Notícias

Comunidades nigerianas recuperam ecossistemas de manguezais

Compartilhe:     |  17 de janeiro de 2020

A necessidade de restaurar os manguezais inspirou comunidades nigerianas a se envolver em um projeto REDD+ para plantar mais de 10 mil mudas. REDD+ é um incentivo desenvolvido no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) para recompensar financeiramente países em desenvolvimento pela redução das emissões de gases de efeito estufa provenientes do desmatamento e da degradação florestal.

Os ecossistemas dos manguezais apoiam o planeta e as pessoas de forma única. Muitos nigerianos que vivem perto do rio em Cross River State sabem disso. “Os manguezais fornecem a melhor lenha, como sabem as pessoas que assam peixes”, diz Idem Williamson, um morador da comunidade Esierebom, em Cross River State. “Mas por conta da demanda por lenha, os manguezais desapareceram. Sem os manguezais, a água inunda as nossas casas.”

A necessidade de restaurar os manguezais inspirou Williamson a se envolver em um projeto REDD+ que reuniu toda a comunidade para plantar mais de 10 mil mudas. REDD+ é um incentivo desenvolvido no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) para recompensar financeiramente países em desenvolvimento pela redução das emissões de gases de efeito estufa provenientes do desmatamento e da degradação florestal.

“O efeito positivo é que o manguezal controla o nível de água que sai dos rios e nos permite usar os riachos para pescar. E podemos escolher os galhos indesejados dos manguezais em áreas específicas para lenha.”

Pressão sob os manguezais da Nigéria

Diz-se que a Nigéria possui o maior ecossistema de manguezais da África, e alguns consideram o manguezal do estuário de Cross River um dos mais importantes do país. No entanto, as comunidades pesqueiras do litoral colhem madeira de mangue para uso doméstico, principalmente para cozinhar e defumar peixe. Isso pressionou severamente as florestas de mangue, levando ao seu desmatamento constante.

A madeira das florestas de mangue também é usada como material de construção, em andaimes, estacas de pesca e muito mais. A crescente demanda por madeira de mangue e a invasão e disseminação da palmeira de mangue, uma planta invasora, expuseram os manguezais do país a uma degradação grave.

Restauração e replantação em Cross River State

Desde 2010, o Programa UN-REDD fornece um apoio valioso aos esforços ambiciosos da Nigéria para a conservação de florestas, mitigação das mudanças climáticas e para o desenvolvimento comunitário.

Cross River State, lar de 50% das florestas tropicais da Nigéria, é sede de um programa comunitário de REDD+ que promove atividades para redução da pobreza, melhoria de variedades e rendimentos de culturas, capacitação de gênero, biodiversidade, discussões sobre e mitigação das mudanças climáticas.

O programa apoiou um total de 18 projetos comunitários, com a participação de 540 famílias — ou 2.000 pessoas.

“Os objetivos do programa REDD+ com base na comunidade são gerenciar florestas de forma sustentável, incentivar as comunidades a se afastar dos costumes atuais de negócios e melhorar o bem-estar das pessoas e do meio ambiente”, diz Moses Ama, Coordenador Nacional de REDD+.

“O único desafio é o ritmo lento de obtenção de fundos e investimentos necessários para lidar com a pobreza nas comunidades florestais.”

Uma parceria entre o Programa UN-REDD e o Programa de Pequenos Financiamentos do Fundo Global para o Meio Ambiente forneceu 800 mil dólares a diferentes iniciativas comunitárias no estado de Cross River.

Os moradores foram treinados para melhorar a agricultura de mandioca, afang e cocoyam, montar moinhos de processamento de mandioca e colher produtos florestais não madeireiros, como manga, para reduzir a perda de florestas por meio de práticas agrícolas aprimoradas. Mais de 15 viveiros foram estabelecidos e mais de 10 mil mudas foram plantadas para recuperar florestas degradadas.

Os moradores também foram treinados para proteger os manguezais, como é o caso de Esierebom.

“As atividades de REDD+ foram muito bem-sucedidas em conscientizar sobre os efeitos da perda dos manguezais”, diz Tony Atah, especialista em engajamento de partes interessadas do Programa UN-REDD na área.

“A comunidade de Esierebom, em Cross River State, tem muitas famílias pescando e usando manguezais como sua principal fonte de energia. Os pescadores estavam perdendo renda porque menos manguezais significa menos peixe. Foi triste ver algumas pessoas vendendo 6 quilos de madeira de mangue por apenas 75 centavos, causando danos significativos ao ecossistema.”

Por meio do Programa UN-REDD, moradores como Comfort Akabum aprenderam a cortar a palmeira invasora e a plantar novas mudas de mangue. Ela é uma das aldeãs que trabalha diariamente para cortar a palmeira de mangue e replantar mudas de mangue. “Trabalho para garantir que o mangue cresça bem”, diz Akabum. “Temos replantado manguezais nos últimos cinco anos e o volume de água inundando o rio diminuiu.”

Como parte do projeto comunitário de restauração de REDD+, a comunidade plantou mais de 10 mil mudas de mangue e desenvolveu um plano de manejo comunitário. “Isso permite o corte de madeira de mangue apenas em áreas controladas, plantando mudas e replantando. Os manguezais são muito importantes porque o ecossistema dos manguezais absorve mais carbono do que uma floresta tropical”, diz Atah.

“Esperamos que o Cross River State se torne um modelo de excelência com sua restauração de manguezais e outros projetos comunitários de REDD+, e que seja replicado em outro lugar. Atualmente, outros cinco estados estão prestes a iniciar projetos semelhantes”, diz Moses Ama, coordenador nacional do REDD+.



Fonte: ONUBr



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Medicamentos e remédios caseiros: o que fazer e o que não fazer?

Leia Mais