Notícias

Como os supermercados do futuro podem enfrentar o desperdício de alimentos

Compartilhe:     |  10 de setembro de 2019

Além de tornar as empresas de alimentos mais lucrativas, as novas tecnologias também podem ajudar a resolver a questão da escassez global de alimentos que se aproxima rapidamente.

Supermercados do futuro próximo terão seus modelos de negócios radicalmente remodelados por inovações na loja, online e na cadeia de suprimentos da indústria alimentícia. Essas tecnologias serão implantadas na batalha pelos clientes, mas, mais do que isso, também podem beneficiar o planeta. Isso será alcançado com a melhoria da sustentabilidade – uma palavra da moda comumente usada em excesso, mas que realmente pode significar algo nos supermercados e na cadeia de suprimentos. Produzir e vender alimentos se tornará mais ambientalmente responsável, porque sustentabilidade e lucratividade dependem do uso eficiente dos recursos.

A população global está prevista para aumentar de 7,6 bilhões para 10 bilhões de pessoas até 2050, e em muitos lugares a demanda de alimentos já está superando a oferta. Para ilustrar o rápido ritmo de mudança, a demanda agrícola hoje é 50% maior do que há cinco anos. Isso está colocando uma enorme pressão sobre os recursos agrícolas porque a terra disponível para o cultivo de alimentos é muito limitada. De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, apenas 20% a mais de terra pode ser utilizada em uso produtivo. Os recursos existentes devem ser usados ​​de forma mais eficaz para fornecer alimentos para todos e garantir o fornecimento de alimentos para as gerações futuras.

Além dessas pressões, há outro desafio que deve ser enfrentado, e isso é desperdício de alimentos. Quase um terço de toda a comida produzida mundialmente está sendo desperdiçada atualmente, chegando a 1,3 bilhão de toneladas de comida apodrecendo ou sendo jogadas fora todos os anos. É chocante saber que os resíduos representam cerca de 45% de todas as frutas e legumes e 20% de toda a carne. Isso é escandaloso. Apenas um quarto dessa comida desperdiçada poderia alimentar 795 milhões de pessoas com fome crônica em todo o mundo.

Isso também tem implicações comerciais. Segundo o Programa de Ação sobre Resíduos e Recursos (WRAP), a Ação para prevenir o desperdício de alimentos poderia poupar às empresas 341 milhões de euros por ano. E existem indicadores claros de onde a ação precisa ser tomada. Cerca de 54% de todos esses resíduos são perdidos nos processos de produção, muito resultantes de ineficiências nos países em desenvolvimento durante a colheita, manuseio pós-colheita e processamento. Os outros 46% são desperdiçados em processamento, distribuição e consumo, com enormes desperdícios liderados pelos consumidores nos países desenvolvidos.

Reconhecendo essas ineficiências, as Nações Unidas concordaram em 2015 em reduzir o desperdício de alimentos per capita pela metade até 2030. Isso estabeleceu um novo precedente ao incluir a perda de alimentos e a redução do desperdício de alimentos dentro das metas globais de desenvolvimento da ONU.

Analisando a mesma questão, um relatório do Parlamento Europeu – “Opções tecnológicas para alimentar 10 bilhões de pessoas” – afirmou que a automação de linhas de processamento de alimentos com a tecnologia certa pode melhorar a sustentabilidade de várias maneiras, como “otimizar a qualidade do produto”, “reduzir perdas de qualidade e defeitos ” e “diminuir o consumo de energia e água”. Isso afirma que há boas razões para os processadores reduzirem o desperdício e, ao fazê-lo, reduzem as ineficiências, diminuem as despesas gerais e aumentam os lucros.

Como fornecedora líder de soluções integradas de pós-colheita para a indústria global de produtos frescos, a TOMRA Food está ciente do desperdício de alimentos e trabalha em estreita colaboração com agricultores, processadores e varejistas para enfrentar o problema. A experiência da TOMRA em todo o mundo mostra que é preciso fazer mais para evitar que um “bom produto” seja removido desnecessariamente da linha de processamento devido à classificação ineficiente. A TOMRA está continuamente desenvolvendo soluções sustentáveis ​​com seus clientes e muitas outras empresas.

Um rápido ganho pode ser obtido otimizando as mais recentes soluções de classificação baseadas em sensores. O potencial aqui é considerável. Máquinas de classificação otimizadas são capazes de determinar, por exemplo, que 70% de uma safra de aparência ruim é realmente de boa qualidade. Isso faz uma enorme diferença: ao mesmo tempo em que atende a padrões de qualidade definidos com precisão, a maioria dos produtos podem ser vendidos e consumidos, alimentando as pessoas e obtendo lucro, em vez de consigná-los para o lixo. Vender frutas ou vegetais como produtos de qualidade inferior ou para um produto processado, diferente do pretendido, é muito melhor do que não vender.

O desperdício também pode ser reduzido por meio da classificação inversa. Fluxos de resíduos contendo apenas 1% a 2% de produto bom são frequentemente descartados, mas isso é desnecessário. Com a configuração ótica correta obtida pelo fabricante da máquina de classificação, junto com um bom entendimento dos possíveis propósitos dos “fluxos secundários”, as máquinas de classificação automatizadas podem recuperar esse resíduo. Isso está se tornando prática comum na indústria de nozes, fazendo um melhor uso dos recursos naturais de alimentos e, simultaneamente, agregando valor comercial e lucro.

Por essas intensas razões, a tecnologia de classificação desempenhará um papel cada vez mais importante no supermercado do futuro. E como as razões financeiras e éticas para reduzir o desperdício de comida são urgentes, esse futuro precisa começar agora mesmo!

Sobre a TOMRA Food

A TOMRA Food projeta e fabrica máquinas de classificação baseadas em sensores e soluções pós-colheita integradas para a indústria alimentícia, utilizando a mais avançada tecnologia de classificação, descascamento e análise do mundo. Mais de 8.000 unidades estão instaladas em produtores de alimentos, empacotadores e processadores ao redor do mundo, nos segmentos de frutas, nozes, vegetais, produtos de batata, grãos e sementes, frutas secas, carne e frutos do mar. A missão da empresa é permitir que seus clientes melhorem os retornos financeiros, obtenham eficiências operacionais e garantam o fornecimento seguro de alimentos por meio de tecnologias inteligentes. Para isso, a TOMRA Food opera centros de excelência, escritórios regionais e locais de fabricação nos Estados Unidos, Europa, América do Sul, Ásia, África e Australásia.

A TOMRA Food é membro do Grupo TOMRA, fundado em 1972, que começou com o projeto, fabricação e venda de máquinas de venda reversa (RVMs) para coleta automatizada de embalagens de bebidas usadas. Hoje, a TOMRA fornece soluções lideradas por tecnologias que permitem a economia circular com sistemas avançados de coleta e classificação que otimizam a recuperação de recursos e minimizam o desperdício nas indústrias de alimentos, reciclagem e mineração.

A TOMRA tem cerca de 100.000 instalações em mais de 80 mercados em todo o mundo, com uma receita total de aproximadamente 8.6 bilhões de NOK em 2018. O Grupo emprega em torno de 4.000 pessoas globalmente e é listado publicamente na Bolsa de Valores de Oslo (OSE: TOM). Para mais informações sobre a TOMRA, acesse www.tomra.com



Fonte: Envolverde



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Quetzal: uma ave bela e misteriosa

Leia Mais