Notícias

Consumo global de alimentos veganos cresce 26%, segundo relatório

Compartilhe:     |  14 de julho de 2020

De acordo com uma pesquisa concluída neste mês de julho pela FMCG Gurus, o consumo de alimentos veganos cresceu 26% de abril pra cá, o que segundo o relatório é uma consequência também do impacto da pandemia de covid-19, já que os percentuais eram mais modestos até março de 2020.

Em abril, por exemplo, a FMCG Gurus apontou que houve aumento de 18%, e desde então vem em uma crescente. Entre os principais motivos para as novas escolhas alimentares dos consumidores estão a preocupação com a saúde e o meio ambiente.

“Em maio, 55% dos consumidores declararam que acreditam que os alimentos à base de vegetais são mais saudáveis. Isso destaca o desejo por melhores alternativas à medida que estão adotando uma abordagem holística da saúde para o futuro”, frisa a FMCG Gurus.

A empresa de pesquisa também revelou que em escala global há uma previsão de que 41% dos consumidores tendem a aumentar a ingestão de vegetais.

“Isso sugere que os consumidores estão adotando uma abordagem de retorno ao básico quando se trata de uma vida saudável, recorrendo a produtos naturais. Os consumidores considerarão essa uma maneira acessível e conveniente de aumentar a ingestão de ingredientes essenciais associados ao aumento da imunidade, como proteínas, ferro, vitamina C e vitamina D.”

Reformulação do mercado de carnes

Recentemente o Financial Times publicou que a crise provocada pela covid-19 está reformulando o mercado de carnes ao popularizar e aumentar as vendas de alternativas à base de vegetais principalmente nos EUA – o que ainda ocorre em um cenário crescente de desaceleração do consumo de carne e paralisação de matadouros em decorrência da disseminação do coronavírus.

O diretor executivo do Good Food Institute, Bruce Friedrich, observa que embora a carne à base de vegetais ainda represente uma pequena parte do mercado de proteínas, o produto tem crescido rapidamente em popularidade nos últimos anos – uma tendência que foi acelerada pela crise do coronavírus.

Segundo Friedrich, em relação à carne, os produtos à base de vegetais não sofrem muito com a crise porque o processo de produção é mais automatizado, demanda menos mão de obra e tem uma cadeia de suprimentos menos volátil.



Fonte: Anda



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais