Notícias

Cientistas detectaram superbactéria em rio nas praias do Flamengo e Botafogo

Compartilhe:     |  17 de dezembro de 2014

A superbactéria KPC, resistente a antibióticos, encontrada nas águas da Praia do Flamengo, na Zona Sul do Rio, por pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), foi identificada também na Praia de Botafogo por estudo semelhante conduzido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea). A informação foi divulgada em entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (16).

Enquanto a Fiocruz pesquisou as águas do Rio Carioca, a UFRJ analisou as praias do Flamengo e de Botafogo, onde a KPC foi localizada, e de Copacabana, Barra da Tijuca, onde não foram encontradas amostras da bactéria. A amostra contaminada por KPC encontrada pela UFRJ na Praia do Flamengo foi colhida na altura da Rua Corrêa Dutra. Já na Praia de Botafogo, a amostra foi colhida na altura da Rua Marquês de Olinda.

A presidente do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Isaura Frega, informou que já pediu à Secretaria Municipal do Meio Ambiente um estudo sobre os hospitais que possam estar jogando esgoto in natura no Rio Carioca ou em outros rios. A KPC é originalmente uma bactéria encontrada apenas no ambiente hospitalar e seu aparecimento em outros ambientes da comunidade vem sendo estudada no mundo inteiro, segundo Isaura. O estudo do Inea com a UFRJ indicou a presença da KPC nas praias pela priemria vez em 2013. De lá até os dias de hoje sucessivas coletas e análises foram feitas para confirmar o resultado. Os dados ainda estão sendo condensados, e o comportamento da bactéria, estudados, informou Isaura.

A pesquisadora da UFRJ Renata Cristina Picão explica que, além do possível lançamento de esgoto hospitalar in natura no Rio Carioca, que contaminou as águas da Praia do Flamengo, é preciso investigar a possibilidade de a contaminação nas águas do mar, em praias fora do curso do Rio Carioca, ter ocorrido com o despejo de esgoto doméstico de pessoas que moram em locais sem tratamento e que possam ter sido contaminadas quando internadas em hospitais.

Isaura diz que, apesar de a bactéria ser resistente a antibióticos, só poderia colocar em risco a saúde de uma pessoa com o sistema imunológico debilitado. Segundo disse, não há registros de pessoas contaminadas com a bactéria fora do ambiente hospitalar que tenha dado entrada nos hospitais públicos do estado.

Praias impróprias devem ser evitadas
Mas ela faz um alerta: é preciso respeitar os alertas do Inea sobre a balneabilidade das praias. As praias consideradas impróprias para o banho devem ser evitadas porque há presença de bactérias e entre elas pode estar a KPC.

“Não se banhe se a praia estiver imprópria, independente da KPC. Não cabe alarmismo, basta obedecer à orientação Inea em relação às praias”, disse Isaura.

Ela ressaltou que as praias da Zona Sul e da Zona Oeste têm suas águas monitoradas para presença de coliformes fecais duas vezes por semana, mais do que o padrão nacional que é de monitoramento semanal.

“Dependendo do país, o monitoramento tem frequências mais esparsas como quinzenais ou mensais. O monitoramento duas vezes por semana no país acontece somente o Rio de Janeiro”, disse Leonardo Daemon, gerente de Qualidade de Águas do Inea.

Crianças tomam banho na Praia do Flamengo, onde foi detectada uma superbactéria (Foto: Paulo Campos/Estadão Conteúdo)
Crianças tomam banho na Praia do Flamengo, onde foi detectada uma superbactéria nesta segunda-feira (Foto: Paulo Campos/Estadão Conteúdo)


Fonte: G1 Rio



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais