Notícias

Dinamarca pretende ser primeiro país do mundo 100% orgânico até 2020

Compartilhe:     |  5 de julho de 2018

Há 25 anos estratégias são traçadas e executadas no país para que os alimentos cultivados com agrotóxicos sejam substituídos por orgânicos.

A Dinamarca estabeleceu a meta de se tornar o primeiro país do mundo totalmente orgânico até 2020. Para isso, há 25 anos estratégias são traçadas e executadas para que os alimentos cultivados com agrotóxicos sejam substituídos por orgânicos e a demanda por esses produtos saudáveis e sustentáveis seja estimulada.

Entre os objetivos estabelecidos para que o país possa, no futuro, ser totalmente orgânico, estão o de duplicar a produção de cultivos orgânicos antes de 2020, através de subsídios fornecidos a pequenos agricultores, e conseguir que 60% dos alimentos encaminhados para hospitais, escolas e restaurantes comunitários sejam orgânicos. As informações são do portal Razões Para Acreditar.

Além dos objetivos, há ações que já estão sendo executadas, como a criação de projetos que permitam que os municípios criem hortas orgânicas em terrenos abandonados.

Enquanto isso, no Brasil..

Se na Dinamarca o que impera, em relação aos orgânicos, é a evolução, no Brasil, é o retrocesso. Isso porque o PL 6.299/2002, que prevê uma mudança na legislação dos agrotóxicos, foi aprovado, por 18 votos a 9, pela Comissão Especial da Câmara.

Entre outras questões, o PL dos agrotóxicos, que ficou conhecido como PL do Veneno, prevê autorização do uso de pesticidas com “risco aceitável”, barrando apenas os que possuem “risco inaceitável”, o que, na prática, passa a liberar o uso de agrotóxicos ainda piores e mais prejudiciais do que os que já são autorizados atualmente.

Caso o projeto se torne lei, a saúde dos brasileiros e o meio ambiente do país serão gravemente prejudicados. Isso porque a proposta que promove mudanças na legislação a respeito dos agrotóxicos passará a permitir o uso de pesticidas antes proibidos, o que irá degradar ainda mais a natureza, devido aos efeitos prejudiciais dos agrotóxicos, e adoecer a população, já que o consumo de produtos produzidos com uso de agrotóxicos causam cânceres, abortos e morte fetal, má-formação congênita, redução do número de espermatozoides, desregulação endócrina, alergias, alterações nos sistemas imunológicos, problemas gastrointestinais e circulatórios, entre outros.



Fonte: Anda



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais