Notícias

Como se ver livre de maria-fedida em casa e no jardim sem matá-la

Compartilhe:     |  5 de fevereiro de 2021

Sua casa, horta ou jardim está infestada de maria-fedida? Veja como se ver livre delas sem matá-las, afinal, todo ser vivo na Terra tem sua razão de existir.

Nezara viridula, conhecida pelo nome comum de maria-fedida, percevejo-da-soja ou fede-fede, é um percevejo da família dos pentatomídeos, de ampla ocorrência no Brasil.

São insetos conhecidos por esses nomes porque exalam um odor desagradável quando se sentem ameaçados, para marcar território e também para se comunicarem.

A maria-fedida tem coloração verde quando está em condições de temperaturas altas,  e marrom acinzentada se em temperaturas baixas, como no inverno por exemplo. As espécies de percevejos podem ser muitas e de variadas cores.

Nezara viridula não transmite doença nociva ao homem, mas prejudica frutos e leguminosas em cadeias de plantações, além de plantas em vasos e jardins.

Antes de ser uma praga, o meio ambiente

Porém, antes de tratar a maria-fedida como uma praga, é necessário ressaltar a importância dos insetos para o meio ambiente, local em que todos têm papel primordial para o equilíbrio ecológico.

Na verdade, os insetos são responsáveis diretos ou indiretos em inúmeros processos de grande relevância ambiental, como a polinização e o controle biológico. Mas uma proliferação acentuada de algumas espécies de insetos, inclusive em decorrência de atividades humanas, de forma por vezes desequilibrada, afetam grandes cadeias de plantações, podendo mesmo atingir os quintais das casas.

Maria-fedida: características

A maria-fedida é um percevejo de sucesso porque possui características como polifagia acentuada, rusticidade, consegue sobreviver em condições desfavoráveis, com longevidade acentuada e alta capacidade de mobilidade e dispersão.

Essas características fazem dela muito adaptáveis e com potencial para invadir e colonizar novos habitats.

A maria-fedida pode usar a planta como hospedeira, quando o inseto se alimenta (ingere nutrientes e água), oviposita e as ninfas se desenvolvem completando o ciclo.

Ou podem usar a planta como abrigo, chamada planta associada, quando o inseto se alimenta (ingere algum nutriente ou apenas água) e podem servir de substrato para oviposição, mas as ninfas não completam o ciclo, apenas servem de abrigo.

Segundo Antonio Panizzi, pesquisador da Embrapa, os percevejos podem se alimentar com secreção de bainha estiletar (pentatomidae), tipo laceramento/descarga, com movimentos bruscos para frente e para trás dos estiletes (mandíbulas), inserindo seus estiletes na planta, sugando os nutrientes e causando danos no tecido vegetal.

Por que fede?

A maria-fedida possui glândulas no tórax ou no abdômen que produzem um líquido com odor fétido, que são os seus feromônios.

Na natureza, os percevejos se comunicam através de feromônios, principalmente cheiros, para se acasalar, demarcar território, avisar sobre a presença de predadores.

Estas substâncias químicas acumulam-se em um pequeno reservatório ligado às glândulas e são liberadas apenas quando necessário. Tanto os adultos, quanto as ninfas mais desenvolvidas possuem este mecanismo.

A maria-fedida é venenosa ou perigosa?

Considerando que a maria-fedida pode soltar um líquido fétido também utilizado em sua defesa, pode surgir a dúvida se o inseto seria venenoso ou perigoso.

Esse líquido, entrando em contato com outros seres, principalmente seres humanos, é capaz de provocar danos severos?

Não há relatos na literatura médica ou científica de nenhum evento perigoso, com risco grave, em decorrência de contato de seres humanos com maria-fedida.

Porém, não se pode descartar um risco de alergia a insetos, e há relatos na internet de pessoas que teriam tido uma sensação de “queimação” na pele, ao manter contato com esse tipo de percevejo.

Mas no geral, não temos com o que nos preocupar, a maria-fedida é menos nociva que um pernilongo, por exemplo, sugador de sangue humano e que pode transmitir até vírus no caso do mosquito da dengue.

No entanto, isso não descarta a possibilidade da maria-fedida transmitir doenças, mesmo que não intencionalmente ou de provocar uma reação alérgica em peles mais sensíveis.

Maria-fedida nas plantas dos jardins e dentro de casa

A maria-fedida pode incomodar pelo odor desagradável que pode deixar dentro de casa, nas roupas ou na cozinha. Porém, são nas plantas que o estrago, por vezes, é irremediável.

Isso porque, quando se alimentam, os percevejos injetam toxinas nos grãos, sementes e folhas, nos orifícios deixados pelo aparelho bucal dos insetos, causando depreciação do produto e determinando uma redução em sua produtividade.

São verdadeiros predadores e sugadores da seiva das plantas.

São mais prevalentes durante os períodos de outubro a dezembro e de março e abril.

Os percevejos podem ser encontrados na face inferior das folhas, onde formam grandes colônias sugando continuamente a seiva vegetal, provocando amarelecimento, seca e definhamento das folhas, podendo causar até a morte das plantas.

Uma outra forma de os insetos se alimentarem são por meio da sucção de seiva e inoculação de substâncias tóxicas da saliva, pela transmissão de fitovírus, que podem levar à morte da planta hospedeira, se o ataque for intenso.

Os frutos e folhas podem ficar manchados, deformados e até caírem. Frequentemente expelem um líquido açucarado que propicia o aparecimento da fumagina, um fungo preto que, dependendo de sua quantidade, pode prejudicar a fotossíntese, a respiração e a transpiração da planta.

Por isso, para expulsar as marias-fedidas do seu quintal e plantas, separamos algumas dicas através de formas ecológicas e com menor impacto possível ao meio ambiente.

Remédios caseiros para se livrar de maria-fedida

Água com óleo e detergente

Uma maneira eficiente, ecológica e natural de tentar espantar esses insetos do seu quintal e das plantas, é através dessa mistura de água, óleo e detergente.

Bata misturar em 1 litro de água, 1 colher de óleo e 1 colher de detergente líquido neutro.

Deixe descansar por 24 horas e borrife nas plantas no final do dia, durante 3 a 4 dias seguidos.

Água com casca de cebola

Outra forma natural de tentar expulsar esses insetos, sem afetar a qualidade das plantas é essa mistura simples de água com casca de cebola.

Misture cerca de 500g de casca de cebola com 500 ml de água e leve para ferver.

Depois de levantar fervura, desligue, coe e utilize o líquido para borrifar nas plantas.

Assista ao vídeo:

Água com alho

Misture duas xícaras (500 ml) de água com quatro colheres de chá (20 ml) de alho em pó em um borrifador.

Espirre essa solução nas folhas das plantas e outras áreas com presença frequente do inseto, que não gosta do cheiro pungente do alho e normalmente se afasta.

Essa mistura ajudará a espantar os insetos.

Água com óleo de hortelã

Misture duas xícaras (500 ml) de água com dez gotas de óleo de hortelã em um borrifador. No lugar de óleo, também pode-se usar duas colheres de chá (10 ml) de folhas de hortelã moídas.

Em casa, espirre a solução ao redor das entradas e esconderijos. Assim como o alho, a hortelã funciona apenas como repelente, não como veneno.

O cheiro forte é eficaz para manter os insetos longe.

Erva-gateira

Espalhe erva-gateira (Catnip planta) ao redor do jardim e de sua casa, concentrando-se nas áreas que costumam ser infestadas pelo inseto. Esta erva é um outro repelente natural que espanta o inseto sem matá-lo.

Água com pimenta

Mais um dos remédios caseiros fáceis de fazer e que pode lhe ajudar a se livrar da maria-fedida é a água com pimenta. Mas cuidado, porque essa mistura pode causar dano, e não só espantar o bicho.

A pimenta dedo-de-moça pode ser uma opção de uso nesse caso. Mas, pode-se usar qualquer outro tipo de pimenta forte e bem ardida.

