Notícias

Dois novos filhotes de rinocerontes-de-java nascem em parque na Indonésia

Compartilhe:     |  28 de setembro de 2020

onservacionistas da Indonésia reportaram a presença de dois rinocerontes-de-java recém-nascidos no único lugar da Terra onde a espécie, ainda criticamente em risco de extinção, é encontrada – trazendo o total de sua população para 74 indivíduos.

Os filhotes – uma fêmea e um macho, que os oficiais de conservação nomearam de Helen e Luther – foram localizados com suas mães em imagens tiradas por uma rede de quase 100 armadilhas fotográficas instaladas no Parque Nacional de Ujung Kulon, na ponta ocidental da Ilha de Java, na Indonésia.

As imagens foram capturadas entre março e agosto, de acordo com as autoridades. Desde 2012, existe o registro de pelo menos um rinoceronte-de-java (Rhinoceros Sondaicus) recém-nascido por ano, de acordo com a Fundação Internacional de Rinocerontes (IRF na sigla em inglês).

“Os nascimentos desses rinocerontes-de-java no Parque Nacional de Ujung Kulon indicaram fortemente que a população continua naturalmente a crescer bem, o que dá uma esperança grande para a sobrevivência dessa espécie rara”, disse Wiratno, diretor-geral de conservação do Ministro do Meio-Ambiente da Indonésia, em um comunicado lançado no último dia 20 de setembro.

A caça e a perda do habitat levaram a espécie, que já chegou aos milhares em todo o sudeste asiático, a uma quase extinção. Agora, uma população estimada de 74 rinocerontes-de-java – 40 machos e 34 fêmeas – vivem no parque protegido.

Embora a população de rinoceronte-de-java pareça estar crescendo a um nível estável, é a única remanescente no mundo. Isso levanta preocupações entre especialistas em vida selvagem de que um surto de uma doença ou um desastre natural possa devastar a população remanescente.

Ujung Kulon está à vista do vulcão Anak Krakatoa, no estreito de Sunda, e em dezembro de 2018, uma erupção provocou um tsunami que atingiu o parque nacional. Os rinocerontes estavam abrigados no interior quando o parque foi atingido e saíram ilesos – embora as ondas tenham matado 2 oficiais do parque e mais de 400 pessoas em outras partes ao longo da costa.

“Conforme a população de rinoceronte-de-java aumenta, expandir o habitat deles será a maior preocupação”, Nina Fascione, diretora-executiva da IRF, escreveu em um comunicado publicado recentemente abordando a situação atual dos rinocerontes.

Esses fatores incitaram o governo e os grupos conservacionistas a procurar um segundo habitat adequado, no qual possa ser estabelecida uma nova população de rinocerontes. Apesar da urgência da situação, a tarefa de encontrar um novo habitat parece ter sido colocada em espera; ao invés disso, o governo Indonésio optou por expandir o habitat utilizável dentro do Ujung Kulon.

Enquanto a caça no Ujung Kulon não tem sido reportada em mais de 20 anos, Fascione ressalta uma nova ameaça ao habitat: pesca ilegal e armadilha para lagosta nas águas protegidas do parque. Em maio, o governo indonésio permitiu a retomada de captura de larvas de lagosta na natureza para exportação, efetivamente abrindo as costas de Ujung Kulon para pescadores.

“Caçadores podem ‘pegar uma carona’ até as praias do parque que são frequentadas por rinocerontes”, escreveu Fascione.

Ela acrescentou que uma patrulha marítima foi lançada em janeiro de 2020 e apreendeu até agora 45 barcos e 218 pessoas, que invadiram ilegalmente o parque apenas nos primeiros seis meses de operações.

Há uma década, a população dos rinocerontes-de-java era estimada em não mais do que 50 indivíduos. Os esforços do governo indonésio e de organizações ao redor do mundo para reforçar a segurança na área contra invasão e caça ilegal estiveram em vigor por muitos anos, e especialistas creditam a essas medidas o aumento estável no número de rinocerontes.

“De um nascimento de rinoceronte-de-java para outro, foram fortalecidos o nosso otimismo e paixão [pela conservação de rinocerontes]”, disse Wiratno.



Fonte: Anda - Layse Ventura



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Gatos: dicas de cientistas para cuidar bem do seu pet

Leia Mais