Notícias

Cientistas encontraram vários insetos adultos mumificados por videiras parasitas

Compartilhe:     |  21 de agosto de 2018

Durante uma pesquisa sobre vespas da família Cynipidae, o professor Scott Egan, da Universidade Rice, no estado norte-americano do Texas, fez uma baita descoberta: o contato desses insetos com algumas videiras pode ter múmias como resultado.

Em estudo publicado no periódico Current Biology, ele conta que tudo começou ao longo de uma visita ao sul da Flórida, onde há videiras parasitas chamadas de Cassytha filiformis. A planta envolve os carvalhos, mas não se alimenta deles, e sim das galhas botadas por vespas.

As galhas são estruturas onde esses insetos terminam seu desenvolvimento e chegam à vida adulta. “Eu fui a lugares onde sabia que viviam ‘vespas-das-galhas’ e onde as videiras ficavam e procurava as galhas no topo das árvores. É o tipo de coisa que não dá para desver”, disse Egan em anúncio da pesquisa.

Para o especialista, que passou os últimos 17 anos estudando essas vespas, a descoberta foi uma revelação. “Nunca tinha visto algo do tipo. O fato é que, até onde sabemos, ninguém tinha documentado isso, o que é incrível porque biólogos já estudaram cada uma dessas criaturas — as vespas e as galhas — por mais de um século.”

Tipo de vespa-da-galha (Foto: Wikimedia/Judy Gallagher)

De volta ao laboratório, Egan contou com a ajuda de um grupo de estudantes da graduação para analisar as amostras de galhas. Uma delas era Linyi Zhang, que percebeu um formato estranho nas videiras. “Acho que as videiras estão conectadas às galhas”, disse ela. Egan não acreditou, mas acabou cortando a estrutura no meio: dentro dela havia uma vespa adulta mumificada.

Ao analisar o restante das amostras, os biólogos perceberam que, das 51 galhas encontradas, 23 tinham vespas adultas mumificadas e somente duas das 101 galhas que não foram atacadas por videiras tinham insetos mortos dentro delas.

“Os ataques estão associados com tamanhos diferentes de galhas. Encontramos videiras anexadas às galhas que eram um pouco maiores do que o normal. Isso significa que a videira está atacando galhas maiores ou as está induzindo a crescer para tirar mais energia delas”, afirmou Egan.

Segundo ele, existem mais de 1,3 mil espécies de vespas que formam galhas e mais de quatro mil espécies de plantas parasitas, o que indica que sua descoberta pode ser “só a ponta do iceberg”.



Fonte: Galileu



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais