Notícias

Desmatamento ameaça destruir comunidade de primatas na Indonésia

Compartilhe:     |  10 de dezembro de 2020

Um conjunto evolutivo na Indonésia que deu origem a uma variedade única de primatas não encontrados em nenhum outro lugar da Terra corre o risco de desaparecer devido ao rápido desmatamento, alerta um novo estudo.

A ilha de Sulawesi fica na região biogeográfica de Wallacea, onde a fauna nativa é distinta da vida selvagem mais conhecida – como orangotangos, rinocerontes e tigres — encontrados na metade ocidental da Indonésia. Embora a última região já tenha feito parte da massa de terra do sudeste asiático quando os níveis do mar estavam mais baixos, compartilhando assim grande parte da mesma biodiversidade, Sulawesi sempre foi isolada do continente, o que permitiu que a vida selvagem lá evoluísse de maneiras únicas e surpreendentes.

É um refúgio em particular para primatas: todas as 17 espécies de macacos (Macaca spp) e társios (Tarsius spp) encontrados lá são endêmicos da ilha. Porém essas maravilhas evolucionárias estão ameaçadas pela perda acelerada de seu habitat primitivo.

Sulawesi por muito tempo conseguiu evitar o desmatamento em escala industrial que devastou as ilhas de Sumatra e Bornéu para plantações de dendezeiros e minas de carvão. Mas, como a terra e os recursos estão esgotados no oeste da Indonésia, os produtores estão se voltando cada vez mais para as ilhas relativamente intocadas do leste do país, incluindo Sulawesi e Papua.

“Embora ainda não seja tão severo ou dramático quanto as taxas de desmatamento em Sumatra, as causas do desmatamento em Sulawesi estão aumentando em intensidade”, escreveu um grupo de pesquisadores da Indonésia e da Austrália em um artigo recente.

Publicado na revista Global Ecology and Conservation, o estudo observa que o desmatamento das florestas da planície de Sulawesi para plantações começou na década de 1990, continuando nos anos 2000 e 2010 e destruindo habitats cruciais de primatas endêmicos e ameaçados de extinção. Usando dados de perda florestal do Global Forest Change, sustentados por três visitas à ilha em 2019, os pesquisadores descobriram que as taxas de desmatamento aumentaram nos habitats de todos os primatas de Sulawesi.

Eles calcularam que Sulawesi havia perdido 11% de sua cobertura florestal de 2000 a 2017 — uma área de mais de 2 milhões de hectares, ou o dobro do tamanho da Jamaica.

Entre os primatas severamente atingidos pelo desmatamento estão o ‘booted macaque’ — (Macaca ochreata) e o ‘peleng tarcier'(Tarsius pelengensis), ambos ameaçados de extinção, que perderam 14% de seu habitat. Outras espécies perderam uma porcentagem menor de seu habitat, mas algumas tinham um alcance restrito para começar, tornando qualquer perda de floresta significativa.

O mais ameaçado dos macacos de Sulawesi é o Macaco-de-crista das Celebes (M. nigra), que ganhou destaque na cultura pop em 2011, quando um dos macacos fez uma série de “selfies” que viriam a ser o assunto de uma prolongada disputa de direitos autorais. O macaco-de-crista está classificado como criticamente ameaçado na Lista Vermelha da IUCN. Tem uma população de 4.000 a 6.000 indivíduos em todo o continente de Sulawesi e 100.000 na Ilha de Bacan.

Apesar de grande parte da área de distribuição do macaco ser área protegida, seu habitat ainda está diminuindo rapidamente devido ao desmatamento em grande escala para exploração madeireira e agricultura, alguns dos quais são subsidiados pelo governo. Os macacos-com-crista das Celebes perderam 7% de seu habitat entre 2000 e 2017, diz o estudo.

Pixabay

Zonas de hibridização

Para o autor principal do estudo Jatna Supriatna, bióloga conservacionista da Universidade da Indonésia, o que torna a perda de floresta em Sulawesi particularmente deplorável é que ela afeta áreas conhecidas como zonas de hibridização — regiões onde espécies de primatas intimamente relacionadas se cruzam e alimentam a explosão da biodiversidade vista em poucos lugares na Terra.
“As zonas híbridas são muito importantes para a ciência [porque] há muita diferenciação genética ali”, disse Jatna ao Mongabay.

“Por exemplo, há uma ou duas espécies de macacos em Java e Bornéu. Mas em Sulawesi, o número é sete. Isso significa que há uma explosão”, diz ele. “O mesmo acontece com tarsiers. Há um em Bornéu, um nas Filipinas, mas há mais de 10 em Sulawesi. ”

Ainda assim, todas as seis zonas de hibridização cruciais que os pesquisadores examinaram estão vivenciando uma taxa “muito alta” de desmatamento, diz Jatna. Dentro de um raio de 10 quilômetros das zonas de hibridização, uma área combinada de mais de 80.000 hectares de floresta foi perdida. Em um raio de 50 km, a área desmatada era de quase 540.000 hectares.

A maior perda de floresta ocorreu na zona híbrida entre as populações ocidentais do ‘booted macaque’ e do macaco tonkean (Macaca tonkeana): quase 26.000 hectares em um raio de 10 km e 152.000 hectares em 50 km.
O que torna esse desmatamento mais preocupante é que nenhuma das zonas de hibridização está protegida, dizem os pesquisadores, o que torna quase certo que a perda de floresta continuará nessas áreas.

