Notícias

Cientistas encontram primeiro peixe de sangue quente vivendo em águas profundas

Compartilhe:     |  16 de maio de 2015

Em águas geladas e escuras, de 50 a 300 metros de profundidade, cientistas dos Estados Unidos revelaram o primeiro peixe de sangue quente. O estudo, que será publicado nesta sexta-feira (15) na revista Science, mostra que mamíferos e aves não são os únicos com capacidade de aquecer o sangue, mantendo-o em temperatura superior à do ambiente.

O Lampris guttatus – conhecido como peixe-lua, peixe-papagaio ou peixe-cravo – tem cerca de 1,5 metro e habita oceanos no mundo todo. O sangue quente, segundo os autores, permite que ele nade com mais agilidade, tenha reações mais rápidas e enxergue melhor. Tudo isso o torna um predador de alta performance, algo incomum em águas com temperatura em torno de 5°C.

“Achávamos que se tratava de um peixe com movimentos lentos, como a maior parte dos peixes de ambientes frios, que precisam conservar energia emboscando presas, em vez de caçá-las. Mas, como ele consegue aquecer o próprio corpo, torna-se um predador rápido e ágil”, disse o principal autor do estudo, Nick Wegner, da Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera dos Estados Unidos (NOAA).



Fonte: Estadão Conteúdo - Info



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais