Notícias

Chuva de meteoritos pode ter criado as rochas mais antigas da Terra

Compartilhe:     |  16 de agosto de 2018

A origem das rochas mais antigas do mundo, formações cheias de sílica que ficam em um rio canadense chamado Acasta, sempre gerou curiosidade. Com 4 bilhões de anos, essas composições podem ter tido seus princípios descobertos só agora.

De acordo com um estudo publicado na revista Nature Geoscience, essas rochas provavelmente se organizaram a temperaturas muito altas e em uma profundidade rasa, nas camadas exteriores do planeta. O calor necessário para esse processo provavelmente teria sido gerado por um bombardeio de meteoritos cerca de meio bilhão de anos depois da formação da Terra, o que derreteu a ‘casca’ rica em ferro do globo e gerou as composições observadas atualmente. Assim, com o derretimento do estrato externo, compuseram-se as estruturas encontradas no Acasta.

 As estruturas rochosas perto do rio Acasta.

As estruturas rochosas perto do rio Acasta. (Annie Bauer/Arquivo pessoal)

Os cientistas acreditam que a temperatura necessária para que todo esse procedimento fosse possível seria de 900°C, o que indica a ocorrência de um evento drástico. A maior probabilidade, afirmam, seria a de uma alta incidência de meteoritos.

Embora existam minerais mais antigos do que essas formações, elas detêm o título de primeiras rochas do mundo. Os pesquisadores acreditam que, apesar de escassas hoje, essas estruturas fossem comuns antigamente. No entanto, com o passar de 4 bilhões de anos e todas as alterações geomorfológicas que eles trouxeram (como o advento de placas tectônicas), só essa pequena parcela encontrada no Canadá permaneceu. Desse modo, essas composições podem ser as únicas sobreviventes de um passado muito (muito!) distante da Terra.



Fonte: Veja - Sabrina Brito



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais