Notícias

Conheça as árvores de ‘espécies exóticas invasoras’ com proibição de plantio em Santa Catarina

Compartilhe:     |  23 de abril de 2021

Órgãos ambientais do estado trabalham para diminuir os impactos por conta da proliferação desenfreada e ameaças ao ecossistema local.

Onze espécies de árvores consideradas como “exóticas invasoras” deixam um rastro de prejuízos ambientais, sociais, econômicos ou à saúde em Santa Catarina. Órgãos ambientais do estado trabalham para diminuir os impactos por conta da proliferação desenfreada e ameaças ao ecossistema local.

Com base em análise técnica estabelecida na Resolução do Consema nº 08/2012, as espécies passaram a fazer parte de uma lista que estabelece proibições de plantio (veja lista abaixo). O documento também cita outras plantas, animais e seres vivos que estão fora de sua região de origem e geram impactos.

“As espécies exóticas invasoras são de fora da região da qual elas são originárias. Em geral, o principal impacto dessas espécies está relacionado a uma reprodução desenfreada”, explica o biólogo Marcos Eugênio Maes, que é coordenador de Conservação de Flora do Instituto do Meio Ambiente (IMA).

Segundo o biólogo, o problema das espécies exóticas invasoras começou a receber mais atenção nos últimos 15 anos.

“É considerado atualmente um problema bastante grave. A lista se estabeleceu a partir de uma base de dados que tem do Instituto Hórus, que tem algumas espécies monitoradas. A partir de análises de como a espécie está estabelecida no estado, se está no estágio de invasão, da quantidade de indivíduos e se já está provocando impactos, foi estabelecida a lista”, explicou.

Corte da casuarina (Casuarina equisetifolia)  — Foto: Marcos Eugênio Maes/ IMA

Corte da casuarina (Casuarina equisetifolia) — Foto: Marcos Eugênio Maes/ IMA

Maes explica que o volume de espécies é muito grande e muitas foram trazidas de fora, sendo que a principal via de entrada das “exóticas invasoras” é por meio da ornamentação.

“As pessoas veem as plantas e acham bonitas e acabam pegando para embelezamento e paisagismo. Mas, também tem espécies que são associadas com o setor produtivo”, disse Maes.

Na lista oficial de espécies exóticas invasoras de Santa Catarina aparecem algumas árvores que estão proibidas de plantio e manutenção, sendo necessário o corte e o controle por parte dos proprietários:

  • Acácia-de-espigas (Acacia longifolia)
  • Acácia-mimosa (Acacia podalyriifolia)
  • Acácia-negra (Acacia mearnsii)
  • Casuarina (Casuarina equisetifolia)
  • Cheflera (Schefflera arboricola)
  • Cheflera (Schefflera actinophylla)
  • Cinamomo (Melia azedarach)
  • Ipê-de-jardim (Tecoma stans)
  • Pau-incenso (Pittosporum undulatum)
  • Saboneteira (Aleurites moluccana)
  • Sansão-do-campo (Mimosa caesalpiniifolia)

A lista também apresenta outras espécies “exóticas invasoras” como o pinheiro-americano (Pinus spp), que podem ser plantadas respeitando as determinações estabelecidas na resolução.

Segundo o coordenador de Conservação de Flora do IMA, as ações de manejo das árvores da lista têm maior enfoque nas reservas e parques estaduais.

“Nosso foco é tirar as ‘espécies exóticas invasoras’ das unidades de conservação, que são sete parques e três reservas”.

Parque do Rio Vermelho é um dos locais que tem Pinus considerado espécie invasora  — Foto: Diorgenes Pandini/ NSC

Parque do Rio Vermelho é um dos locais que tem Pinus considerado espécie invasora — Foto: Diorgenes Pandini/ NSC

Outras restrições

Apesar de não integrar a lista, também há restrições para o plantio da Espatódea (Spathodea campanulata), conhecida como bisnagueira. Diante do impacto para as abelhas nativas foi aprovada a Lei Estadual 17.694/2019, que proíbe a produção de mudas, o plantio da espécie e estabelece uma multa de R$ 1mil em caso de descumprimento. A planta possui uma mucilagem nas flores, que é tóxica para abelhas e pássaros.

“No caso da Espatódea não integra a lista, ela foi introduzida porque ela é uma planta muito bonita e as pessoas começaram a usar para a ornamentação. Ela não foi avaliada [para entrar na lista] porque temos um volume muito grande de espécies e não foi possível avaliar todas. Essa espécie não se dissemina facilmente e não costuma apresentar reprodução descontrolada no estado”, afirma Maes.

Além da lista e legislação estadual, as prefeituras também podem ter regras específicas para o plantio e manejo das espécies.



Fonte: G1 - Por Anaísa Catucci



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais