Notícias

Despejo de resíduos na Grande Barreira de Corais pode estar perto do fim

Compartilhe:     |  3 de julho de 2015

O Comitê do Patrimônio da Humanidade da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) decidiu colocar pressão no governo australiano para que o país cumpra sua promessa de restaurar a saúde da Grande Barreira de Corais.

A decisão traz a exigência de que o país faça uma proteção efetiva e firme do recife em relação a ameaças – o que inclui industrialização imprudente e poluição. O primeiro relatório com os progressos da iniciativa está previsto para daqui a 18 meses.

O comitê da UNESCO cumprimentou a Austrália pelo “compromisso de estabelecer uma proibição definitiva ao despejo de material proveniente de todos os projetos de dragagem” e por restringir novas grandes expansões portuárias nas águas próximas à Barreira. A partir dessa decisão, o WWF espera que uma proibição completa sobre o despejo de resíduos nas águas da Grande Barreira, que faz parte do Patrimônio Mundial da Humanidade, entre em vigor dentro de alguns meses.

“A Austrália prometeu priorizar a saúde do recife em relação às atividades prejudiciais como o despejo de material dragado. A UNESCO estará atenta para garantir que as condições dos recifes melhorem nos próximos anos, da mesma forma como estarão os 550 mil apoiadores da campanha do WWF e os milhões de pessoas no mundo que estão profundamente preocupados e querem um fim à destruição industrial da Grande Barreira de Corais”, disse Marco Lambertini, diretor-geral do WWF Internacional. No domingo, o WWF entregará assinaturas dessas milhares de pessoas, de 177 países, ao comitê da UNESCO pedindo que o órgão defenda firmemente o nosso patrimônio natural mundial.

Na sua decisão final, o comitê expressou uma preocupação contínua de que os habitats e as populações de vida selvagem estão diminuindo e de que a perspectiva do recife não é boa. A comissão destacou que as principais ameaças a longo prazo, tais como a poluição da água e as alterações climáticas, continuam existindo e exigem uma ação contrária.

Programa Marinho do WWF-Brasil

Preocupado com a situação dos mares brasileiros, o WWF-Brasil lançou em junho deste ano o Programa Marinho. O trabalho será desenvolvido em três áreas principais: pesca, turismo e poluição, a partir das seguintes estratégias: gestão da qualidade de destinos costeiros; engajamento da sociedade; valorização da pesca sustentável; e fomento a políticas públicas.

Uma das ações, já em andamento com designers brasileiros e holandeses, é o desenvolvimento de um projeto piloto com produtos feitos a partir da coleta de plásticos flutuantes na Baía da Guanabara, no Rio de Janeiro, local que sediará algumas provas esportivas dos Jogos Olímpicos 2016.



Fonte: WWF Brasil



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais