Notícias

Cientistas estudam lágrimas de animais para tratamentos oftalmológicos

Compartilhe:     |  15 de agosto de 2020

Um estudo liderado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) aponta que as lágrimas de pássaros e répteis não são tão diferentes das nossas. Na verdade, elas podem até ajudar a desenvolver tratamentos oftalmológicos para humanos e animais, e ainda entender sobre a evolução das lágrimas em diferentes espécies.

Segundo o estudo, publicado nesta quinta-feira (13) no periódico Frontiers in Veterinary Science, as lágrimas têm papel crítico na manutenção de uma visão saudável em todas as espécies. Até agora, entretanto, poucos estudos sobre elas haviam sido realizados, sendo a maioria em mamíferos como cães, cavalos, macacos e camelos.

“Descobrir como as lágrimas são capazes de manter a homeostase ocular, mesmo em diferentes espécies e condições ambientais, é crucial para a compreensão dos processos de evolução e adaptação”, disse Arianne Oriá, líder do estudo, em declaração. “[Isso] é essencial para a descoberta de novas moléculas para drogas oftálmicas.”

Oriá e seus colegas trabalharam junto com veterinários de centros de conservação, de cuidado de animais silvestres e criadores comerciais, visando coletar amostras de lágrimas de animais saudáveis ​​em diversos contextos. O estudo foi limitado a espécimes mantidos em cativeiro e avaliou lágrimas de araras, gaviões, corujas e uma espécie de papagaio, além de jabutis, jacarés e tartarugas marinhas.

Coleta de lágrimas de um jacaré-de-papo-amarelo (Foto: Arianne P. Oriá)
Coleta de lágrimas de um jacaré-de-papo-amarelo (Foto: Arianne P. Oriá)

Observando a composição das lágrimas animais em comparação com as humanas, os autores descobriram que todas continham quantidades próximas de eletrólitos, como sódio e cloreto. Nesse quesito, as amostrar de coruja e tartaruga marinha foram as mais divergentes, pois apresentaram níveis levemente elevados de ureia e proteínas.

Os cientistas também examinaram os cristais que se formaram quando o fluido lacrimal seca para entender seu padrão. “As estruturas cristalinas se organizam de maneiras diferentes [entre as espécies] para garantir a saúde dos olhos e o equilíbrio com os diversos ambientes”, explica Oriá.

A pesquisadora ressalta que esse foi apenas mais um passo dentre vários outros necessários para uma compreensão mais ampla das lágrimas em diferentes espécies. Ainda assim, ela acredita que o estudo permitirá compreender melhor a evolução e até auxiliar no desenvolvimento de tratamentos para os olhos. “Esse conhecimento ajuda no entendimento da evolução e adaptação dessas espécies, bem como na sua conservação”, afirma.

Coleta de lágrimas de um gavião-carijó (Foto: Arianne P. Oriá)
Coleta de lágrimas de um gavião-carijó (Foto: Arianne P. Oriá)



Fonte: Revista Galileu



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais