofo:

1 – para limpar o mofo dos armários, primeiro retire todas as roupas e passe um pano seco para tirar o pó. Logo, passe um pano embebido com vinagre branco e deixe secar por algumas horas (de preferência no sol);
2 – para limpar o mofo dos azulejos do box, faça uma pasta com bicabornato de sódio e água sanitária (proporção 3:1) e aplique com uma escova de dente velha nos rejuntes afetados pelo mofo. Deixe agir por 10 minutos, depois esfregue bem e retire com um pano. Se o mofo persistir, é hora de trocar o rejunte;
3 – para limpar o bolor (estágio inicial do mofo) de paredes e tetos, aplique com o borrifador uma mistura de 240ml de vinagre branco e 1 colher de sopa de bicarbonato de sódio e deixe agir por 10 minutos. Depois retire com um pano seco e limpo;
4 – para mofos mais antigos nas paredes e tetos: aplique com o borrifador uma mistura de água sanitária e água (na proporção 1:1). Deixe agir por meia-hora e retire com um pano limpo e seco;
5 – se a parede estiver com muito mofo e bolhas de umidade, o ideal é primeiro eliminar qualquer possibilidade de infiltração e remover todo o revestimento. Depois, lavar com água sanitária e água (na proporção 1:1). Enxaguar a parede com água limpa e, quando estiver totalmente seca, aplicar um novo revestimento.
Obs.: Sempre use luvas, óculos protetores e máscara durante a limpeza do mofo.

O indicado é usar uma pintura permeável, como a tinta de cal, que permite que as paredes “respirem”, absorvendo a umidade e minimizando a formação de manchas e bolhas e consequentemente, o surgimento de mofo. Além disso, a pintura de cal tem propriedades fungicida e bactericida.

2 – PASSO A PASSO DE COMO PREPARAR A CAL PARA PINTAR PAREDES, REDUZINDO OS EFEITOS DA UMIDADE:

A tinta de cal é uma técnica muito antiga para pintar as paredes, da época em que as casas não eram rebocadas e nem pintadas. Por isso, por questões de higiene e saúde, era quase obrigatório utilizar esse método a fim de evitar o aparecimento e alastramento de bactérias e outros micróbios. A técnica foi um pouco esquecida com a chegada das tintas industrializadas.

No entanto, com o tema da sustentabilidade cada vez mais em voga, vem sendo questionado o uso das tintas acrílicas, os efeitos que causam ao meio ambiente durante o processo de fabricação e podem fazer mal à saúde das pessoas durante sua aplicação e uso. Por isso, técnicas ecológicas, como a pintura com cal, estão sendo resgatadas.

Benefícios da tinta de cal:
– É econômica: os ingredientes da tinta são baratos e fáceis de encontrar.
– É ecológica: os ingredientes são naturais, livres de compostos orgânicos voláteis (COV), formaldeído, metais pesados e substâncias tóxicas presentes nas tintas industriais. Portanto, não agride o meio ambiente.
– É saudável: assim como não provoca danos ao meio ambiente, também não é prejudicial para o ser humano. Além de não conter substâncias tóxicas, tem propriedades fungicida e bactericida, pela sua natureza calcária. A cal permite que a parede respire, absorvendo a umidade e minimizando a formação de manchas e bolhas causadas por infiltrações e, consequentemente, o surgimento de bolor.

Ingredientes da preparação:
– 1 saco de cal para pintura (8 quilos);
– 16 litros de água (aproximadamente);
– 150 ml de óleo de linhaça;
– 1,5l de cola branca;
– 150g de sal refinado;
– pigmento (opcional).

Preparação:
1 – comece colocando todo o conteúdo do saco de cal em um recipiente com mais de 18l e adicione aos poucos 6 litros de água. Deixe “descansar” por um tempo;
2 – se for colorir, adicione o pigmento e o sal nesse recipiente e misture bem;
3 – em outro recipiente, faça uma mistura homogênea da cola branca com 6l de água (colocando a água aos poucos);
4 – junte as duas misturas no recipiente maior, adicione o óleo de linhaça e bata bem;
5 – adicione aos poucos o restante da água até chegar na consistência ideal (para a primeira demão, a mistura deve estar mais diluída; na segunda demão, para dar o acabamento final, deve estar mais consistente);
6 – aplique a primeira demão na parede com uma brocha. Também podem ser usados rolos de lã, de textura ou pincéis;
7 – depois de 24h, aplique a segunda demão.

