Notícias

Economia com fertilizantes na semeadura do inverno na Região Sul do Brasil

Compartilhe:     |  30 de março de 2020

A estiagem que afetou os cultivos de verão na Região Sul limitou a capacidade das plantas de extrair os nutrientes disponíveis no solo. Avaliar o residual de fertilizantes pode representar economia na implantação das lavouras de inverno.

De acordo com o pesquisador da Embrapa Trigo, Fabiano De Bona, a base de fertilizantes para a produção de grãos é a fórmula NPK- nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K). “Grande parte destes nutrientes ficaram no solo e devem ser contabilizados no investimento para adubação da cultura de inverno”, explica Fabiano. Segundo ele, o ponto de partida para verificar a disponibilidade de nutrientes é análise do solo: “Eu preciso saber o quanto de nutrientes está disponível na área e isso só é possível através da análise de solo. Repor a adubação sem considerar a safra anterior é anti-econômico. Você pode estar aplicando mais fertilizante do que a planta vai conseguir absorver”.

Avaliar o contexto da lavoura e não apenas a reposição de nutrientes é o que recomenda o pesquisador da Embrapa Trigo, Anderson Santi. “Precisamos considerar se a área recebeu milho nos últimos anos ou foi somente soja, qual o volume de palhada, o tipo de solo, relevo, clima. São vários fatores a considerar antes de fazer a adubação. A racionalidade econômica exige o planejamento no uso de insumos e os fertilizantes representam uma parcela importante dos custos de produção”.



Fonte: Embrapa Trigo



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Emocionante: vídeo mostra tartarugas-marinhas sendo salvas por pescadores no litoral catarinense

Leia Mais