Notícias

Crise climática pode transformar 40% da floresta amazônica em savana

Compartilhe:     |  16 de outubro de 2020

Florestas tropicais são “muito sensíveis às mudanças globais e podem perder rapidamente sua capacidade de adaptação”, dizem os pesquisadores.

Até 40 por cento da floresta amazônica poderia ser transformada em uma paisagem semelhante à de uma savana mais seca se os níveis de chuva continuarem a cair como resultado da mudança climática.

Os pesquisadores alertaram que quase metade da maior floresta tropical do mundo está em um ponto crítico e corre o risco de secar permanentemente se as emissões globais de carbono não forem reduzidas.

Cientistas do Stockholm Resilience Center, um instituto de pesquisa independente especializado em questões ambientais, usaram modelos matemáticos para testar como o aumento da temperatura causado pela mudança climática afetaria as florestas tropicais em todo o mundo.

“Em cerca de 40 por cento da Amazônia, a precipitação está agora em um nível onde a floresta poderia existir em qualquer estado – floresta tropical ou savana, de acordo com nossas descobertas”, disse o principal autor do estudo, Arie Staal.

As savanas são ecossistemas caracterizados por menos cobertura de árvores e maiores pastagens, e tendem a existir em áreas temperadas com menos chuva do que o necessário para promover uma floresta tropical.

O aumento das emissões de gases de efeito estufa já causou uma queda na quantidade de chuvas que caem sobre a Amazônia em várias regiões e essa tendência deve piorar à medida que a América do Sul esquenta graças às mudanças climáticas.

Como as florestas tropicais geram alguma chuva por causa da liberação de vapor d’água pelas folhas, sua perda também agrava os níveis de chuva que já estão em declínio. “À medida que as florestas encolhem, temos menos chuva a favor do vento e isso causa secagem, levando a mais incêndios e perdas florestais: um ciclo vicioso”, disse Staal, um ex-pesquisador de pós-doutorado no SRC e no Instituto Copérnico da Universidade de Utrecht.

“Compreendemos agora que as florestas tropicais em todos os continentes são muito sensíveis às mudanças globais e podem perder rapidamente sua capacidade de adaptação”, acrescentou Ingo Fetzer, pesquisador do SRC.

“Uma vez perdida, sua recuperação levará muitas décadas para retornar ao seu estado original. E, dado que as florestas tropicais hospedam a maioria de todas as espécies globais, tudo isso estará perdido para sempre”.

Além de abrigar a mais extensa biodiversidade da Terra, as florestas tropicais como a Amazônia sugam grandes quantidades de carbono da atmosfera, desacelerando as mudanças climáticas.

A floresta tropical está sob crescente ameaça após a eleição do presidente de extrema direita do Brasil, Jair Bolsonaro.

Bolsonaro lançou dúvidas sobre a existência de mudanças climáticas causadas pelo homem e por muito tempo favoreceu mais exploração e desenvolvimento por grandes empresas agrícolas na Amazônia. As queimadas, a extração de madeira e a agricultura na Amazônia aumentaram visivelmente desde sua ascensão ao poder em 2018, com dados da própria agência espacial brasileira mostrando que os incêndios atingiram o máximo de dez anos em agosto.



Fonte: Anda - Christian Limberger



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Gatos: dicas de cientistas para cuidar bem do seu pet

Leia Mais