Observações:
–  a parede onde for aplicar a pintura com cal deve estar limpa, firme, sem mofo e sem vazamentos. A tinta de cal não deve ser aplicada em paredes já pintadas com tinta acrílica. Nesse caso, é necessário remover toda a pintura;
– depois de pronta, a parede só pode ser lavada dez dias após a aplicação;
– bata constantemente a mistura para evitar a decantação das partículas sólidas;
– a pintura de cal pode ser utilizada em paredes externas e internas, de preferência sobre o reboco sem massa corrida, reboco de cal e terra ou sobre parede de terra.

3 – DETALHAMENTO TÉCNICO DAS TELHAS TRANSLÚCIDAS EM AMBIENTES EM GERAL:

Indicação:
As telhas translúcidas são indicadas para aumentar a entrada de luz natural nos ambientes, e consequentemente diminuir a conta de energia por usar menos a iluminação artificial. E elas podem ser usadas em qualquer ambiente, tanto em áreas externas quanto internas.
Obs.: As telhas translúcidas devem ser usadas com moderação em lugares quentes, pois como deixam a luz do sol entrar, também aquecem os ambientes.

Tipos de telhas translúcidas:
Existe diversos tipos de telhas translúcidas: policarbonato, polipropileno, vidro, fibra de vidro e até de pet reciclado (que é uma opção bem sustentável).
Obs.: É importante observar que no caso de substituição de telhas existentes, deve-se comprar as telhas translúcidas exatamente do mesmo modelo, para que elas encaixem perfeitamente.

Colocação:
As telhas translúcidas são de fácil colocação, precisando sempre de um profissional habilitado para trabalhar em telhados e equipamentos de segurança para evitar possíveis quedas.
Para estruturas novas, é necessário contratar um arquiteto, que irá fazer o projeto e orientar sobre as questões técnicas e de aprovações.

Preço:
A grande desvantagem dessas telhas de vidros é o preço. Elas são vendidas por unidade e são bem mais caras do que as telhas cerâmicas, que são vendidas por metro quadrado ou milheiro. Mas, em muitos casos, vale a relação custo-benefício.

Durabilidade e manutenção:
As telhas de vidro são bem duráveis e podem ser recicladas. A manutenção é feita apenas com uso de água e detergente, para que a sujeira não impeça a passagem da luz. A frequência de limpeza depende da região, podendo variar de 6 meses a 1 ano.

4 – INFORMAÇÕES SOBRE O SITE QUE CALCULA A IRRADIAÇÃO GLOBAL INCIDENTE PARA OS TELHADOS DAS EDIFICAÇÕES DO RIO DE JANEIRO:

O aplicativo Mapa Solar do Rio de Janeiro, lançado pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro, permite identificar o potencial de geração de energia solar nos telhados da capital fluminense. O serviço possibilita visualizar dados como a irradiação solar e a área de telhado disponível em cada edifício da cidade. Com o conhecimento do potencial do telhado, por exemplo, é possível calcular a economia na conta de energia com a instalação de um equipamento de energia solar em casa.

Como funciona:
– entrar no site www.mapasolar.rio;
– digitar o endereço da casa;
– o programa mostrará um mapa com uma estimativa da incidência solar no local, identificado através de cores. Desde a cor amarela, que indica um potencial solar considerável, até excelente, em vermelho, passando por dois tons de laranja que indicam que o potencial é bom ou muito bom.

Simulação do Mapa Solar da casa do Alto da Boa Vista:

Endereço: Estrada Vista Chinesa
Avaliação do potencial solar (inverno): Muito bom
Potencial médio de geração FV em um dia (inverno):  0,42KWh/m²
Área do telhado: 407,07m²
Simular um sistema FV no seu telhado: Simulador Solar
Implementar um sistema FV: Guia de Microgeradores Fotovoltaicos
Comprar um sistema PV: Empresas do Setor Fotovoltaico

Obs.: É importante lembrar que, desde 2013, qualquer brasileiro pode gerar energia solar em seus telhados e receber os créditos em sua conta de luz.



Fonte: Como Será?



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais