Notícias

Cogumelos reduzem risco de comprometimento cognitivo

Compartilhe:     |  25 de março de 2019

Pesquisadores da Universidade Nacional de Singapura descobriram a correlação surpreendente

Há muito se sabe que os vegetais têm um poder enorme na prevenção e tratamento de doenças como diabetes tipo 2, pressão alta, obesidade e problemas do coração.

Agora, os pesquisadores descobriram que os fungos também diminuem risco de doença, neste caso, declínio cognitivo.

Segundo eles, consumir duas porções (150g) de fungos comuns semanalmente reduziu as chances de ter comprometimento cognitivo leve (MCI) em 50%.

“MCI é tipicamente visto como o estágio entre o declínio cognitivo do envelhecimento normal e o declínio mais sério da demência”, explica a Universidade Nacional de Singapura.

Idosos afetados com MCI geralmente apresentam alguma forma de perda de memória ou esquecimento e também podem apresentar um déficit em outras funções cognitivas, como linguagem, atenção e habilidades visuoespaciais.

Os tipos de fungos usados para a pesquisa foram: cogumelos dourados, ostra, shiitake e botão branco, mas os pesquisadores não descartam que outras variedades tenham os mesmos benefícios.

“Esta correlação é surpreendente e encorajadora. Parece que um ingrediente único comumente disponível pode ter um efeito dramático no declínio cognitivo”, disse o principal autor do estudo e professor assistente da NUS, Feng Lei. As informações são do Plant Based News.

Os pesquisadores acreditam que a razão para a redução de MCI naqueles que consumiram cogumelos semanalmente pode ser devido a um composto chamado ergothioneine (ET) – um aminoácido natural encontrado em cogumelos.

“O ET é um antioxidante e anti-inflamatório único que os humanos não conseguem sintetizar sozinhos. Mas pode ser obtido a partir de fontes alimentares, sendo um dos principais, os cogumelos”, explicou o Dr. Irwin Cheah , pesquisador sênior da NUS Bioquímica.

Demência e a alimentação

Recentemente, o médico vegano Dr. Michael Greger afirmou que a dieta vegana talvez seja a chave para evitar demência.

Ele explicou que a alimentação à base de plantas pode ajudar a prevenir a doença de Alzheimer, a forma mais comum de demência que afeta milhões de pessoas em todo o mundo.

“Numerosos estudos mostraram que o Alzheimer é mais uma doença do estilo de vida do que a genética, e há um consenso emergente de que os mesmos alimentos que entopem nossas artérias também podem obstruir nosso cérebro” , explica ele.



Fonte: ANDA - Mariana Duque



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Veterinário dá dicas importantes de como cuidar de cães e gatos com a continuação do isolamento social

Leia Mais