Corte 100g de pimenta em pedaços bem pequenos, junto com as sementes, (cuidado ao manusear as pimentas, elas podem “queimar” suas mãos, trazer ardência e vermelhidão) e misture com 500ml de água.

Coloque em um borrifador a mistura e deixe descansar por 24 horas. Depois borrife perto do  inseto para afastá-lo, e não diretamente nas plantas.

Pó de diatomita

Diatomita é uma rocha sedimentar que possui sílica, óxido de alumínio e óxido de ferro na sua composição, elementos que, juntos, podem ajudar a eliminar a maria-fedida de sua casa.

O pó de diatomita é usado como um inseticida natural para uma grande quantidade de insetos. Isso porque, ao passarem pelo pozinho eles perdem a camada protetora que possuem e podem morrer.

O ideal é procurar por um pó de diatomita sem tratamento por calor. Uma vez que ele passa por esse tratamento acaba perdendo a eficácia contra insetos.

Mas use esse remédio somente em caso de infestação séria. Lembre-se os insetos também sentem e têm sua importância.

Fumo de corda

O princípio ativo vem da nicotina contida no fumo que espanta inseto.

Se o produto for manipulado corretamente, não oferece riscos à saúde humana e as plantas mantêm suas características intactas após exposição.

Normalmente em 24 horas este remédio perde a eficácia, por isso a necessidade de reaplicar o produto.

O fumo pode ser encontrado na forma de pó ou a solução pronta em spray em lojas agropecuárias.

Mas você pode fazer em casa.

Método 1 – É só deixar um pouco de fumo de corda (aproximadamente 200g, em 1 litro de água), esperar 24 horas e depois, peneire, dilua em mais um litro de água e borrife diariamente essa solução sobre as plantas e o solo.

Método 2 – Ingredientes:

100g de fumo em corda (em pedaços)
1 litro de álcool e
100g de sabão.

Preparo: misture todos os ingredientes e deixe curtir por 2 dias.

Aplicação: para pulverizar plantas utilize 1 copo do produto em 15 litros de água.

Grandes lavouras e inseticidas

O percevejo é conhecido por atacar grãos, aqui no Brasil, principalmente a soja.

O uso de inseticidas e pesticidas ajudam a combater a praga, mas também podem provocar desastres ambientais, não só pelo uso de veneno, mas também porque podem fortalecer a resistência dos insetos e provocar a proliferação desenfreada da espécie.

Isso porque, os inseticidas também causam a morte de outros insetos e parasitas, inclusive os predadores dos percevejos, que por suas vezes, em maior número e sem predadores naturais, podem aumentar muito o número de sua população.

Pensando nisso, já há alguns anos, muitos agricultores costumam misturar, na proporção de 50%, uma solução de sal de cozinha (cloreto de sódio) ao inseticida, na tentativa de diminuir o uso do veneno nas lavouras.

Em 2014, a Embrapa – Empresa Brasileira De Pesquisa Agropecuária, desenvolveu pastilhas, que já estão prontas para comercialização, que simulam o comportamento dos insetos nas lavouras.

Através do setor de Recursos Genéticos e Biotecnologia, a Embrapa apresentou um produto para controle biológico de percevejos-praga da soja, que foi desenvolvido com base em estudos de comunicação entre os insetos.

Os pesquisadores, observando o comportamento desses insetos na natureza, conseguiram isolar os feromônios da maria-fedida em laboratório e inseri-los em pastilhas para serem usadas nas lavouras de soja.

As pastilhas que simulam a liberação dos feromônios, são colocadas em armadilhas (que podem ser garrafas pet) nas culturas de soja, onde podem ficar por até 30 dias consecutivos.

O objetivo é confundir os insetos e interromper a sua reprodução. Dessa forma, os produtores podem monitorar e controlar as populações de percevejos, reduzindo o uso de inseticidas químicos.

Nesse vídeo, os pesquisadores falam sobre a pesquisa:



Fonte: GreenMe - Juliane Isler



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Alimentação natural para cães: dicas e cuidados

Leia Mais