Notícias

Controle do estresse é um dos jeitos de evitar dores de cabeça em adultos e crianças

Compartilhe:     |  28 de outubro de 2014

Contas para pagar, relatórios para entregar no trabalho, reunião na escola do filho: são tantos compromissos ao longo do dia que, muitas vezes, fica difícil não se estressar. O problema é que esse estresse pode prejudicar a saúde do cérebro e do coração, como alertaram o cardiologista Roberto Kalil e o neurologista Marcelo Calderaro no Bem Estar desta terça-feira (28).

Se a pessoa se estressa, o organismo libera hormônios, como cortisol e adrenalina, que causam uma vasoconstrição. Isso pode ser uma das causas do aumento de pressão arterial e também de uma dor de cabeça ou enxaqueca, como explicou o cardiologista.

Além disso, as emoções negativas podem também gerar tensão muscular, outra causa de dor, como lembrou a psicóloga Juliane Mercante. Para evitar, a dica é tentar controlar esse estresse, com respirações profundas e lentas, e também com bons hábitos de vida, como dormir bem e fazer atividade física.

Dor de cabeça 3 (Foto: Arte/G1)

 

O neurologista Marcelo Calderaro alertou que a enxaqueca é uma doença de diagnóstico clínico e, por isso, é mais fácil detectá-la em adultos, que conseguem explicar melhor o que sentem. Ela pode ser um problema crônico ou causada pelo descontrole da pressão arterial, como explicou o cardiologista Roberto Kalil. Para identificar, basta procurar um médico para tratar a hipertensão – se a enxaqueca não melhorar, aí é preciso investigar outra causa.

Os médicos ressaltam, no entanto, que a enxaqueca por estresse não é exclusiva de adultos e crianças também podem ter (veja no vídeo acima). O problema é que, para detectar nos pequenos, é importante ficar atento a outros sinais – a dica é observar o comportamento deles e avaliar, por exemplo, se costumam se isolar, se têm aversão a luz e sons ou se têm episódios de náuseas e vômitos.

Existem inclusive personalidades com uma tendência maior a ter dor de cabeça, como a de pessoas perfeccionistas, exigentes ou catastróficas, como mostrou a psicóloga. Crenças e pensamentos como esses podem aumentar o risco de tensões, ansiedade e sentimentos ruins e, por isso, a dica é aprender a controlá-los.



Fonte: Bem Estar



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Gatos: dicas de cientistas para cuidar bem do seu pet

Leia Mais