Notícias

Conheça 18 alimentos que combatem sintomas de doenças comuns

Compartilhe:     |  28 de fevereiro de 2015

Você sabia que adormecer mais rápido, prevenir TPM e aliviar as dores da artrite podem ser tão simples quanto estocar os alimentos certos na sua despensa?

A nutricionista Joy Bauer, também apresentadora da seção fitness e bem-estar do programa de variedades The Today Show, do Canal NBC dos Estados Unidos, cita exemplos: Sarah, 47 anos, 22 quilos acima do peso, colesterol alto, pressão alta e diabetes; Eleonor, dores de cabeça crônicas que a afetavam há anos. Você pode substituir pelo nome que quiser, casos como esses são tão comuns no exterior quanto são aqui.

A boa notícia é que esses casos serviram de inspiração para Joy escrever um livro intitulado Joy Bauer’s Food Cures, algo como Curas alimentares da Joy (em tradução livre), na qual ela conclui a história de Sarah e Eleonor. Depois de três meses de dieta específica, o colesterol de Sarah teve uma redução significativa e ela perdeu 13 quilos! E, de quebra, ainda abandonou os remédios para diabetes e pressão alta. Já Eleonor começou a comer de uma a duas xícaras de espinafre por dia, além de cortar queijos e vinhos de sua dieta, e em duas semanas teve uma melhora excepcional.

A outra boa notícia é que ela disponibilizou na internet 18 dicas encontradas no livro! Vamos a elas?

Para artrite

Gengibre

Essa especiaria, que na verdade é uma raiz, possui componentes parecidos com os de medicamentos anti-inflamatórios. O efeito colateral, porém, é que ele “afina” o sangue e, por isso, se você estiver tomando remédios que já causem esse efeito, converse com seu médico para ver se é seguro consumir gengibre. O ideal é um punhado ao dia, seja em chás, rodelas fritas ou no liquidificador para fazer smoothies.

Abóbora

Pesquisas demonstram que certos antioxidantes podem ajudar a prevenir artrite, retardar o seu progresso e aliviar a dor ao reduzir as inflamações da doença. A coloração alaranjada forte indica a presença de beta-caroteno e beta-criptoxantina, fortes antioxidantes. Nos resultados das pesquisas do Reino Unido, pessoas com dietas ricas nesses componentes reduziam em 50% as chances de desenvolverem um tipo de artrite inflamatória. Purê de abóbora orgânica é uma delícia – doce ou salgado. A ingestão recomendada é o equivalente a uma lata por semana. Misture com iogurte de baunilha e adicione uma pitada de canela, ou então jogue molho de frango e sirva junto – se você é vegetariano, com proteína de soja e pimentão fica ótimo. Além disso, já mostramos que as sementes de abóbora também são ótimas para a sua saúde (veja mais aqui).

Pimentão vermelho

Já incluído na receitinha acima, ele contém uma quantidade impressionante de carotenoides que combatem inflamações: possui mais de 250% da dose de vitamina C diária. E carência de vitamina C é um dos fatores de surgimento da artrite. Se você comer três pimentões vermelhos por semana, estará completamente protegido: uma saladinha com pimentão, grão-de-bico e queijo branco ou ricota dão um lanchinho bem nutritivo.

Para diabetes tipo 2

Feijão

Rajado, fradinho, branco, preto, carioca… A combinação de carboidratos de alta qualidade, proteínas e fibras dos feijões estabilizam os níveis de glicose no sangue e ainda dão um tapa na sua fome. Não é à toa que somos o país do arroz com feijão. A cultura anda mudando, e o consumo de massas, batatas e arroz tem aumentado, mas continue patriota: feijões e outras leguminosas da mesma família são tudo de bom. Está cansado desse prato rotineiro? Você pode assar uma porção de grão-de-bico: após cozidos, seque-os ao sol ou com um pano, polvilhe páprica, cominho e outros temperos e coloque no forno a 200° de 20 a 25 minutos ou até ficarem dourados e crocantes.

Clara de ovo

Com apenas 17 calorias por ovo, ricas em proteínas nobres, livres de colesterol (que fica na gema), claras de ovo são o elemento chave no prato dos diabéticos. Três ou quatro omeletes magras por semana são o ideal: 1 ovo inteiro e 3 claras, vegetais e um queijo light ajudarão a manter o nível de glicose estável.

Castanhas

Amendoim, nozes, pistache, noz pecã e castanha-de-caju contêm gorduras boas para o coração e proteínas: dois componentes bons para estabilizar a glicemia porque diminuem o ritmo de absorção de carboidratos pelo organismo. Gorduras monoinsaturadas e ômega 3 também podem estar presentes em certas castanhas, que melhoram os níveis de colesterol e triglicérides, o que é uma boa notícia, já que diabéticos do tipo 2 são propensos a terem doenças cardíacas. Beliscar uma porção por dia já é o suficiente.

