Geografia Ambiental

Como a crise climática está afetando os maiores lagos do mundo

Compartilhe:     |  23 de janeiro de 2021

Dezesseis anos de dados de sensoriamento remoto revelam que nos maiores lagos de água doce da Terra, a crise climática influencia a fixação de carbono

© Fornecido por Go Outside

Os 11 maiores lagos do planeta retêm mais de 50% da água doce da superfície de que milhões de pessoas e muitos mais organismos vivos precisam para sobreviver. Entretanto, um novo estudo mostra como a capacidade de absorção de dióxido de carbono desses lagos mudou nas últimas duas décadas.

Uma combinação de observações de satélite e dados de campo forneceu uma nova compreensão de como a água fixa o carbono em grandes lagos e como crise climática influencia essas interações.

O estudo, publicado na revista Water, é o primeiro a usar a mesma abordagem para os 11 maiores lagos do mundo, incluindo os cinco Grandes Lagos Laurentianos que fazem fronteira com os EUA e Canadá; os lagos Great Bear e Great Slave no Canadá; os três Grandes Lagos africanos, Tanganica, Victoria e Malawi; e o Lago Baikal na Rússia.

Usando dados da NASA entre 2003 e 2018, os pesquisadores usaram a cor do lago das imagens de satélite para estimar a produtividade das algas.

“A base da cadeia alimentar nesses lagos é a produtividade das algas. Esses lagos têm tamanho oceânico e estão repletos de fitoplâncton – pequenas algas ”, disse o co-autor Gary Fahnenstiel, do Michigan Tech Research Institute, em um comunicado. “Medimos a taxa de fixação de carbono, que é a taxa na qual as algas fotossintetizam nesses lagos. Conforme essa taxa muda, seja aumentando ou diminuindo, significa que todo o lago está mudando, o que tem ramificações em toda a cadeia alimentar, do zooplâncton aos peixes”.

Embora a equipe tenha descoberto que a maior parte da produtividade dos lagos não mudou muito ao longo dos anos, em três lagos a mudança foi dramática. A equipe ficou surpresa com a rapidez com que as mudanças ocorreram. Os lagos Great Bear e Great Slave no norte do Canadá tiveram um grande aumento na produtividade. Por outro lado, o Lago Tanganica, no sudeste da África, teve um declínio significativo.

“Três dos maiores lagos do mundo estão apresentando grandes mudanças relacionadas à mudança climática, com uma mudança de 20-25% na produtividade biológica geral apenas nos últimos 16 anos”, disse Fahnenstiel.

Os pesquisadores dizem que as mudanças nesses três lagos estão ligadas ao aumento da temperatura da água, radiação solar e redução da velocidade do vento. “A temperatura e a radiação solar são fatores de mudança climática”, acrescentou o autor principal Michael Sayers.

Os fatores que influenciam a produtividade das algas são a abundância em um lago, a quantidade de luz solar que o lago recebe; a profundidade de penetração dessa luz; a temperatura da água e a velocidade do vento. Todos esses fatores são influenciados pelas mudanças climáticas.

Os resultados da pesquisa mostram como mudanças drásticas ocorreram nos lagos, especialmente nos últimos 20 anos. A pesquisa contribui para os Sistemas de Monitoramento de Carbono da NASA, cujo objetivo é determinar o quanto os corpos d’água contribuem para o ciclo global do carbono.

De acordo com as descobertas, três dos maiores lagos apresentaram mudanças importantes devido às mudanças climáticas, com uma produtividade biológica geral de 20-25% nos últimos 16 anos.

Sayers explica que olhar para a abundância de algas, produtividade, temperatura da água, clareza da água, radiação solar e velocidades do vento mostra como o ecossistema de lagos de água doce mudou ao longo do tempo.



Fonte: MSN -  Go Outside



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Frio: veterinários indicam cuidados com pets

Leia Mais