Notícias

Conheça a importância dos organismos que vivem no fundo do mar para os ecossistemas

Compartilhe:     |  9 de fevereiro de 2021

Organismos bentônicos são aqueles que vivem no fundo do mar

Bentônicos é o nome dado aos organismos que vivem em associação com o fundo de ambientes aquáticos, podendo ser sésseis (fixados ao fundo) ou errantes (deslocam-se sobre o fundo). Os bentos sésseis são representados por algas macroscópicas e animais como celenterados e vermes. Os bentos errantes, por sua vez, são constituídos por crustáceos, equinodermos e moluscos. Geralmente, os animais bentônicos alimentam-se de cadáveres e detritos orgânicos, embora existam representantes carnívoros que caçam ativamente suas presas.

As espécies bentônicas variam muito de uma área para outra, sendo influenciadas por uma série de fatores ambientais, como a natureza do fundo do mar. Em substratos não consolidados, como aqueles formados por areia, é possível observar uma maior presença de organismos escavadores, enquanto que em substratos rochosos, organismos fixados. Dentre as principais comunidades bentônicas, pode-se citar costões rochosos, estuários, mangues, recifes de corais e oceano profundo.

Ecossistemas marinhos

Os mares e oceanos cobrem mais de 75% da superfície terrestre, com profundidades que variam de alguns metros nas regiões litorâneas, a mais 11 quilômetros nas zonas mais profundas. Um dos aspectos mais importantes dos ecossistemas marinhos é sua grande estabilidade e homogeneidade no que se refere à composição química e temperatura. A salinidade dos mares é cerca de 3,5 g/L de sais, com predominância de cloreto de sódio (NaCl).

Os ecossistemas marinhos podem se distinguir em dois grandes domínios marinhos: um relativo ao fundo, o domínio bentônico, e outro relativo às massas d’água, o domínio pelágico. A luz consegue penetrar no mar até a profundidade máxima de 200 metros, estabelecendo o que se denomina de zona fótica. Na metade superior dessa zona iluminada vive o fitoplâncton marinho, formado por algas e bactérias fotossintetizantes que produzem praticamente todo alimento necessário à manutenção da vida nos mares. Essa zona também é rica em plâncton não fotossintetizante e em grandes cardumes de peixes.

A região que se estende dos 200 metros aos 2 mil metros de profundidade é a região batial. Suas águas são frias e pobres em fauna. Os peixes, moluscos e alguns outros animais que vivem nessa zona são sustentados por matéria orgânica proveniente da superfície. Mais abaixo encontra-se a região abissal, que se estende dos 2 mil metros aos 6 mil metros de profundidade. Nela encontram-se poucas espécies, que chamam atenção por suas características exóticas, como peixes bioluminescentes e lulas gigantes. A região mais profunda dos oceanos, abaixo dos 6 mil metros, é conhecida como região hadal. Sua fauna ainda é pouco conhecida, é constituída principalmente por esponjas e moluscos.

Classificação e exemplos de organismos bentônicos

De acordo com a sua forma de alimentação, os organismos bentônicos podem ser classificados em dois grandes grupos. O primeiro deles, chamado de fitobentos, é composto por organismos autótrofos, como algas. Em comparação com os outros seres bentônicos, esses organismos vivem em locais mais rasos e de águas claras, já que dependem da luz para realizarem a fotossíntese.

O outro grupo, conhecido como zoobentos, é constituído por organismos heterótrofos, ou seja, que não produzem seu próprio alimento e precisam se alimentar de outros seres para obter energia. Conforme as suas características, esses organismos ainda podem ser divididos em microbentos, mesobentos e macrobentos. Crustáceos como camarões e caranguejos são exemplos de animais que compõem esse grupo.

Importância dos organismos bentônicos

Os organismos bentônicos possuem uma grande importância para os ecossistemas marinhos. Nesses ambientes, os fitobentos garantem a disponibilidade de oxigênio e nutrientes, enquanto os zoobentos atuam no processo de decomposição de matéria orgânica. Ainda, todos os seres bentônicos participam da cadeia alimentar aquática, sendo alguns responsáveis pelo revolvimento do sedimento no fundo.

Além de sua importância ecológica, os organismos bentônicos são frequentemente utilizados como bioindicadores da qualidade do ambiente. Isso porque existem muitas espécies sésseis e que se locomovem pouco, o que faz com que sofram mais impactos do que outras capazes de nadar ativamente. Esse mesmo fator também contribui para uma maior facilidade de coleta de dados, facilitando as pesquisas.

Impactos humanos nos organismos bentônicos

As comunidades bentônicas sofrem impactos diariamente decorrentes de atividades humanas. As principais ameaças a esses ecossistemas são aquiculturapesca, expansão de áreas urbanas e turismo, poluição, redução dos recursos hídricos, corte de madeira de manguezais e mudanças climáticas. Por isso, elas devem ser preservadas e protegidas por meio de políticas públicas, já que apresentam grande importância para os seres vivos em geral.



Fonte: Equipe Ecycle - Julia Azevedo



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Alimentação natural para cães: dicas e cuidados

Leia Mais