Para TPM (não é doença, mas os sintomas são terríveis)

Queijo

Estudos apontam que mulheres que sofrem de TPM apresentam níveis menores de cálcio durante esse período. Aumentar a dose de laticínios pode melhorar as mudanças de humor e cólicas. A dose de cálcio diária para mulheres abaixo dos 50 anos é de 1 mg, depois dessa idade aumenta para 1,2 mg. São recomendadas três porções diárias de alimentos ricos em cálcio, quatro para as senhoras. Caso não seja possível, converse com seu médico sobre tomar suplementos de cálcio.

Abacaxi

Abacaxi é rico em manganês, e a falta desse elemento piora os humores, cólicas e sensibilidade mamária do período. Ele também é uma fruta feita basicamente de água, como frutas cítricas, melão, pepino, e todas as frutas do tipo que ajudam a eliminar o acúmulo de líquidos. Também é doce quando maduro, então os desejos dão um descanso. Dez ou sete dias antes da menstruação chegar, coma o equivalente a uma xícara por dia – caso não seja a época da fruta, pode comprar em polpa congelada ou em calda (se a calda for do suco natural melhor ainda).

Amêndoas

Ricas em magnésio, outro mineral importante que, além de aliviar as dores de cabeça, pode melhorar o humor e diminuir a retenção de líquidos durante o período da TPM. Uma porção de 30 g ao dia (umas 20 amêndoas) é o suficiente, mas, caso você não goste, existem outros alimentos ricos em magnésio, como quinoa, abóbora, semente de girassol, folhas escuras e feijões verdes.

Para osteoporose

Brócolis

Todos os quatro nutrientes constituintes dos ossos vêm nesse pacote verdinho: vitaminas C e K, potássio e cálcio. Principalmente essas vitaminas são responsáveis por uma boa densidade aos ossos. Já o potássio serve de barreira contra ácidos metabólicos, o qual estudos sugerem que contribui para a desintegração do tecido ósseo. Pelo menos três vezes por semana, sirva-o nas refeições, você pode polvilhar queijo ralado por cima (o que aumenta o cálcio) ou refogar com alho.

Leite desnatado

Leite é uma escolha óbvia para fortalecer os ossos, já que um copo contém 300 mg de cálcio, o equivalente a um terço da dose diária recomendada. No mingau de aveia, no smoothie com frutas, no chocolate quente… Se você é intolerante ou vegano, leite de soja ou de amêndoas são boas opções, contanto que a embalagem diga que são fortificados com cálcio.

Iogurte

O iogurte, além de gostoso, é ótima fonte de cálcio e de proteína, que também influencia na densidade dos ossos. O iogurte grego tem duas vezes mais proteína que o comum, existindo em versões sem gordura.

Para doenças do coração

Aveia

Com muitas fibras solúveis, a aveia se “agarra” às gorduras do sangue, ajudando a eliminá-las do seu sistema. Pessoas que comem de duas a três porções de grãos integrais por dia diminuem em 21% os riscos de episódios cardiovasculares, como ataques do coração ou derrames. Aveia no lanche ou no café da manhã três vezes por semana está de bom tamanho; receitas com frutas, damascos, nozes, até geleia ou chocolate ficam uma delícia.

Batata doce

Possui mais fibras amigas do coração do que a sua prima amarelinha, além de também conter uma quantia gordinha de potássio – o mineral que neutraliza os efeitos do sódio na pressão sanguínea. Procure ingerir pelo menos duas dessas raízes por semana, pode-se fazer um purê delicioso com um pouco de margarina e leite.

Salmão

É uma das fontes mais concentradas de gorduras de ômega 3, que diminuem os triglicérides, aumentam o nível do HDL (o colesterol “bom”) e diminuem inflamações no corpo que vêm sendo ligadas ao risco de diabetes e doenças cardíacas. E mais, vários estudos relacionaram o consumo de ômega 3 com a diminuição de doenças do coração, como a morte súbita por arritmia (batidas irregulares do coração). O ideal é comer salmão ao menos duas vezes por semana, de preferência orgânico, com menores taxas de contaminação, mas o tipo pescado também é bom e mais fácil de encontrar.

Para enxaqueca

Quinoa

A falta de magnésio no corpo está diretamente ligada a dores de cabeça, e uma xícara de quinoa integral, rica em proteínas, fornece 30% da dose recomendada de magnésio. É especialmente boa para prevenir dores de cabeça ligadas à menstruação. Você pode consumir em arroz integral, pães ou polvilhando sobre a salada.

Linhaça

O ômega 3, presente em grandes quantidades na linhaça, reduz inflamações, e portanto diminui a frequência, duração e força das enxaquecas crônicas. Uma colher ao dia no iogurte, mingau, cereais ou no seu smoothie é o suficiente. Pode ser adicionada na mistura de massas, ao fazer almôndegas de carne ou soja.

Espinafre

Contém uma boa quantia de magnésio e riboflavina, um tipo de vitamina B que diminui a frequência e dor das enxaquecas. Consuma três vezes por semana, e também outros alimentos como bifes, cereais integrais, cogumelos e aspargos. Procure ainda conversar com seu médico a respeito de tomar suplementos de riboflavina.

Agora que você já sabe quais alimentos comer a partir dos diversos problemas de saúde, dê preferência aos alimentos orgânicos e produzidos localmente, assim você evita os agrotóxicos e emissões desnecessárias.



Fonte: Equipe eCycle



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais