Notícias

Dietas flexíveis podem ser mais eficientes do que as restritivas

Compartilhe:     |  24 de novembro de 2020

Dietas flexíveis levam em conta as preferências alimentares, história clínica, prática esportiva e o estilo de vida do indivíduo. Quanto mais individualizada for a estratégia nutricional, maior a chance de adesão e de chegar ao objetivo. Toda dieta para redução de peso precisa de déficit energético. Normalmente reduz-se de 500 a 1000 calorias diárias em relação à quantidade de calorias normalmente ingerida pela pessoa. Nosso corpo é poupador, tenta sempre se adaptar, baixar o metabolismo para sobreviver. Mas em um programa flexível, mantemos uma “dieta de base” levando em conta a qualidade (reduzindo gorduras que aumentam a densidade energética da preparação), a distribuição dos macronutrientes e a quantidade. Não basta contar calorias.

Deve-se evitar acrescentar molhos às preparações, já que eles geralmente são calóricos e ricos em gorduras — Foto: Istock Getty Images

Deve-se evitar acrescentar molhos às preparações, já que eles geralmente são calóricos e ricos em gorduras — Foto: Istock Getty Images

Existem alimentos que são mais “aconselháveis”, mais saudáveis e com menor densidade energética, como frutas, verduras e legumes. É muito importante porcionar as refeições, as proteínas e os acompanhamentos, aprender a fazer melhores escolhas, saber quais são as preparações mais calóricas, como minimizar “danos”. Fazer uma boa negociação. Vai sair da dieta? Quer ingerir uma preparação mais calórica? Organize o seu programa alimentar do dia. Saia e retome a organização. Além disso:

  1. Cozinhe mais e desembale menos;
  2. Evite adicionar gorduras às preparações: manteiga, creme de leite, queijos e excesso de molhos;
  3. Dietas com aumento na proporção da proteína (não é o tamanho da proteína da refeição) geram mais saciedade, melhor controle glicêmico e associado ao exercício de força minimizam a perda e contribuem para a hipertrofia muscular;
  4. Quanto maior a variedade de alimentos, maior a chance em atender as recomendações nutricionais, variedade de nutrientes, menor monotonia alimentar e mais prazer;
  5. Bebida alcoólica pode fazer parte de um estilo de vida saudável, está muito presente na vida social, mas deve estar computada a sua dieta e ser usada com moderação. Possui alta densidade energética, leva a sobrecarga hepática, reduz a parte cognitiva e o desempenho esportivo;
  6. Mantenha-se ativo. Mexa-se, não importa como. Faça exercício físico regularmente.
  7. Lembre-se que dietas restritivas, com exclusão de grupos, tem alta correlação com compulsão alimentar, carências nutricionais, baixa adesão, maior risco de abandono do tratamento e reganho de peso.


Fonte: Eu Atleta - Por Cris Perroni



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Estresse passa do dono para o cachorro

Leia Mais