Notícias

Cientistas explicam mitos sobre o plantio de árvores em grande escala

Compartilhe:     |  30 de janeiro de 2021

Os cientistas propuseram dez regras de ouro para o plantio de árvores, que eles dizem ser uma prioridade para todas as nações nesta década.

O plantio de árvores é uma solução brilhante para enfrentar a mudança climática e proteger a biodiversidade, mas a árvore errada no lugar errado pode fazer mais mal do que bem, dizem os especialistas do Royal Botanic Gardens, Kew.

As regras incluem primeiro proteger as florestas existentes e envolver os habitantes locais.

As florestas são essenciais para a vida na Terra.

Elas fornecem um lar para três quartos das plantas e animais do mundo, absorvem dióxido de carbono e fornecem alimentos, combustíveis e medicamentos.

Mas elas estão desaparecendo rapidamente; uma área do tamanho da Dinamarca de floresta tropical intocada é perdida a cada ano.

“Plantar as árvores certas no lugar certo deve ser uma prioridade para todas as nações, pois enfrentamos uma década crucial para garantir o futuro do nosso planeta”, disse o Dr. Paul Smith, pesquisador do estudo e secretário-geral da caridade conservacionista do Botanic Gardens Conservation International, em Kew.

Demora pelo menos um século para restaurar florestas danificadas. Fonte: RBGKEW.
Demora pelo menos um século para restaurar florestas danificadas. Fonte: RBGKEW.

Uma série de projetos ambiciosos de plantio de árvores estão em andamento em todo o mundo para substituir as florestas perdidas.

Boris Johnson disse que pretende plantar 30.000 hectares (300 km²) de novas florestas por ano em todo o Reino Unido até o final deste parlamento.

Um movimento liderado por africanos para plantar um muro de floresta de 5.000 milhas (8.048 km) para combater a crise climática está prestes a se tornar a maior estrutura viva da Terra, três vezes o tamanho da Grande Barreira de Corais.

No entanto, o plantio de árvores é altamente complexo, sem solução universal fácil.

“Se você plantar as árvores erradas no lugar errado, poderá estar fazendo mais mal do que bem”, disse a pesquisadora principal, Dra. Kate Hardwick, da RBG Kew.

Florestas antigas não danificadas são grandes sumidouros de carbono de longo prazo. Fonte: RBGKEW
Florestas antigas não danificadas são grandes sumidouros de carbono de longo prazo. Fonte: RBGKEW.

Com muita frequência, as florestas naturais repletas de plantas, animais e fungos são substituídas por plantações comerciais com fileiras e mais fileiras de árvores madeireiras, que serão colhidas após algumas décadas, disse ela à BBC News.

“O que estamos tentando fazer é incentivar as pessoas, sempre que possível, a tentar recriar florestas que sejam semelhantes às florestas naturais e que proporcionem múltiplos benefícios às pessoas, ao meio ambiente e à natureza, além de capturar carbono”.

A revisão da pesquisa, publicada na revista Global Change Biology, descobriu que, em alguns casos, o plantio planejado de árvores não aumenta a captura de carbono e pode ter efeitos negativos.

As 10 regras de ouro são:

Proteja primeiro as florestas existentes

Manter as florestas em seu estado original é sempre preferível; florestas antigas não danificadas absorvem melhor o carbono e são mais resistentes a incêndios, tempestades e secas. “Sempre que há uma escolha, enfatizamos que conter o desmatamento e proteger as florestas remanescentes deve ser uma prioridade”, disse o professor Alexandre Antonelli, diretor de ciência da RGB Kew.

Coloque a população local no centro dos projetos de plantio de árvores

Estudos mostram que envolver as comunidades locais é a chave para o sucesso dos projetos de plantio de árvores. Frequentemente, são as pessoas locais que têm mais a ganhar cuidando da floresta no futuro.

Maximize a recuperação da biodiversidade para atender a vários objetivos

reflorestamento deve envolver vários objetivos, incluindo proteção contra as mudanças climáticas, melhoria da conservação e fornecimento de benefícios econômicos e culturais.

Selecione a área certa para o reflorestamento

Plante árvores em áreas que eram historicamente florestadas, mas degradadas, em vez de usar outros habitats naturais, como campos ou pântanos.

Use a regeneração natural da floresta sempre que possível

Deixar as árvores crescerem naturalmente pode ser mais barato e mais eficiente do que plantar árvores.

Selecione as espécies de árvores certas que podem maximizar a biodiversidade

Onde o plantio de árvores é necessário, escolher as espécies certas é crucial. Os cientistas aconselham uma mistura de espécies arbóreas naturalmente encontradas na área local, incluindo algumas espécies raras e árvores de importância econômica, mas evitando árvores que possam se tornar invasoras.

Certifique-se de que as árvores são resistentes para se adaptar a um clima em mudança

Use sementes de árvores que sejam adequadas para o clima local e tenha em mente que isso pode mudar no futuro.

Planejar com antecedência

Planeje como obter sementes ou árvores, trabalhando com a população local.

Aprender fazendo

Combine o conhecimento científico com o conhecimento local. O ideal é que testes em pequena escala sejam realizados antes do plantio de um grande número de árvores.

Faça valer a pena

A sustentabilidade do replantio de árvores depende de uma fonte de renda para todas as partes interessadas, incluindo os mais pobres.

Tradução: Redação Ambientebrasil / Maria Beatriz Ayello Leite
Para ler a reportagem original em inglês acesse:
 https://www.bbc.com/news/science-environment-55795816



Fonte: Ambiente Brasil - BBC News / Helen Briggs



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Características da inteligência canina: curiosidades que você precisa saber (estudo)

Leia Mais