O estudo identificou algumas ameaças contínuas às zonas de hibridização, incluindo um projeto para alargar uma estrada através da zona muito estreita entre as cordilheiras do macaco tonkean e do macaco-de-Heck (Macaca hecki) em Sulawesi Central. Mais de 48.000 hectares de cobertura florestal já foram perdidos dentro de 50 km desta zona, e o projeto da estrada pode levar a uma maior ocupação humana da zona, acelerando o ritmo do desmatamento.

Os pesquisadores também encontraram aumento do desmatamento de floresta para terras agrícolas em Sulawesi do Sul, na zona híbrida entre o macaco Tonkean e o macaco mouro (Macaca maura). Eles alertam que a expansão das plantações de milho, cacau e café deve continuar

Falta de proteção

Um fator que explica porque essas zonas de hibridização estão sendo desmatadas é que elas não se enquadram em áreas protegidas ou de conservação.

“As zonas híbridas existem há centenas de anos, mas foi somente em 1984 que foram reconhecidas” como importantes, diz Jatna. “Eu propus [proteger essas zonas], mas talvez porque já existam muitas pessoas e assentamentos nessas áreas e florestas, não houve acompanhamento ainda. Portanto, é necessário que haja iniciativas do governo sobre como proteger essas zonas.”

Os pesquisadores observam que porções substanciais das zonas de hibridização identificadas no estudo foram propostas para proteção. Mas as leis de conservação da Indonésia não reconhecem a importância biológica dessas áreas, muito menos a necessidade de protegê-las, diz Jatna.

“Não podemos deixar essas espécies híbridas desaparecerem simplesmente porque perdem seus habitats”, diz ele. “É por isso que essas zonas precisam ser protegidas.”
Também fora do âmbito das áreas protegidas estão toda a gama de espécies como o társio de Lariang (Tarsius lariang), társio espectral (Tarsius tarsier) e társio da Ilha de Siau (Tarsius tumpara). Este último é considerado criticamente ameaçado.

“O habitat remanescente dessas três espécies, cobrindo apenas alguns milhares de hectares, não é suficiente para que sobrevivam, a menos que os remanescentes florestais em que ocorrem sejam protegidos e cuidadosamente manejados”, escrevem os pesquisadores em seu artigo.

Embora existam grandes áreas protegidas, notadamente o Parque Nacional Lore Lindu e a Reserva Natural Morowali, elas estão concentradas em Sulawesi Central, deixando outras regiões com pouca ou nenhuma proteção. Eles também estão localizados em altitudes mais altas, que são inadequadas para a agricultura — e, portanto, menos propensos a serem desmatados – enquanto a maioria dos primatas de Sulawesi ocorrem em florestas de planícies que podem ser mais facilmente desmatadas e cultivadas.

Agricultura e infraestrutura

Estabelecer mais áreas protegidas é crucial para salvar os primatas únicos de Sulawesi, diz Jatna. Mas é igualmente importante abordar as causas do desmatamento. Isso inclui exploração extensiva de madeira e a sua colheita, expansão agrícola e desenvolvimento de infraestrutura.

Embora a escala da exploração madeireira em Sulawesi seja menor em comparação com Sumatra e Bornéu devido à falta de floresta de várzea acessível e menos espécies de árvores comercialmente valiosas na ilha, ainda é um grande fator de desmatamento. A extração de madeira, mesmo seletivamente, também dá espaço para que as pessoas se mudem e comecem a limpar terras para a agricultura, acelerando a disseminação do desmatamento.

Em alguns casos, a expansão das terras agrícolas é incentivada por políticas governamentais. O governo da província de Gorontalo, no extremo norte de Sulawesi, tem pressionado desde 2008 para o estabelecimento de fazendas de milho ali, incluindo a oferta de incentivos como garantia de preço mínimo.

A proliferação de fazendas de milho representa uma ameaça especificamente para o társio de Jatna (Tarsius supriatnai), uma espécie que leva o nome do pesquisador de primatas. Só foi classificado em 2017, mas já perdeu um oitavo de seu habitat nativo.
“Em Gorontalo, o ex-governador, Fadel Muhammad, pressionou para que todas [as terras] se tornassem plantações de milho”, diz Jatna. “Essa é uma política muito ruim… O resultado é a degradação das florestas.”

Outra cultura que ameaça o habitat dos primatas de Sulawesi é o dendê, já intimamente associado à destruição geral das florestas em Sumatra e Bornéu. O estudo observa que, desde que uma nova estrada foi construída recentemente perto da Reserva de Vida Selvagem de Nantu em Gorontalo, as fazendas de dendezeiros têm crescido significativamente. Eles atribuem isso à presença da estrada melhorando a acessibilidade a novos terrenos.

O estudo identifica vários outros projetos de infraestrutura que podem levar ao aumento do desmatamento, como a construção de uma linha férrea de Makassar, no sudoeste de Sulawesi, até Parepare, 150 km ao norte. A linha faz parte da rede Trans Sulawesi de 1.513 km, o maior desenvolvimento de infraestrutura em Sulawesi, que deve ligar o sul da ilha ao norte.

O projeto Trans Sulawesi, por sua vez, está sendo desenvolvido como parte da Belt and Road Initiative (BRI) da China. Como tal, o governo indonésio planeja uma série de outros projetos associados na região, incluindo estradas com pedágio, locais de turismo, zonas econômicas especiais e uma atualização dos aeroportos existentes.

“Isso pode levar a um maior desenvolvimento de estradas, o que aumenta o acesso e oferece oportunidades para a invasão das florestas remanescentes”, diz o estudo.



Fonte: Anda



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Estresse passa do dono para o cachorro

Leia Mais